Revisão sistemática e meta-análise publicada no Journal of Geriatric Oncology demonstrou associação entre fragilidade e sobrevida global, sobrevida livre de recorrência e um aumento da suscetibilidade a complicações em pacientes idosos com câncer de pulmão. “Nossos resultados reforçam o potencial do estado de fragilidade como um indicador prognóstico importante”, avaliam os autores.

A fragilidade é uma síndrome que afeta principalmente adultos mais velhos e pode interferir no curso da doença, tratamento e resultados em pacientes com câncer de pulmão. Nesse estudo, os pesquisadores realizaram uma revisão sistemática dos dados atuais sobre a correlação entre fragilidade e sobrevida global (SG), sobrevida livre de recorrência (SLR) e risco de complicações em pacientes idosos com câncer de pulmão.

Os bancos de dados PubMed, EMBASE e Scopus foram pesquisados para estudos observacionais de coorte, transversais e caso-controle envolvendo participantes com 18 anos ou mais com diagnóstico de câncer de pulmão. Eram elegíveis estudos que realizassem avaliações de fragilidade e tivessem participantes não frágeis como grupo comparador. Modelos de efeitos aleatórios foram utilizados para análise, e os tamanhos dos efeitos relatados foram representados como razão de risco (HR) ou razão de chance (OR) com intervalos de confiança (IC) de 95% associados.

Dezessete estudos foram incluídos, a maioria com desenho de coorte retrospectivo (n = 16) e pacientes com carcinoma pulmonar de células não pequenas (CPCNP). Pacientes mais velhos com câncer de pulmão e fragilidade apresentaram menor sobrevida global (HR 1,70, IC 95%: 1,39, 2,07) e sobrevida livre de recorrência (HR 2,50, IC 95%: 1,02, 6,12) em comparação com indivíduos não frágeis. Indivíduos frágeis também apresentaram risco aumentado de complicações (OR 1,89, IC 95%: 1,42, 2,53).

Em síntese, a associação observada entre fragilidade e sobrevida global, sobrevida livre de recorrência e aumento da suscetibilidade a complicações reforça a importância do estado de fragilidade como um indicador prognóstico. “Nossos resultados ressaltam o papel vital de incluir a avaliação da fragilidade como um elemento integrante do plano de manejo de pacientes com câncer de pulmão”, concluíram os autores.

Referência:

Hu J, Lan J, Xu G. Role of frailty in predicting prognosis of older patients with lung cancer: An updated systematic review and meta-analysis. J Geriatr Oncol. 2024 May 31:101804. doi: 10.1016/j.jgo.2024.101804. Epub ahead of print. PMID: 38824058.