Revisão de pesquisadores brasileiros destaca que os cânceres colorretal, oral, pancreático, pulmonar e gastrointestinal têm associações consistentes com a doença periodontal, enfatizando a necessidade de uma abordagem multidisciplinar de saúde. O trabalho foi publicado por Alice Villar (foto) e colegas na Cancer Epidemiology (Volume 91) e sublinha o potencial da terapia periodontal para reduzir o risco de câncer, especialmente o de próstata.

Nesta revisão, os autores descrevem que a doença periodontal (DP) se refere a uma série de condições inflamatórias que afetam os tecidos que circundam e sustentam os dentes. “Este grupo normalmente inclui gengivite, que é a inflamação das gengivas, e periodontite, que é uma forma mais grave de doença gengival que pode levar à deterioração do osso que sustenta os dentes. A DP tem sido um assunto de estudo intenso devido às suas potenciais implicações sistêmicas. A ligação entre DP e condições sistêmicas é baseada na interação entre inflamação, fatores genéticos e fatores ambientais”, esclarecem os autores, em análise que considerou 164 documentos de 2000 a 2023 para explorar as ligações entre câncer e DP, com foco nos 38 artigos mais citados globalmente.

A análise sistemática da literatura revela que, enquanto alguns tipos de câncer mostram associações consistentes com a doença periodontal, em outros essas ligações são menos pronunciadas, a exemplo do câncer de mama e das malignidades hematológicas.

Villar e colegas destacam evidências indicando que a inflamação desempenha papel fundamental na criação de um ambiente favorável ao desenvolvimento do câncer. Estima-se que aproximadamente um quarto dos casos globais de câncer sejam atribuídos a infecções persistentes e inflamação contínua.

Ao lado de Alice Villar, pesquisadora da Universidade Veiga de Almeida, no Rio de Janeiro, o trabalho tem participação de  Bruna Mendes (Universidade Castello Branco, RJ), Mirna Viègas (Universidade Castello Branco, RJ), Ana Léa de Aquino Alexandre (Universidade Castello Branco, RJ), Stefania Paladini (Queen Margaret University) e João Cossatis ((Universidade Castello Branco, RJ).

Referência:

https://doi.org/10.1016/j.canep.2024.102595