avcEstudo de pesquisadores de Singapura, que incluiu 9.803 sobreviventes de câncer de cabeça e pescoço (CCP) e toda a população de Singapura de 4 milhões, a incidência de acidente vascular cerebral (AVC) padronizada por idade entre os sobreviventes de CCP foi 2,5 vezes maior do que a da população em geral. Os riscos aumentados de AVC foram observados na maioria das faixas etárias, sublocais do CCP, estágios e modalidades de tratamento.

Neste estudo nacional, transversal e baseado em registros, o objetivo dos pesquisadores foi estimar o risco de AVC em subgrupos da população tratados para CCP. Os subgrupos de CCP foram definidos com base nos fatores demográficos, da doença e do tratamento do paciente. Os dados foram analisados de setembro de 2022 a setembro de 2023.

A análise considerou a incidência de AVC isquêmico e hemorrágico. A razão da taxa de incidência padronizada por idade (SIRR) e a diferença da taxa de incidência padronizada por idade (SIRD) foram relatadas. A população geral de Singapura (aproximadamente 4 milhões) serviu como grupo de referência para estas estimativas.

Os resultados foram relatados por Yip et al. no Jama Network Open e identificaram 9.803 sobreviventes de CCP (idade mediana [IQR] no momento do diagnóstico, com idade média de 58 anos, majoritariamente homens (73,1%). Os subsítios mais comuns de CCP observados foram nasofaringe (4.680 indivíduos; 47,7%), laringe (1.228 indivíduos;12,5%) e língua (1.059 indivíduos;10,8%). Um total de 337 indivíduos (3,4%) desenvolveram AVC durante um acompanhamento mediano (IQR) de 42,5 meses. Os autores descrevem que a SIRR global foi de 2,46 (IC 95%, 2,21-2,74) e a SIRD global de 4,11 (IC 95%, 3,37-4,85) ocorrências de AVC por 1000 pessoas-ano (PY). A incidência cumulativa de acidente vascular cerebral foi de 3% aos 5 anos e 7% aos 10 anos após o diagnóstico de CCP. A SIRR foi maior entre indivíduos diagnosticados com menos de 40 anos (SIRR, 30,55 [IC 95%, 16,24-52,35]).

Todos os subgrupos populacionais definidos por idade, sexo, raça e etnia, subsítios de CCP (exceto língua), estágio, histologia e modalidades de tratamento apresentaram risco aumentado de acidente vascular cerebral em comparação com a população em geral. A SIRR e a SIRD foram significativamente maiores entre os indivíduos que receberam radioterapia como tratamento primário (SIRR, 3,01 [IC 95%, 2,64-3,43]; SIRD, 5,12 [IC 95%, 4,18-6,29] acidentes vasculares cerebrais por 1.000 PY) em comparação com uma abordagem cirúrgica primária (SIRR, 1,64 [IC 95%, 1,31-2,05]; SIRD, 1,84 [IC 95%, 0,923,67] AVC por 1.000 PY).

Em conclusão, os achados alertam para o risco elevado de acidente vascular cerebral em sobreviventes de câncer de cabeça e pescoço de diferentes idades e expostos a diferentes regimes de tratamento, destacando a importância do rastreio e intervenção precoces nessa população.

Referência: Yip PL, Zheng H, Cheo T, et al. Stroke Risk in Survivors of Head and Neck Cancer. JAMA Netw Open. 2024;7(2):e2354947. doi:10.1001/jamanetworkopen.2023.54947