Especiais Congressos

      PANTHER: dose densa melhora a sobrevida livre de recorrência

      Selecionado em sessão mini-oral, em apresentação de Theodoros Foukakis (foto), do Instituto Karolinska, resultados de eficácia do estudo randomizado de fase III PANTHER, após 10 anos de acompanhamento, mostram que a quimioterapia adjuvante com dose densa personalizada melhora a sobrevida livre de...

      Assinaturas mutacionais revelam novos insights sobre o câncer colorretal de início precoce

      O brasileiro Wellington Oliveira dos Santos (foto), pesquisador da International Agency for Research on Cancer (IARC/WHO), é principal autor de estudo que busca compreender as causas mutagênicas subjacentes que contribuem para as diferenças nas taxas de incidência de câncer colorretal através de...

      TROPION-Lung01: Dato-DXd mostra eficácia no CPCNP não escamoso

      Dados do estudo de fase 3 TROPION-Lung01 selecionados em poster no ELCC 2024 mostram que datopotamab deruxtecan (Dato-DXd) reduziu em 37% o risco relativo de progressão da doença ou morte versus docetaxel em pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas (CPCNP) avançado com histologia não...

      Entendendo os oligonucleotídeos antisenso

      Em mais um tópico da coluna ‘Drops de Genômica’, o oncologista Andre Murad (foto) explica o que são os oligonucleotídeos antisenso e o seu potencial papel no tratamento de tumores. Confira.

      TV Onconews

       
      “A metabolômica tem sido utilizada na pesquisa e na prática clínica para estudar a interação metabólica entre o câncer e o hospedeiro, identificar marcadores de diagnóstico e monitoramento, e entender melhor a doença para aprimorar os tratamentos”, explica Graziela Ravacci, doutora em oncologia e metabolômica pela FMUSP. A especialista é convidada da TV ONCONEWS, em vídeo com...
       
      A oncologista Natalia Valdivieso (foto) é primeira autora de análise do estudo FLAURA2 apresentada no Congresso Europeu de Câncer de Pulmão (ELCC 2024) demonstrando que osimertinibe + quimioterapia com pemetrexede e platina como primeira linha fornece benefício clínico além da progressão inicial em pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas (CPCNP) avançado com...
       
      O estudo de Fase 3b VENICE-1 mostrou atividade e segurança da monoterapia com venetoclax em adultos com leucemia linfocítica crônica recidivada ou refratária e exposição prévia a um inibidor de receptor de célula B (BCRi). Os resultados foram publicados no Lancet Oncology e estão em pauta na TV ONCONEWS, em vídeo com participação do hematologista Alan Skarbnik, diretor do Programa...
       
      Em vídeo, os oncologistas Luiz Henrique Araújo e Guilherme Harada discutem os resultados do estudo POSEIDON, regime aprovado pela Anvisa com o uso de 4 ciclos de quimioterapia administrada com tremelimumabe (curso limitado) e durvalumabe (até a progressão) para otimizar a resposta e redução do tumor em pacientes com CPCNPm. “Esse é o primeiro regime com anti CTLA-4 aprovado com 4...
       
      Em vídeo, os médicos João Wilson Rocha e Euclides Adjane Simão, do Instituto Angolano de Controle do Câncer, falam sobre o apoio brasileiro para melhorar o enfrentamento do câncer em Angola. O Brasil é responsável pela formação de 79% dos oncologistas que atuam em Angola, ilustram os dois autores, em revisão publicada na Brazilian Journal of Clinical Medicine and Review. Assista na...
       
      Neste vídeo, o hematologista Jayr Schmidt, do A.C.Camargo Cancer Center, comenta estudo de coorte prospectivo publicado na Lancet Healthy Longevity, demonstrando que a cirurgia bariátrica está associada a um risco 40% menor de câncer hematológico. O estudo foi conduzido por pesquisadores da Universidade de Gotemburgo utilizando dados do Swedish Obese Subjects (SOS) e do Registro de...
       
      Pesquisa da mastologista Lilian Cristina de Souza Guimarães, do Hospital Getúlio Vargas, da Universidade Federal do Amazonas, mostra que a amamentação prolongada é uma das variáveis capazes de justificar as díspares taxas de mortalidade por câncer de mama em mulheres indígenas e não indígenas do Amazonas. Em vídeo com participação de Afonso Celso Nazário, Professor Livre-Docente...
       
      A biópsia do linfonodo sentinela é a técnica consagrada no estadiamento axilar em pacientes com câncer de mama inicial sem comprometimento clínico axilar. O médico mastologista Rafael da Silva Sá é o principal investigador de pesquisa pioneira no uso do verde indocianina (ICV) associado à fluorescência para detecção do linfonodo sentinela em pacientes com câncer de mama no Brasil,...
       
