Jaqueline_Barrientos_NET_OK.jpgO estudo HELIOS demonstrou a superioridade do ibrutinib, agente que ampliou de forma significativa o tempo de remissão da doença em pacientes com leucemia linfocítica crônica (LLC) refratária ou recorrente, quando associado ao regime padrão, de bendamustina e rituximabe (BR). Diante da magnitude de resposta, novos estudos estão em curso. Para a hematologista Jacqueline Barrientos (foto), uma das autoras do HELIOS, a resposta deve vir do ensaio com venetoclax, que apresentou na ASH 2015 os resultados do estudo de fase 2.

Venetoclax é um inibidor da BCL-2, uma proteína presente nos linfócitos de células B que está envolvida na resistência a diversos agentes quimioterápicos e interfere diretamente na regulação da apoptose. Assim, venetoclax inibe seletivamente a proteína BCL-2 e restaura a apoptose celular.
 
“É uma droga que já demonstrou atividade em pacientes com deleção 17p e a magnitude dos benefícios é impressionante”, resumiu a pesquisadora. “Pela primeira vez vimos remissão completa, o que nenhuma outra droga conseguiu demonstrar”, acrescentou Jacqueline.
 
Venetoclax foi geralmente bem tolerado, mas a especialista também destaca a importância do manejo adequado de eventos adversos, uma vez que a toxicidade não é desprezível. “Precisamos estar vigilantes aos sintomas e monitorar anormalidades eletrolíticas”, recomenda.
 
Para a hematologista Jacqueline Barrientos, outro destaque da ASH 2015 é o RESONATE 2, que apresentou novos dados com o agente ibrutinibe, um inibidor que se liga covalentemente a enzima C481 da tirosina quinase de Bruton (BTK). O ensaio de fase 3 comparou ibrutinib com clorambucil em pacientes com mais de 65 anos sem tratamento prévio.
 
Em um seguimento médio de 18,4 meses, ibrutinib prolongou significativamente a sobrevida livre de progressão na comparação com clorambucil (mediana não alcançada vs 18,9 meses; HR 0,16, 95% CI 0,09-0,28, P <0,0001). O resultado foi consistente nos subgrupos com idade ≥70 anos, deleção 11q e IGHV não mutado.  Ibrutinibe também reduziu o risco de progressão ou morte em 91% (HR 0,09; IC de 95%, 0,04-0,17; P <0,0001) e prolongou a sobrevida global (HR 0,16, 95% CI 0,05-0,56, P = 0,0010).
 
“São respostas muito promissoras em cenários de limitadas opções de tratamento”, concluiu.
 
Referências: Results from the International, Randomized Phase III Study of Ibrutinib Versus Chlorambucil in Patients 65 Years and Older with Treatment-Naïve CLL/SLL (RESONATE TM-2) [495
 
Venetoclax (ABT-199/GDC-0199) Monotherapy Induces Deep Remissions, Including Complete Remission and Undetectable MRD, in Ultra-High Risk Relapsed/Refractory Chronic Lymphocytic Leukemia with 17p Deletion: Results of the Pivotal International Phase II Study [LBA-6]