zukin 2Mauro Zukin (foto) é primeiro autor de estudo selecionado no programa científico do WCLC 2023 que descreve a eficácia e segurança do anti- PD-L1 durvalumabe como terapia de manutenção no câncer de pulmão de células não pequenas (CPCNP) em um Programa de Acesso Expandido (PAE).

Durvalumabe foi o primeiro inibidor de checkpoint imune a demonstrar benefícios de sobrevida global (SG) e sobrevida livre de progressão (SLP) em pacientes com CPCNP em estágio III irressecável.

Neste estudo de coorte observacional retrospectivo foram considerados pacientes com CPCNP estágio III irressecável tratados com durvalumabe em um Programa de Acesso Expandido brasileiro entre setembro/2017 e junho/2018. Os pacientes incluídos no PAE já haviam completado a quimioterapia à base de platina concomitantemente ou sequencialmente com radioterapia, sem evidência de progressão da doença. Os pacientes receberam durvalumabe 10mg/Kg IV a cada 2 semanas, até progressão da doença ou toxicidade inaceitável. As características dos pacientes e os dados clínicos foram coletados dos prontuários médicos. A SLP e a SG foram calculadas pelo método de Kaplan-Meier, a partir da data da primeira dose de durvalumabe até a ocorrência do evento.

Os resultados apresentados no WCLC 2023 revelam que foram incluídos 31 pacientes de 7 centros. As características epidemiológicas e clínicas são apresentadas na tabela abaixo. Os autores descrevem que a duração média do acompanhamento foi de 50,3 meses (IC 95%: 48,6-54,4). O tempo mediano para início de durvalumabe após a última dose de radioterapia foi de 56,5 dias (IQR: 36,0-89,0).

Zukin e colegas mostram que os pacientes inscritos no PAE receberam em média 17,9 doses (intervalo 1-48) de durvalumabe durante uma mediana de 9,7 meses (IQR: 6,0-11,1). A SLP mediana foi de 13,3 meses (IC95% 9,0-55,4), 16,3 meses (IC95% 7,2-55,4) no adenocarcinoma e não alcançada (NR) no carcinoma espinocelular. As taxas de SLP em 12, 24 e 36 meses foram de 46,7% (IC95% 28,4-63,0), 39,5% (IC95% 22,2-56,3) e 34,6% (IC95% 17,7-52,1), respectivamente. A SG mediana foi de 37,5 meses (IC95% 28,1-NR), 58,3 meses (IC95% 27,1-NR) no adenocarcinoma e 37,5 meses (IC95% 13,4-NR) no carcinoma espinocelular. As taxas de SG em 12, 24 e 36 meses foram de 89,3% (IC 95% 70,3-96,4), 72,6% (IC 95% 50,7-86,0) e 46,3% (IC 95% 25,7-64,6), respectivamente.

Os principais motivos para a descontinuação do tratamento antes de 12 meses foram progressão da doença (N=15, 48,4%), perda de acompanhamento (N=1, 3,2%) e óbito por segundo tumor primário (N=1, 3,2%). Eventos adversos relacionados ao tratamento de qualquer grau ocorreram em 12 (38,7%) pacientes, enquanto eventos grau 3 ocorreram em 2 (6,5%) pacientes. Pneumonite foi relatada em 4 (12,9%) pacientes (Grau 1-2 em 3 pacientes e Grau 3 em 1 paciente).

“A SLP foi ligeiramente menor no PAE brasileiro (n = 31 pontos) usando durvalumabe em comparação com o estudo principal PACIFIC. No entanto, a SG foi muito semelhante à registrada no estudo PACIFIC, sugerindo a eficácia do tratamento em um cenário de mundo real entre pacientes brasileiros com CPCNP em estágio III irressecável. Nenhuma nova preocupação de segurança foi observada”, concluem os autores.

Este estudo (LACOG 0120) foi realizado pelo Latin American Cooperative Oncology Group.

O câncer de pulmão é a principal causa de morte por câncer em todo o mundo.

Tabela 1. Características epidemiológicas e clínicas.

Table 1. Epidemiological and clinical features.

Characteristic

N (%)

Age at durvalumab initiation, median (range)- years

66.4 (50.5-85.8)

Male

21 (67.7)

Skin color

 

White

24 (77.4%)

Black

2 (6.5%)

Mixed

1 (3.2%)

Unknown

4 (12.9%)

Disease stage

 

IIIA

10 (32.3%)

IIIB

15 (48.4%)

IIIC

3 (9.7%)

ECOG Performance status

 

PS 0

12 (38.7%)

PS 1

19 (61.3%)

Tumor histologic type

 

Adenocarcinoma

18 (58.1%)

Squamous cell carcinoma

10 (32.3%)

Adenosquamous carcinoma or NOS

3 (9.7%)

Smoking status

 

Current smoker

4 (12.9%)

Former smoker

21 (67.7%)

Never smoked

4 (12.9%)

Unknown

2 (6.5%)

Previous radiotherapy

 

IMRT

20 (64.5%)

3D-CRT

5 (16.1%)

Unknown

6 (19.4%)

Previous induction chemotherapy

7 (22.6%)

Best Response after Chemoradiotherapy

 

SD

3 (9.7%)

PR

22 (71.0%)

CR

1 (3.2%)

Unk

5 (16.1%)


Referência: EP08.02-30Durvalumab as Maintenance in Patients who Received Chemoradiotherapy for Unresectable Stage III NSCLC: RWD from an EAP in Brazil (LACOG 0120)