      Rodrigo Kraft Rovere, oncologista do Hospital Santa Catarina, em Blumenau, analisa em vídeo os resultados do estudo EV-301 e apresenta um estudo de caso clínico. O médico aponta que enfortumabe vedotina resultou em resposta objetiva em mais de 40% dos pacientes com doença localmente avançada ou metastática que tiveram progressão após tratamento anterior. O estudo de fase 3 EV 301...
       
      Os médicos Fábio Ynoe Moraes, radio-oncologista e professor da Queen's University, no Canadá, e Felipe Roitberg, oncologista clínico e Coordenador de Gestão da Pesquisa e Inovação Tecnológica em Saúde da rede EBSH (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares), vinculada ao Ministério da Saúde, discutem caminhos e possibilidades para recalibrar a Oncologia, com ênfase em desfechos...

          Oncologia do Exercício

          O Colégio Americano de Medicina Esportiva (ACSM) realiza entre os dias 28 e 31 de maio o seu encontro anual (ACSM 2024). Durante o evento será discutida a criação da Sociedade Internacional de Oncologia do Exercício. O encontro conta com a participação do oncologista Paulo Bergerot (foto) como...

          MAIN_PIC_FRONTPAGE_ON4_Bx.jpgNenhuma grande revolução abalou as bases da oncologia em 2014, mas é claro que tivemos avanços. Onconews convidou os grupos brasileiros de pesquisa em câncer para apontar os principais marcos de 2014, em diferentes especialidades.

          Clarissa Mathias, do Grupo Brasileiro de Oncologia Torácica (GBOT), lembrou dos progressos no rastreamento do câncer de pulmão e das terapias cada vez mais direcionadas por estudos moleculares. Na imunoterapia, agora também os modernos inibidores de checkpoint têm lugar no tratamento do câncer de pulmão.

          Carlos Barrios, do Grupo Brasileiro de Estudos de Câncer de Mama (GBECAM), destacou os estudos SOFT e TEXT no cenário adjuvante, para mulheres pré-menopáusicas com receptores hormonais positivos, mas observou que a despeito das inovações da era da seleção molecular, barreiras ainda dificultam a prevenção e o diagnóstico precoce do câncer de mama.

          Para o Grupo Brasileiro de Tumores Urológicos (GTU), os avanços no tratamento do câncer de próstata metastático resistente à castração foram o grande destaque da uro-oncologia.Igor Morbeck, do GTU, fala dos agentes terapêuticos expoentes na doença metastática, abiraterona e enzalutamida, e de estudos que derrubaram mitos, demonstrando que a suplementação vitamínica com selênio e vitamina E não mostrou benefícios no câncer de próstata. Ao contrário, foi capaz de aumentar a chance de tumores de alto grau.

          Na retrospectiva do Grupo Brasileiro de Tumores Gastrointestinais (GTG), Anelisa Coutinho apontou a criação de um biobanco internacional como um dos maiores avanços em neoplasia gastrointestinal em 2014. Trata-se do Colorectal Cancer Subtyping Consortium, com 4.562 amostras para estudos moleculares, de mais de 15 centros.
          No câncer colorretal metastático, FIRE-3 e CALGB trouxeram respostas definitivas e mostraram que os antiangiogênicos bevacizumabe e cetuximabe são opções igualmente válidas na primeira linha.

          Na neuro-oncologia, Marcus Maldaum, da Sociedade Latino-Americana de Neuro-oncologia (SNOLA), fala da associação de técnicas que permitem ampliar a segurança cirúrgica e destaca a combinação de drogas no tratamento clínico, com novas promessas no panorama da especialidade.

          Rafael Schmerling, do Grupo Brasileiro de Melanoma, traz o cenário de 2014 no diagnóstico, tratamento e seguimento do melanoma e aponta caminhos para as terapias da próxima geração. Na mesma linha, Angélica Nogueira, do Grupo Brasileiro de Tumores Ginecológicos (GBTG), comenta os avanços que começam a cumprir a promessa de medicina de precisão. 

          O ano trouxe bons resultados para o tratamento do mieloma múltiplo, com ampliação das pesquisas e opções terapêuticas. No entanto, Vânia Hungria, do Grupo Brasileiro de Mieloma Múltiplo (GEBRAMM), lamenta que os novos tratamentos ainda não estejam disponíveis para o paciente brasileiro.

          E para fechar a retrospectiva, um pouco do panorama da oncohematologia com a análise de Vânia Hungria, do Grupo Brasileiro de Mieloma Múltiplo (GBRAMM), que celebra os avanços no tratamento, mas aponta desafios importantes para que os pacientes brasileiros tenham acesso aos modernos regimes terapêuticos. 

          Leia os artigos dos grupos de pesquisa