28052020Qui
AtualizadoSeg, 25 Maio 2020 2am

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

57ª ASH: nova geração de agentes em mieloma múltiplo

Maiolino_1_NET_OK.jpgGrandes estudos concentraram as atenções na 57ª ASH, o maior encontro da hematologia mundial, realizado de 5 a 8 de dezembro, em Orlando, EUA. Angelo Maiolino (foto) comenta o que foi destaque no tratamento do Mieloma Múltiplo. O especialista lembra que nas semanas que antecederam o ASH, três novas drogas foram aprovadas pelo FDA para o tratamento do mieloma múltiplo recidivado ou refratário. 


Venetoclax é promessa em leucemia linfocítica crônica

stephan_stilgenbauer_NET_OK.jpgStephan Stilgenbauer (foto), da Universidade de Ulm, na Alemanha, apresentou no ASH 2015 um estudo pivotal de fase II realizado para avaliar a eficácia do venetoclax em pacientes com leucemia linfocítica crônica (LLC) com deleção do cromossomo 17p. Os onco-hematologistas Nelson Hamerschlak, coordenador do Programa de Hematologia e Transplantes de Medula Óssea do Hospital Israelita Albert Einstein, e Jacques Tabacof, do Centro Paulista de Oncologia (CPO), do Grupo Oncoclínicas, comentaram o estudo.

Pesquisadora comenta destaques da ASH 2015

Jaqueline_Barrientos_NET_OK.jpgO estudo HELIOS demonstrou a superioridade do ibrutinib, agente que ampliou de forma significativa o tempo de remissão da doença em pacientes com leucemia linfocítica crônica (LLC) refratária ou recorrente, quando associado ao regime padrão, de bendamustina e rituximabe (BR). Diante da magnitude de resposta, novos estudos estão em curso. Para a hematologista Jacqueline Barrientos (foto), uma das autoras do HELIOS, a resposta deve vir do ensaio com venetoclax, que apresentou na ASH 2015 os resultados do estudo de fase 2.

Terapia combinada com idelalisib em leucemia linfocítica crônica

zelenetz_andrew.jpgUm estudo de fase III, randomizado, placebo-controlado, avaliou a eficácia de idelalisib adicionado à bendamustina (B) e rituximab (R), o tratamento padrão para pacientes com leucemia linfocítica crônica recidivado ou resistente ao tratamento. Os dados foram apresentados por Andrew D. Zelenetz (foto), do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, durante a sessão de Late-Breaking Abstracts na terça-feira, 8 de dezembro.

KEYNOTE-023 investiga pembrolizumab em combinação no mieloma múltiplo

jesus_sanmiguel.jpgJesus San Miguel (foto), professor de hematologia da Universidade de Navarra, em Pamplona, Espanha, apresentou no 57o Congresso anual da Sociedade Americana de Hematologia (ASH), em Orlando, os resultados preliminares do estudo KEYNOTE-023, que avalia a segurança, tolerabilidade e eficácia de pembrolizumab em combinação com lenalidomida e dexametasona em baixa dose em pacientes com mieloma múltiplo recidivado/refratário.

Terapia-alvo é eficaz para mieloma múltiplo de difícil tratamento

Torben_ASH.jpgTorben Plesner (foto), do Vejle Hospital, University of Southern Denmark, apresentou na sessão oral de segunda-feira, 7 de dezembro, um estudo de fase I/II de daratumumab em combinação com a terapia padrão do mieloma múltiplo, lenalidomida e dexametasona. Os pesquisadores procuraram avaliar se essa terapia de combinação é segura e eficaz para pacientes com doença recidivada ou resistente ao tratamento.

Terapias-alvo na primeira linha em pacientes com leucemia linfocítica crônica

Alessandra_Tedeschi_ASH_NET_OK.jpgAlessandra Tedeschi (foto), do Azienda Ospedaliera Niguarda Cà Granda Milano, Itália, apresentou na sessão oral de segunda-feira, 7 de dezembro, os dados de um estudo randomizado de Fase III procurou avaliar a eficácia e segurança do ibrutinib em pacientes idosos com leucemia linfocítica crônica/linfoma linfocítico de pequenas células (LLC/LLPC).

Tratamento oral para mieloma múltiplo recidivado e/ou resistente

Moureau_ASH_NET_OK.jpgO estudo de fase III Tourmaline-MM1 demonstrou que a combinação de ixazomib, um inibidor de proteassoma oral, com lenalidomida e dexametasona aumentou significativamente a sobrevida livre de progressão no mieloma múltiplo recidivado e/ou refratário. O estudo foi apresentado por Philippe Moreau (foto), da Universidade de Nantes, França, durante uma apresentação oral na segunda-feira, 7 de dezembro.

Células T em cânceres hematológicos resistentes ao tratamento

kochenderfer_james.jpgDurante a apresentação oral do 57o Congresso Anual da ASH, sábado, 5 de dezembro, James N. Kochenderfer (foto), do Center for Cancer Research, National Cancer Institute, Bethesda, apresentou estudo que mostrou que o transplante de células estaminais é uma terapia curativa potencial para pacientes com cânceres hematológicos resistentes ao tratamento.


Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
300x250 ad onconews200519