alain algazi bxEstudo randomizado de fase II apresentado no AACR 2020 mostrou que a administração contínua das terapias-alvo dabrafenibe e trametinibe teve impacto na sobrevida livre de progressão de pacientes com melanoma irressecável com mutação BRAF V600E/K. Os resultados são do ensaio SWOG S1320 e foram apresentados pelo oncologista Alain Algazi (foto), da Universidade da Califórnia.

Neste ensaio foram elegíveis 249 pacientes com melanoma em estágio III-IV, irressecável, com mutação BRAF v600E/K, selecionados em 68 centros participantes. Desse universo, 206 foram randomizados (1:1) para uso contínuo ou intermitente de dabrafenibe e trametinibe. O endpoint primário foi a sobrevida livre de progressão (SLP) em até 5 anos. Endpoints secundários incluíram sobrevida global, taxa de resposta e taxa de febre relacionada ao tratamento, entre outros desfechos. Todos os pacientes foram monitorados por tomografia computadorizada a cada 8 semanas.

Os resultados apresentados na AACR mostraram que pacientes tratados com doses contínuas de dabrafenibe e trametinibe não apresentaram progressão do câncer, em média, por nove meses. Pacientes que receberam doses intermitentes progrediram do câncer, em média, por cinco meses. As doses intermitentes consideraram o uso da combinação por cinco semanas, com pausa de 3 semanas consecutivas.

"Na pesquisa sobre melanoma, todos estamos tentando identificar maneiras de otimizar as terapias-alvo para contornar a resistência e permitir que as pessoas vivam mais. Teremos que continuar, porque o padrão atual de dosagem contínua parece oferecer o maior benefício ", concluiu Algazi.

Este ensaio clínico está inscrito na plataforma ClinicalTrials.gov: NCT02196181.

O SWOG faz parte de uma ampla rede de ensaios clínicos, que inclui mais de 2 mil centros de câncer e hospitais universitários nos EUA e no exterior.