Yimei_ASH.jpgUm estudo apresentado por Yimei Miao (foto), do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, em Nova York, na apresentação oral do dia 7 de dezembro, forneceu orientações para a gestão da anticoagulação na trombocitopenia em pacientes com câncer.

Os pacientes com câncer comumente desenvolvem trombose e muitas vezes são prescritos anticoagulantes terapêuticos em conjunto com a quimioterapia.
 
A trombocitopenia, uma condição caracterizada por uma deficiência de plaquetas no sangue, é um efeito adverso comum associada à quimioterapia. Os pacientes com trombocitopenia induzida pela quimioterapia (CIT) têm um risco aumentado de hemorragia.
 
Gerenciar a anticoagulação em pacientes com câncer que têm CIT é um desafio porque os clínicos devem encontrar um equilíbrio entre os riscos de sangramento e trombose recorrente.
 
O atual padrão de cuidados para prevenir coágulos sanguíneos em um cenário de câncer inclui o tratamento com heparina de baixo peso molecular (HBPM), um tipo de anticoagulante. No entanto, há poucas evidências para suportar a dosagem adequada para o tratamento destes episódios no ambiente de CIT. Em 2010, o Memorial Sloan-Kettering Cancer Center (MSK) implementou diretrizes para as modificações da dose HBPM na trombocitopenia.
 
A fim de avaliar a segurança e eficácia dessas diretrizes, os pesquisadores realizaram uma análise retrospectiva para verificar os resultados de pacientes com câncer que estavam trombocitopênicos durante pelo menos sete dias e receberam uma dose terapêutica de HBPM entre 2011 e 2013.
 
Os pesquisadores identificaram 102 pacientes, em um total de 143 episódios de trombocitopenia. A dose de HBPM foi modificada em 136 dos 144 episódios (95%), o que mostrou a aderência às diretrizes institucionais.
 
As doses de HBPM foram reduzidas em 20 episódios, mantidas em 89 episódios, e gerenciadas com uma combinação de redução ou manutenção em 27 episódios. Em geral, os episódios trombocitopênicos mais graves foram controlados com a manutenção da HBPM em oposição à redução da dose.
 
Nenhum dos pacientes apresentou trombose recorrente ou grande sangramento quando as diretrizes de gestão anticoagulante foram seguidas.
 
Os dados apoiam a segurança e eficácia de acordo com as diretrizes do MSK para a modificação da dose terapêutica de HBPM, equilibrando os riscos de trombose recorrente e sangramento durante os períodos de CIT em pacientes com câncer. São necessários mais estudos para verificar se uma estratégia similar seria apropriada para outros anticoagulantes orais.
 
Referência: Enoxaparin Dose Reduction for Thrombocytopenia in Patients with Cancer: A Quality Assessment Study [429