25092021Sáb
AtualizadoSex, 24 Set 2021 3pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Vol.I Número 01 - Out 2018

Avanços na cirurgia do câncer de reto – O que há de novo?

Bottom line

Na neoplasia de reto, diversas estratégias cirúrgicas visam garantir margens de ressecção adequadas para melhores resultados oncológicos, com menor morbidade e comprometimento funcional. A estratégia cirúrgica utilizada deve depender da disponibilidade dos diferentes métodos, treinamento do cirurgião e aspectos relacionados ao paciente e à doença. Embora a excisão total do mesorreto seja a estratégia terapêutica definitiva, é preciso conhecer previamente as dificuldades esperadas no procedimento cirúrgico. Independente da estratégia adotada, o planejamento da ressecção com exames de estadiamento adequados é fundamental para o sucesso do procedimento.

Rodrigo Oliva Perez1,2,3, Bruna Borba Vailati1,2, Guilherme Pagin São Julião1,2

1 Instituto Angelita e Joaquim Gama - São Paulo/SP
2 Grupo de Cirurgia Colorretal Oncológica do Hospital BP e BP Mirante - São Paulo/SP
3 Ludwig Institute for Cancer Research - São Paulo/SP

Abstract

Novas modalidades terapêuticas para a neoplasia de reto estão tornando o tratamento da doença cada vez mais complexo. A cirurgia permanece sendo seu pilar principal, e procedimentos cirúrgicos minimamente invasivos tentam combinar desfechos oncológicos favoráveis com menor morbidade. Este artigo discute novas estratégias cirúrgicas para a terapia do câncer retal, principalmente o uso de abordagens minimamente invasivas.
O crescente interesse em diferentes métodos para a excisão total do mesorreto (ETM), incluindo a via laparoscópica, robótica e transanal, é justificado pela busca de métodos minimamente invasivos e que também garantam um espécime cirúrgico de melhor qualidade, fator preditivo conhecido para melhores resultados oncológicos.
Além dos procedimentos cirúrgicos, o artigo aborda a terapia neoadjuvante com quimioterapia e radioterapia (nQRT), estratégia com acompanhamento clínico-radiológico sem cirurgia imediata (Watch & Wait) que evita cirurgias potencialmente desnecessárias, assim como a morbidade e mortalidade associadas ao tratamento cirúrgico.

Palavras-chave: Preservação de órgão, ressecção local, cirurgia robótica, cirurgia laparoscópica, TaTME, câncer de reto

Excisão Total de Mesorreto (Aberta, Laparoscópica ou Robótica)

O desenvolvimento de novas modalidades terapêuticas vem aumentando a complexidade do tratamento da neoplasia do reto1. Apesar da considerável morbidade pós-operatória, consequências funcionais e até mortalidade, a excisão total do mesorreto (ETM) adequada (com mesorreto íntegro, margens distal ≥1cm e radial >1mm) está associada a excelente controle local da doença na neoplasia de reto2. O controle local parece ser diretamente relacionado à obtenção de um espécime cirúrgico adequado, independente da técnica cirúrgica utilizada para a ETM. Historicamente, a ETM aberta é considerada a técnica cirúrgica padrão para o tratamento do câncer de reto. Entretanto, o desenvolvimento de técnicas minimamente invasivas para o tratamento cirúrgico das neoplasias de cólon melhorou significativamente os resultados cirúrgicos imediatos, com resultados oncológicos similares a longo prazo.
Em teoria, no tratamento cirúrgico da neoplasia de reto, com uma melhor visualização da pelve e a padronização dos passos do procedimento, esperava-se que a cirurgia por acesso minimamente invasivo traria resultados ao menos similares aos do câncer de cólon. Estudos randomizados avaliaram especificamente esses aspectos na neoplasia de reto3-6. Os principais desfechos avaliados nesses estudos são achados anatomopatológicos (qualidade do mesorreto e margens circunferenciais livres) como preditores de resultados oncológicos, notadamente o controle local da doença.
O ensaio clinico randomizado coreano (COREAN trial) demonstrou resultados oncológicos similares comparando ETM aberta e laparoscópica, sugerindo a segurança do uso rotineiro da cirurgia minimamente invasiva4. O estudo COLOR II, realizado na Europa, também demonstrou resultados oncológicos similares comparando as duas técnicas3. No estudo ACOSOG, cirurgiões foram previamente avaliados quanto à habilidade cirúrgica para serem incluídos. Nesse estudo, os investigadores usaram como desfecho primário achados anatomopatológicos. Originalmente desenhado para demostrar a não-inferioridade da ETM laparoscópica, o estudo falhou em demonstrar que a técnica minimamente invasiva não era inferior à técnica aberta. A ETM laparoscópica resultou em achados patológicos inferiores, considerados fatores preditores de desfechos oncológicos5. Estudo similar realizado na Austrália e Ásia (ALACART) obteve resultados semelhantes, falhando em demonstrar a não-inferioridade da laparoscopia em relação à cirurgia aberta para a realização de ETM6
Outra técnica inicialmente promissora para melhorar os resultados da ETM foi a cirurgia robótica. A melhora da visualização e instrumentação do reto associada a uma melhor ergonomia para o cirurgião prometia melhora dos resultados oncológicos no tratamento cirúrgico da neoplasia de reto. Apesar disso, o único estudo prospectivo randomizado utilizou um desfecho clínico não-oncológico para mostrar potencial benefício do uso do robô neste contexto clínico: a conversão para cirurgia aberta. Neste estudo randomizado (ROLARR) comparando ETM robótica e laparoscópica não foram observadas diferenças significativas nas taxas de conversão para a cirurgia aberta entre os grupos7.

