Coberturas Especiais 2021

cancerfigado NET OKOs resultados de um estudo de coorte retrospectivo apresentado na 23ª edição do congresso ESMO de Câncer Gastrointestinal demonstram a eficácia do regime FOLFOX4 (leucovorina, fluorouracil e oxaliplatina) como um tratamento para pacientes com carcinoma hepatocelular avançado (HCC).

Imuno NET OKA terapia com inibidores de checkpoint imune (ICI) é eficaz em tumores GI com deficiência nos genes de reparo (dMMR) e instabilidade de microssatélites (MSI-H). É o que aponta estudo retrospectivo multicêntrico que avaliou a segurança e eficácia da terapia com ICI em pacientes com tumores GI dMMR ou MSI-H em 6 hospitais do Grupo Galego de Pesquisa em Tumores Digestivos (GITuD).

cancer colorretal 2018 NET OKEm uma configuração de mundo real, a combinação de trifluridina / tipiracil (TAS-102) mais bevacizumabe foi eficaz em pacientes com câncer colorretal metastático refratário (mCRC). Os dados são do estudo de Nieves Martínez Lago e colegas do Complejo Hospitalario Universitario A Coruña, Espanha, apresentado no 23º Congresso Mundial de Câncer Gastrointestinal (ESMO-GI).

cancer canal analA quimiorradioterapia pré-operatória seguida de excisão total do mesorreto é o tratamento padrão para o câncer retal localmente avançado, mas apesar dos avanços nos tratamentos neoadjuvantes, a recorrência local ainda é um desafio. Neste estudo, os pesquisadores avaliaram parâmetros clínicos, laboratoriais, radiológicos e histopatológicos que predizem as respostas à terapia neoadjuvante.

hepatocelular 2021 bxEm pacientes com carcinoma hepatocelular avançado (HCC, da sigla em inglês), lenvatinibe demonstrou maior benefício clínico que sorafenibe em um cenário do mundo real. É o que apontam dados apresentados por Margherita Rimini, do Departamento de Oncologia e Hematologia da Universidade de Modena e Reggio Emilia, na Itália, durante o ESMO GI, o 23º Congresso Mundial de Câncer Gastrointestinal.

julianne lima bxA oncologista brasileira Julianne Lima (foto), Clinical Research Fellow do Royal Marsden NHS Foundation Trust, é coautora de estudo destacado em sessão mini-oral no ESMO Congress 2021, com resultados encorajadores da combinação do inibidor de RAF / MEK VS-6766 e do ​​inibidor de FAK defactinib no câncer de ovário seroso de baixo grau. O atual padrão com inibidores de MEK gera SLP de 13 meses contra 7 meses com quimioterapia. Nesse estudo, a SLP foi 23 meses – e em pacientes politratadas”, analisa Julianne.

mariana scaranti bxUm dos destaques da oncoginecologia no congresso europeu, o estudo randomizado de Fase III OReO/ENGOT Ov-38 foi o primeiro a avaliar a re-exposição ao inibidor de PARP (iPARP) olaparibe no câncer de ovário não-mucinoso, em pacientes com recorrência da doença após uma linha anterior de manutenção com iPARP no cenário platina sensível. Mariana Scaranti (foto), oncologista da DASA, comenta os resultados.

rivadavio 2020Apresentado no ESMO 2021, o estudo de Fase II DESTINY-Gastric02 avaliou pela primeira vez a eficácia do conjugado anticorpo-droga anti- HER2 trastuzumabe-deruxtecan (TDXd) em pacientes ocidentais com câncer gástrico avançado ou adenocarcinoma de junção gastroesofágica (JEG) HER2-positivo tratados previamente com um regime contendo trastuzumabe. “Os resultados mostram uma taxa de resposta bem estabelecida e reforçam a eficácia e segurança em pacientes com uso de TDXd em segunda linha”, avalia o oncologista Rivadávio Antunes de Oliveira (foto), coordenador da residência médica do Hospital do Câncer de Londrina.