colorretal 23Estudo de Innocenti et al. publicado no Journal of Clinical Oncology buscou identificar novas mutações associadas ao prognóstico e à resposta ao tratamento padrão no câncer colorretal (CRC), de acordo com diferenças raciais. Os achados podem fornecer novas ferramentas para prever os resultados dos pacientes e aprimorar as decisões de tratamento.

CALGB (Alliance)/SWOG 80405 foi um estudo randomizado de fase III envolvendo pacientes com câncer colorretal metastático tratados em primeira linha com a adição de bevacizumabe ou cetuximabe à quimioterapia. Nesta análise, os pesquisadores sequenciaram o DNA do tumor primário de 548 pacientes inscritos no estudo, a partir de um painel amplo (FoundatinOne®). O efeito de genes mutados na sobrevida global (SG) foi testado de acordo com o status de instabilidade de microssatélites, BRAF V600E, todas as mutações RAS, braço, sexo e idade.

Os resultados mostram que o número mediano (quartil inferior-superior) de genes mutados foi 5 (3-7), a estabilidade de microssatélites também foi observada em uma média de 5 tumores (3-6) e 12,5 (4,5-32) apresentaram alta instabilidade de microssatélites. Os autores descrevem que KRAS e APC mutados foram mais frequentes em pacientes negros (53% e 85%) do que em brancos (27% e 65%, respectivamente), enquanto BRAF V600E foi menos frequente em pacientes negros (5%) do que em pacientes brancos (14%).

A mediana de SG em pacientes com BRAF não-V600E (2,2% dos pacientes) foi de 31,9 meses, semelhante à SG mediana dos pacientes BRAF de tipo selvagem, de 31,2 meses. A mutação patogênica em LRP1B (10,7% dos pacientes) foi associada a melhor SG em comparação com aqueles sem mutação no gene LRP1B (razão de risco, 0,57 [IC 95%, 0,40 a 0,80]). O gene RNF43 (5,6% dos pacientes) interagiu com os braços de tratamento, pois no braço de cetuximabe, os pacientes com RNF43 mutado tiveram SG mediana de 11,5 (IC 95%, 10,8 para NA) meses em comparação com 30,1 (IC 95%, 24,9 a 35,3) meses em pacientes com RNF43 selvagem, enquanto no braço do bevacizumabe, os pacientes com RNF43 mutado tiveram SG mediana de 25,0 (IC 95%, 14,2 para NA) meses em comparação com 31,3 (IC 95%, 29,0 a 34,3) meses em pacientes com RNF43 selvagem.

“Esses achados podem fornecer novas ferramentas para prever o resultado do paciente, melhorar as decisões terapêuticas e a participação em ensaios em pacientes minoritários”, concluem os autores, acrescentando que as alterações moleculares identificadas neste estudo podem direcionar estudos orientados por biomarcadores.

Referência: DOI: 10.1200/JCO.23.00825 Journal of Clinical Oncology. Published online November 22, 2023.