cancer gastrico NET OKEstudo liderado pelo National Institutes of Health dos EUA examinou os resultados de curto e longo prazo da gastrectomia total redutora de risco e seus impactos na qualidade de vida em indivíduos com síndrome de câncer gástrico difuso hereditário. Os resultados revelam que dois anos após a cirurgia, quase todos os pacientes apresentaram pelo menos uma morbidade crônica, demonstrando que a cirurgia de prevenção do câncer deve considerar também as consequências reais da remoção de órgãos.

A cirurgia de redução de risco para prevenção do câncer (RRTG) é um tema clínico urgente em tumores sólidos, diante da crescente disponibilidade de testes genéticos germinativos. Nesta análise, Gallanis e colegas examinaram indivíduos submetidos a RRTG como parte de um estudo de história natural de câncer gástrico hereditário em uma única instituição. Foram avaliados detalhes clínico-patológicos, morbidade operatória aguda e crônica e qualidade de vida relacionada à saúde. Questionários validados foram utilizados para determinar os escores de qualidade de vida e medidas psicossociais e espirituais de cura.

Os resultados relatados no Journal of Clinical Oncology mostram que 126 indivíduos foram submetidos a RRTG devido a uma variante CDH1 da linha germinativa patogênica ou provavelmente patogênica, entre outubro de 2017 e dezembro de 2021. A maioria dos pacientes (87,3%; 110/126) apresentava carcinoma gástrico pT1aN0 com características de células em anel de sinete na patologia final.

Os autores descrevem que a morbidade grave pós-operatória aguda (<30 dias) foi baixa (5,6%; 7/126) e quase todos os pacientes (98,4%) perderam peso após gastrectomia total. Dois anos após a gastrectomia, 94% (64/68) dos pacientes apresentaram pelo menos uma complicação crônica (isto é, refluxo biliar, disfagia e deficiência de micronutrientes). Mudança de profissão (23,5%), divórcio (3%) e dependência de álcool (1,5%) foram consequências atribuídas à gastrectomia total por alguns pacientes. Em um seguimento mediano de 24 meses, os escores de qualidade de vida dos pacientes diminuíram 1 mês após a gastrectomia e retornaram aos valores basais em 6-12 meses.

Em conclusão, a gastrectomia total redutora de risco está associada a eventos adversos que mudam a vida e devem ser discutidos ao aconselhar pacientes com variantes do CDH1 sobre a prevenção do câncer gástrico. Os riscos da cirurgia de prevenção do câncer não devem ser avaliados apenas no contexto da probabilidade de morte por considerações oncológicas, mas também com base nas consequências reais da remoção de órgãos, incluindo sequelas físicas e psicossociais.

Referência: DOI: 10.1200/JCO.23.01238 Journal of Clinical Oncology. Published online October 30, 2023.