O cirurgião do aparelho digestivo Willy Petrini Souza (foto), médico do Hospital das Clínicas da FMUSP, é primeiro autor de estudo publicado no Journal of Surgical Oncology que avaliou a frequência do envolvimento linfonodal de acordo com as categorias eCura, um sistema de pontuação para estratificar a curabilidade após dissecção endoscópica em pacientes com câncer gástrico inicial.

O prognóstico do câncer gástrico é influenciado pela extensão do tumor, envolvimento linfonodal (LNM) e metástases. A ressecção endoscópica (ER) ou gastrectomia com linfadenectomia são tratamentos padrão para a doença inicial. Este estudo avaliou a frequência de envolvimento linfonodal de acordo com categorias eCura, características clinicopatológicas, taxas de sobrevida livre de doença (SLD) e sobrevida global (SG).

O estudo considerou dados de pacientes com câncer gástrico inicial submetidos à gastrectomia curativa entre 2009 e 2020 em um centro único. Os relatórios anatomopatológicos e clínicos foram revisados ​​para analisar as categorias do eCura.

Foram incluídos 160 pacientes com câncer gástrico inicial submetidos à gastrectomia com eCura categorias A, B e C, compreendendo 26,3%, 13,8% e 60%, respectivamente. As características clínicas basais não mostraram disparidades intergrupos. A incidência de envolvimento linfonodal foi para 4,8% (A), 18,2% (B) e 19,8% (C).

Ao avaliar os critérios para ressecção endoscópica e sua associação com as categorias do eCura, os pesquisadores descobriram que 95,2% dos pacientes do eCura A e 100% dos pacientes do eCura B apresentavam critérios clássicos ou ampliados para ressecção endoscópica. Por outro lado, 97,9% dos pacientes com eCura C foram encaminhados para ressecção cirúrgica.

A análise multivariada demonstrou que invasões linfáticas (OR = 5,57, IC 95% = 1,45-21,29, p = 0,012) e perineural (OR = 15,8, IC 95% = 1,39-179,88, p = 0,026) foram associadas a um maior risco de envolvimento linfonodal. Não foram encontradas diferenças significativas na sobrevida livre de doença ou sobrevida global entre as categorias do eCura.

“As categorias do eCura estiveram associadas à ocorrência de envolvimento linfonodal. Na maioria dos pacientes, aqueles com critérios de indicação clássicos e ampliados para ressecção endoscópica foram classificados como eCura A e B”, concluíram os autores.

Além de Willy Petrini Souza, participaram do estudo os pesquisadores Marina A Pereira, Leonardo Cardili, Ulysses Ribeiro-Junior e Marcus F K P Ramos, do HCFMUSP; e Bruno Zilberstein, da Faculdade São Leopoldo Mandic, em Campinas.

Referência:

Souza WP, Pereira MA, Cardili L, Zilberstein B, Ribeiro-Junior U, Ramos MFKP. Evaluation of the endoscopic cure criteria in patients undergoing surgery for early gastric cancer. J Surg Oncol. 2024; 1-7. doi:10.1002/jso.27745