28112020Sáb
AtualizadoSex, 27 Nov 2020 1pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Preditores clínico-patológicos de doença residual após quimio neoadjuvante no câncer de mama

ricardo pastorello bxRicardo Pastorello (foto), atualmente patologista do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, é primeiro autor de estudo que avalia o padrão de doença residual em pacientes com câncer de mama tratadas com quimioterapia neoadjuvante que não apresentam resposta patológica completa. “As características clínico-patológicas pré-tratamento que predizem o padrão do tumor residual não estão bem estabelecidas”, observam os autores. Os resultados foram publicados na Modern Pathology, periódico do Grupo Nature.


Reclassificação de casos de câncer de mama HER2 de acordo com as diretrizes ASCO/CAP 2018

James crespo bxEstudo publicado no periódico PLOS One buscou determinar a proporção de casos de câncer de mama com resultados equívocos para HER2 por FISH que são reclassificados como HER2-negativo e o impacto da terapia anti-HER2 na sobrevida nesses casos HER2-equívocos. O oncologista James Crespo (foto), médico do Americas Centro de Oncologia Integrado, é o primeiro autor do trabalho.

POETIC: KI67 e valor preditivo no câncer de mama

MAMA bxArtigo de Smith et al. no Lancet Oncology reportou os resultados de longo prazo de estudo randomizado de Fase III (POETIC) que avaliou mulheres com câncer de mama positivo para receptor de estrogênio, comparando o valor preditivo do KI67 tumoral no início do tratamento com inibidor de aromatase (KI67 basal) com o resultado do KI67 após 2 semanas de tratamento endócrino pré-operatório (Ki672W).

Genômica de super respondedores ao tratamento do câncer

GeneticaParcela de pacientes com câncer com doença avançada tem excelente resposta ao tratamento e sobrevida significativamente maior. Wheeler et al. avaliaram o perfil genômico de 111 pacientes com resposta terapêutica excepcional, com o objetivo de explicar esse fenótipo e explorar potenciais relações moleculares capazes de favorecer o sucesso terapêutico. Os resultados foram publicados na Cancer Cell e mostram que características moleculares raras foram identificadas em cerca de 23% dos casos de super-respondedores.

Intensidade de atividade física e mortalidade

Leandro NET OKA atividade física de intensidade vigorosa está associada à redução do risco de mortalidade em comparação com a atividade física de intensidade moderada? Estudo de coorte com 403681 adultos norte-americanos avaliou a associação da proporção de atividade física vigorosa com a mortalidade por todas as causas, por doenças cardiovasculares e por câncer. Os resultados foram publicados no JAMA Internal Medicine, em artigo com participação de Leandro Fórnias Machado de Rezende (foto), professor-adjunto do Departamento de Medicina Preventiva da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM-UNIFESP).

Tendências na mortalidade por melanoma no Brasil

guilherme nader marta bxEstudo liderado pelo oncologista Guilherme Nader Marta (foto), médico do Instituto do Câncer do estado de São Paulo (ICESP), buscou descrever as tendências de mortalidade por melanoma no sudeste do Brasil e sua relação com variáveis ​​demográficas. Os resultados foram publicados no JCO Global Oncology.

Biomarcadores prognósticos em adenocarcinomas endocervicais estágio IB (FIGO 2018)

glauco foto bxUma colaboração internacional buscou identificar biomarcadores prognósticos que influenciam a sobrevida livre de recorrência e sobrevida global para subtipos de adenocarcinoma cervical em estágio IB FIGO 2018 recém-definidos. Os resultados foram publicados no International Journal of Gynecological Cancer, em artigo com participação do cirurgião oncológico Glauco Baiocchi (foto), diretor do Departamento de Ginecologia Oncológica do A.C.Camargo Cancer Center.

Ressonância magnética e acurácia diagnóstica no carcinoma endometrial

câncer endométrio bxMetanálise publicada no Journal of Cancer mostrou que a ressonância magnética tem alta especificidade para detectar infiltração cervical no carcinoma endometrial.  O uso de imagem ponderada por difusão e de maior intensidade de campo (DWI ou dispositivo 3.0-T) pode melhorar a sensibilidade agrupada. A ressonância magnética com contraste dinâmico (DCE-MRI) demonstrou maior sensibilidade e especificidade combinadas em relação à T2WI.

OMS lança estratégia global para erradicação do câncer de colo do útero

jesus 2020A Organização Mundial de Saúde lançou uma estratégia global para eliminar o câncer de colo do útero como um problema de saúde pública e conclamou os 194 países signatários a se comprometerem com a eliminação da doença. A iniciativa é composta de três principais pilares - vacinação, rastreamento e tratamento – que juntas poderiam reduzir mais de 40% dos novos casos e 5 milhões de mortes relacionadas à doença até 2050. “Este é um marco histórico. É a primeira vez que se determina um tipo de câncer para ser eliminado do planeta”, avalia Jesus Paula Carvalho (foto), coordenador da equipe de ginecologia do ICESP.

Estratégias de preservação da fertilidade em mulheres com câncer de mama

gravidez bxEstudo de coorte nacional sueco investigou a adoção de estratégias de preservação da fertilidade (PF) em mulheres com câncer de mama no período de 1994 a 2017. Os resultados foram comparados com dados reprodutivos de longo prazo de mulheres com câncer de mama que não participaram de programas de preservação da fertilidade.

