O tratamento de primeira linha com o radioligante 177Lu-Dotatate (Lutathera®) e octreotida (Sandostatina) prolongou significativamente a mediana de sobrevida livre de progressão (em 14 meses) em pacientes com tumores neuroendócrinos gastroenteropancreáticos avançados de alto grau, potencialmente estabelecendo um novo padrão nesse cenário de tratamento. Os resultados são do estudo de Fase 3 NETTER-2 e foram publicados no Lancet.

“Atualmente, não existe padrão de tratamento de primeira linha para pacientes com tumores neuroendócrinos gastroenteropancreáticos (GEP-NETs) avançados, de grau superior 2–3, bem diferenciados”, observaram os autores.

O estudo de Fase 3 NETTER-2, aberto, randomizado, de superioridade, avaliou a eficácia e segurança do tratamento de primeira linha com [177Lu] Lu-DOTA-TATE (177Lu-Dotatate) nessa população de pacientes.

O estudo incluiu pacientes (com idade ≥15 anos) com GEP-NETs avançados recentemente diagnosticado de grau 2 (Ki67 ≥10% e ≤20%) e grau 3 (Ki67 >20% e ≤55%), positivo para receptor de somatostatina (em todas as lesões-alvo), de 45 centros em nove países da América do Norte, Europa e Ásia.

Foram utilizadas tecnologias de resposta interativa para randomizar (2:1) pacientes para receber quatro ciclos (o intervalo do ciclo foi de 8 semanas ± 1 semana) de 177Lu-Dotatate intravenoso mais octreotida intramuscular 30 mg de ação prolongada (LAR) e depois octreotida 30 mg LAR a cada 4 semanas (grupo 177Lu-Dotatate) ou octreotida 60 mg LAR a cada 4 semanas (grupo controle). Os pacientes foram estratificados por grau de tumor neuroendócrino (2 versus 3) e origem (pâncreas versus outro).

As avaliações do tumor foram realizadas no início do estudo, na semana 16 e na semana 24, e depois a cada 12 semanas até a progressão da doença ou morte. O endpoint primário foi a sobrevida livre de progressão por avaliação radiológica central cega e independente. A análise primária foi realizada em 101 eventos de sobrevida livre de progressão.

Resultados

Entre 22 de janeiro de 2020 e 13 de outubro de 2022, foram selecionados 261 pacientes, e 35 (13%) foram excluídos. 226 pacientes foram randomizados para os braços 177Lu-DOTATATE (n = 151; 67%) ou controle (n = 75; 33%); 121 (54%) eram homens e 105 (46%) eram mulheres.

A mediana de sobrevida livre de progressão foi de 8,5 meses (95% CI 7,7–13,8) no grupo controle e 22,8 meses (19,4–não estimado) no grupo 177Lu-Dotatate (razão de risco estratificada 0·276 [0·182 – 0·418]; p<0·0001).

Durante o período de tratamento, eventos adversos (de qualquer grau) ocorreram em 136 (93%) dos 147 pacientes tratados no grupo 177Lu-Dotatate e 69 (95%) dos 73 pacientes tratados no grupo controle. Não houve mortes relacionadas ao medicamento durante o período de tratamento.

Em síntese, 177Lu-Dotatate de primeira linha mais octreotida LAR estendeu significativamente a sobrevida média livre de progressão (em 14 meses) em pacientes com tumores neuroendócrinos gastroenteropancreáticos avançados de grau 2 ou 3. “177Lu-Dotatate deve ser considerado o novo padrão de tratamento no tratamento de primeira linha nesta população”, concluíram os autores.

O estudo foi financiado pela Advanced Accelerator Applications, uma empresa da Novartis, e está registrado em ClinicalTrials.gov, NCT03972488.

Referência:

Singh S, Halperin D, Myrehaug S, Herrmann K, Pavel M, Kunz PL, Chasen B, Tafuto S, Lastoria S, Capdevila J, García-Burillo A, Oh DY, Yoo C, Halfdanarson TR, Falk S, Folitar I, Zhang Y, Aimone P, de Herder WW, Ferone D; all the NETTER-2 Trial Investigators. [177Lu]Lu-DOTA-TATE plus long-acting octreotide versus high‑dose long-acting octreotide for the treatment of newly diagnosed, advanced grade 2-3, well-differentiated, gastroenteropancreatic neuroendocrine tumours (NETTER-2): an open-label, randomised, phase 3 study. Lancet. 2024 Jun 5:S0140-6736(24)00701-3. doi: 10.1016/S0140-6736(24)00701-3. Epub ahead of print. PMID: 38851203.