Revisão que avaliou a eficácia das estratégias de perda de peso em indicadores biológicos importantes associados ao CE endometrioide, incluindo modificações no estilo de vida, intervenções cirúrgicas e abordagens farmacológicas, mostra dados que podem refinar estratégias terapêuticas, introduzir intervenções personalizadas e melhorar os resultados de pacientes com CE endometrioide.

O câncer de endométrio (CE) inclui vários tipos histológicos, sendo o carcinoma endometrioide dependente de estrogênio o mais comum.

A obesidade contribui significativamente para a carga do CE endometrioide (ou CE Tipo I), reconhecida como o principal fator de risco evitável para seu desenvolvimento, especialmente em mulheres na pós-menopausa, como resultado da produção elevada de estrogênio pelos adipócitos. A obesidade não só aumenta a incidência e as taxas de mortalidade de CE endometrioide, mas também aumenta o risco de recorrência entre sobreviventes de câncer. Assim, intervenções para perda de peso são essenciais para mitigar o risco de CE endometrioide, promovendo melhorias importantes em alterações metabólicas relacionadas à obesidade, incluindo resistência à insulina, dislipidemia e inflamação.

Nesta  revisão sistemática e meta-análise, os pesquisadores enfocaram três intervenções de perda de peso: cirurgia bariátrica, farmacoterapia e mudanças no estilo de vida. Os efeitos dessas intervenções em biomarcadores inflamatórios (PCR, TNF-α, IL-6) e hormônios (leptina, estrogênio) foram analisados. Dados de estudos controlados foram reunidos para avaliar a significância da perda de peso na redução desses biomarcadores.

Os resultados foram relatados por Clontz et al. na Cancers e mostram que, apesar da heterogeneidade, a cirurgia bariátrica resultou em uma redução geral de peso de 25,8%, superando as intervenções de estilo de vida e farmacoterapia. A perda de peso reduziu os níveis de PCR em 33,5% e os níveis de IL-6 em 41,9%. Os níveis de TNF-α diminuíram em 13% com perda de peso percentual acima de 7%. Os níveis de leptina também diminuíram significativamente, embora a porcentagem exata de perda de peso não tenha sido estatisticamente significativa.

Em síntese, a perda de peso reduziu efetivamente os marcadores pró-inflamatórios e hormônios associados ao aumento do risco de CE endometrioide. “Esta revisão fornece insights valiosos sobre as vantagens potenciais das terapias para perda de peso como elementos suplementares no tratamento do CE. Ao delinear intervenções e seus resultados, este esforço busca aprimorar práticas clínicas, otimizar abordagens terapêuticas e incorporar intervenções personalizadas que abordem vários fatores essenciais para promover cuidados de saúde equitativos e melhorar os resultados para indivíduos impactados por CE”, concluem os autores.

O câncer endometrial é classificado globalmente como o quarto câncer mais diagnosticado entre as mulheres.

Referência:

Clontz, A.D.; Gan, E.; Hursting, S.D.; Bae-Jump, V.L. Effects of Weight Loss on Key Obesity-Related Biomarkers Linked to the Risk of Endometrial Cancer: A Systematic Review and Meta-Analysis. Cancers 202416, 2197. https://doi.org/10.3390/cancers16122197