Estudo publicado no ESMO Open apresenta o Método de Reavaliação Contínua Utility-PRO (U-PRO-CRM), um novo desenho de estudo que utiliza simultaneamente toxicidades limitantes da dose avaliadas pelo médico e pelo paciente para a recomendação de uma dose máxima tolerada.

A determinação da dose máxima tolerada (DMT) continua sendo o objetivo principal da maioria dos ensaios oncológicos para determinação da dose. Embora a determinação da dose máxima tolerada muitas vezes dependa dos médicos para identificar toxicidades limitantes da dose (TLDs) experimentadas pelos pacientes durante o ensaio, a pesquisa sugere que os médicos podem subnotificar os eventos adversos dos pacientes, levando à recomendação de doses intoleráveis ​​ para investigação adicional em ensaios subsequentes. “Há um interesse crescente em incorporar os resultados relatados pelos pacientes (PROs) em ensaios de fase inicial de determinação de dose”, afirmam os autores.

Nesse estudo, os pesquisadores apresentam os resultados da simulação para U-PRO-CRM, que utiliza simultaneamente toxicidades limitantes da dose avaliadas pelo médico e pelo paciente para decisões de (de)escalonamento e recomendação da dose máxima tolerada. O U-PRO-CRM contém o PRO-CRM publicado como um caso especial e oferece maior flexibilidade para compensar a taxa de toxicidade limitante de dose do paciente e do médico para encontrar uma dose ideal.

Para compensações específicas entre a taxa de toxicidade limitante de dose do médico e do paciente, o U-PRO-CRM supera o desenho do PRO-CRM, identificando a real dose máxima tolerada com mais frequência. O U-PRO-CRM minimiza o número de pacientes com overdose, mantendo uma proporção semelhante de pacientes alocados para a real dose máxima tolerada.

“Ao utilizar uma abordagem de seleção de dose baseada na utilidade, o U-PRO-CRM oferece a flexibilidade para definir uma compensação entre o risco de toxicidade limitante de dose avaliado pelo paciente e pelo médico para uma dose ideal”, destacam os autores. “As estratégias de determinação da dose centradas no paciente, que integram os resultados relatados pelos pacientes, estão preparadas para assumir um papel cada vez mais fundamental no avanço significativo da nossa compreensão da tolerabilidade do tratamento, com implicações significativas na definição do cenário futuro dos ensaios de fase inicial”, concluem.

Referência:

Alger E, Lee SM, Cheung YK, Yap C. U-PRO-CRM: designing patient-centred dose-finding trials with patient-reported outcomes. ESMO Open. 2024 Jul 4;9(7):103626. doi: 10.1016/j.esmoop.2024.103626. Epub ahead of print. PMID: 38968929.