gineco bxEstudo randomizado de fase 3 (PRIME) demonstrou o  benefício do tratamento de manutenção com niraparibe na sobrevida livre de progressão (SLP) versus placebo na população com intenção de tratar (ITT) de pacientes com câncer de ovário avançado, em mulheres recém-diagnosticadas que responderam ao tratamento com quimioterapia de primeira linha à base de platina, independentemente da doença residual pós-operatória ou do status do biomarcador. Os resultados foram publicados por Li et al. no Jama Oncology.

Nesta análise prospectiva, foram consideradas pacientes com doença em estágio III que atingiram a ressecção R0 na cirurgia de citorredução primária. No total, 384 pacientes com câncer de ovário avançado recém-diagnosticado que receberam cirurgia primária ou de citorredução de intervalo e responderam ao tratamento com quimioterapia de primeira linha à base de platina foram elegíveis. Até o corte de dados (30 de setembro de 2021), o seguimento mediano para SLP foi de 27,5 meses.

As pacientes foram randomizadas 2:1 para receber niraparibe ou placebo, estratificadas por status de BRCA germinativo, status de HRD do tumor, quimioterapia neoadjuvante e resposta à quimioterapia de primeira linha à base de platina. O endpoint primário foi SLP avaliada por revisão central independente e cega na população ITT.

Um total de 384 pacientes foram randomizados, dos quais 255 (66,4%) para niraparibe. A idade mediana no grupo niraparibe foi de 53 anos (intervalo, 32-77). Entre 129 pacientes (33,6%) no grupo placebo, a mediana foi de 54 anos (intervalo, 33-77). No total, 375 pacientes receberam tratamento, 247 (65,9%) no grupo niraparibe na dose de 200 mg por dia e 128 (34,1%) no grupo placebo.

Os resultados mostram que a SLP mediana com niraparibe versus placebo foi de 24,8 versus 8,3 meses (razão de risco [HR] 0,45, intervalo de confiança de 95% [IC] 0,34-0,60; p < 0,001) na população ITT; não alcançado versus 10,8 meses (HR 0,40, 95% CI 0,23-0,68) e 19,3 versus 8,3 meses (HR 0,48, 95% CI 0,34-0,67) em pacientes com e sem variantes germinativas de BRCA; não alcançado versus 11,0 meses (HR 0,48, 95% CI 0,34-0,68) e 16,6 versus 5,5 meses (HR 0,41, 95% CI 0,22-0,75) em HRD e grupos proficientes de recombinação homóloga; e 24,8 versus 8,3 meses (HR 0,44, 95% CI 0,32-0,61) e 16,5 versus 8,3 meses (HR 0,27, 95% CI 0,10-0,72) naquelas com citorredução ótima e abaixo do ideal.

Eventos adversos emergentes do tratamento (TEAEs) de grau 3 ou superior ocorreram em 139 pacientes (54,5%) no grupo niraparibe e em 23 pacientes (17,8%) no grupo placebo. No grupo niraparibe, os TEAEs de grau 3 ou superior mais comuns incluíram anemia (18,0%), diminuição da contagem de neutrófilos (17,3%), diminuição da contagem de plaquetas (14,1%) e diminuição da contagem de glóbulos brancos (6,7%). TEAEs graves ocorreram em 48 pacientes (18,8%) no grupo niraparibe e em 11 pacientes (8,5%) no grupo placebo. O grupo niraparibe teve 1 caso cada de leucemia mieloide aguda (LMA) e síndrome mielodisplásica, e o paciente com LMA morreu deste TEAE. Reduções de dose devido a TEAEs ocorreram em 103 pacientes (40,4%) em niraparibe e em 8 pacientes (6,2%) no grupo placebo. Os autores descrevem que proporções semelhantes de pacientes nos grupos niraparibe e placebo (6,7% versus 5,4%) descontinuaram o tratamento devido a TEAEs.

O estudo de fase III PRIME foi conduzido na China, financiado pelo Zai Lab (Shanghai) Co, Ltda.

Referência: Li N, Zhu J, Yin R, et al. Treatment With Niraparib Maintenance Therapy in Patients With Newly Diagnosed Advanced Ovarian Cancer A Phase 3 Randomized Clinical Trial. JAMA Oncology; Published online 13 July 2023. doi: 10.1001/jamaoncol.2023.2283