Durvalumabe: FDA aprova nova indicação de dose fixa

approved NET OKA agência norte-americana Food and Drug Administration  (FDA) aprovou mais uma opção de dose do anti PD-L1 durvalumabe (Imfinzi, AstraZeneca), apoiando a dose fixa de 1.500 mg a cada quatro semanas no tratamento do câncer de pulmão de células não pequenas (CPCNP) com doença não ressecável estágio III após quimiorradioterapia (CRT) e também no câncer de bexiga avançado, em pacientes previamente tratados.

Nova análise discute vitamina D e risco de câncer avançado

Vitamina D NET OKNova análise do ensaio randomizado VITAL discute a relação entre suplementação de vitamina D3 e risco de câncer. Os resultados foram publicados no Jama Network Open e sugerem que a vitamina D3 pode reduzir o risco de desenvolver câncer avançado em indivíduos com peso corporal normal, mas não naqueles com sobrepeso ou obesidade.

Radioterapia de consolidação não impacta sobrevida no Linfoma de Hodgkin avançado

radioterapia 2020 bxA edição de novembro do Journal of Clinical Oncology traz artigo de Gallamini et al. mostrando que pacientes com linfoma de Hodgkin apresentando PET- negativo após dois (PET-2) e seis (PET-6) ciclos de quimioterapia com doxorrubicina, bleomicina, vinblastina e dacarbazina (ABVD) podem ser poupados de radioterapia, independentemente do tamanho da massa nodal.

Células tumorais circulantes como potencial biomarcador no câncer de mama

MAMA NET OKEnsaio clínico randomizado de Fase III demonstrou que a contagem de células tumorais circulantes (CTC) pode ser um biomarcador eficaz para decidir entre a quimioterapia e a terapia endócrina como tratamento de primeira linha no câncer de mama metastático receptor hormonal positivo, ERBB2-negativo. Os resultados foram publicados no JAMA Oncology.

LAST Trial: descontinuação de TKIs em LMC é segura e melhora qualidade de vida

nelson hamerschlak hzÉ possível descontinuar o tratamento com inibidor de tirosina-quinase (TKI) em pacientes com leucemia mieloide crônica (LMC)? Existem características moleculares associadas à descontinuação bem sucedida? É o que se propõe a responder o estudo LAST (Life After Stop TKIs), agora com dados reportados 13 de novembro no JAMA Oncology. O hematologista Nelson Hamerschlak (foto), coordenador do Programa de Hematologia e Transplantes de Medula Óssea do Hospital Israelita Albert Einstein, comenta os resultados.

Panorama do câncer ginecológico no Brasil

angelica paulino 2020Qual é o panorama do câncer ginecológico no Brasil? A literatura é escassa de dados consolidados sobre a epidemiologia desses tumores no país. Para preencher essa lacuna, artigo publicado no JCO Global Oncology descreve a incidência, morbidade e mortalidade de mulheres no Brasil afetadas com tumores ginecológicos entre os anos de 2000 e 2017. Os oncologistas Eduardo Paulino e Angélica Nogueira-Rodrigues, do Grupo Brasileiro de Tumores Ginecológicos (EVA/GBTG), são coautores do trabalho.

Microbioma pulmonar, patogênese e prognóstico do câncer de pulmão

vania assaly 2O enriquecimento dos pulmões com micróbios comensais orais foi associado à doença em estágio avançado, pior prognóstico e progressão do tumor em pacientes com câncer de pulmão. Os resultados são de estudo publicado na Cancer Discovery, periódico da American Association for Cancer Research (AACR). A nutróloga Vânia Assaly (foto), diretora científica da Latin American Lifestyle Medicine Association (LALMA), discute os achados.

Impacto emocional associado ao COVID-19

cristiane bergerot oficial bxA psico-oncologista Cristiane Bergerot (foto), do Centro de Câncer de Brasília (CETTRO), é autora de editorial publicado no Journal Cancer Investigation que discute o impacto da pandemia da COVID-19 em pacientes com câncer. “Os indivíduos com câncer devem agora lidar não apenas com a incerteza em torno de seu prognóstico, mas também com a ansiedade associada ao COVID-19, possível isolamento de amigos e familiares e interrupções em seu tratamento oncológico”, destaca a publicação1.

USPSTF revê recomendações para o rastreamento do câncer colorretal

denise guimaraes 2020A U.S. Preventive Services Task Force publicou um projeto de revisão das suas recomendações para o rastreamento do câncer colorretal, e pela primeira vez sugere o início da triagem aos 45 anos (recomendação B). O screening de pessoas entre 50 e 75 anos de idade permanece (recomendação A), assim como a decisão individual para adultos entre 76 a 85 anos (recomendação C). Quem analisa é a endoscopista e pesquisadora Denise Guimarães (foto), coordenadora do programa de rastreamento do câncer colorretal do Hospital de Câncer de Barretos (Hospital de Amor).

CLARINET extension: lanreotida autogel em tumores neuroendócrinos enteropancreáticos avançados

Duilio Rocha 2020 ok 2No estudo de Fase III CLARINET (NCT00353496), lanreotida autogel melhorou significativamente a sobrevida livre de progressão em comparação com placebo em pacientes com tumores neuroendócrinos intestinais ou pancreáticos não funcionantes (TNEs). Agora, publicação no periódico Endocrine traz os resultados finais do CLARINET extension open label (OLE), que avaliou a segurança e eficácia a longo prazo de lanreotida nesses pacientes. O oncologista Duilio Rocha Filho (foto), chefe do Serviço de Oncologia Clínica do Hospital Universitário Walter Cantídio (UFC-CE), analisa os resultados.


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519