ETM Transanal

Com o objetivo de solucionar os problemas da cirurgia de ETM, uma nova via de acesso foi sugerida, a ETM transanal. Essa técnica consiste na dissecção do mesorretal por via transanal.
A experiência adquirida em cirurgia transanal, com a realização de ressecções locais e o desenvolvimento de plataformas de procedimentos endoscópicos microcirúrgicos, levou os cirurgiões a considerar a realização da excisão total do mesorreto por via transanal (TaTME)8. O primeiro passo desse procedimento consiste na secção do reto distal ao tumor, garantindo a margem distal (um dos marcadores essenciais para resultados oncológicos à longo prazo). Uma vez que o reto é seccionado circunferencialmente, a excisão total do mesorreto é realizada sob visão direta, permitindo a obtenção de um espécime cirúrgico com boa qualidade e com margem radial livre. A dissecção prossegue cranialmente enquanto outro time realiza o procedimento por via abdominal e encontra o plano de dissecção perineal para completar a proctectomia.
Mesmo que estudos randomizados ainda não estejam disponíveis, a experiência inicial sugere resultados patológicos (margem radial e distal e qualidade do mesorreto) similares ou a até superiores na abordagem transanal9.

Preservação de Órgão no Tratamento do Câncer do reto

Além das diferentes estratégias cirúrgicas, a terapia neoadjuvante com quimio e radioterapia bem como a avaliação da resposta tumoral após esse tratamento também vem mudando a história do tratamento da neoplasia de reto. A quimioterapia e radioterapia neoadjuvante (nQRT) está associada a significativa regressão tumoral, gerando resposta patológica completa (regressão completa da lesão) em até 42% dos pacientes10. A avaliação da resposta tumoral após a nQRT pode identificar pacientes com resposta clínica completa (ausência de lesão identificável clinicamente ou por exames de imagem). Estes pacientes têm sido considerados candidatos para estratégias com preservação de órgão, incluindo Watch & Wait e a Ressecção Local Transanal. O acompanhamento clínico-radiológico sem cirurgia imediata (estratégia Watch & Wait) evita cirurgias potencialmente desnecessárias, assim como a morbidade e mortalidade associadas ao tratamento cirúrgico. Além disso, esta estratégia esta associada a excelentes resultados funcionais e resultados oncológicos semelhantes aos da cirurgia radical11-15. Finalmente, o seguimento rigoroso permite a identificação precoce de recorrência local e procedimento cirúrgico de resgate sem comprometimento oncológico16.

Ressecção Local para Resposta Incompleta

Os efeitos de quimioterapia e radioterapia neoadjuvante (nQRT) sobre o tamanho do tumor primário e potencial esterilização de linfonodos perirretais poderiam estabelecer o cenário ideal para o tratamento de tumores de reto com resposta parcial através de ressecções locais em casos selecionados. Pacientes com tumores residuais pequenos, sem evidência de metástases linfonodais e que de outra forma necessitariam de amputação de reto ou anastomoses ultra-baixas seriam os melhores candidatos.
Um estudo randomizado comparando ressecção local com ETM laparoscópica em tumores cT2N0 após QRTn sugeriu taxas similares de sobrevida livre de recorrência local e morbidade pós-operatória, favorecendo a ressecção local17. Outro estudo prospectivo com o manejo de cT2N0 pós-QRT mostra taxa de recidiva local, inferior a 5%, sugerindo que estratégias de preservação de órgão poderiam ser seguras nesses pacientes18. Entretanto, a excisão local de tumores primários com má resposta à QRT provou-se insuficiente. Apesar de uma ressecção R0 “aparentemente” apropriada, a presença de focos de tumor descontínuo, muitas vezes distantes da úlcera principal pode contribuir para a recidiva local19-21.
Embora seja considerada estratégia com preservação de órgão, é preciso levar em conta as possíveis conseqüências da excisão local em pacientes previamente submetidos à QRT. A sutura de duas bordas irradiadas do reto pode levar a dificuldades significativas na cicatrização, gerando considerável morbidade e as altas taxas de deiscência da ferida após esse procedimento22,23. As deiscências da ferida podem resultar em dor anal e disfunção anorretal significativas. Caso seja necessária realização de ETM nesses pacientes, é provável que a qualidade do mesorreto seja afetada negativamente24. Finalmente, em caso de recidiva local, o risco de que a cirurgia de resgate precise ser uma amputação de reto com colostomia definitiva é bastante significativo25,26.

Conclusão

As diversas estratégias cirúrgicas para o tratamento da neoplasia de reto tentam garantir margens adequadas de ressecção para melhores resultados oncológicos, com menor morbidade e comprometimento funcional. A estratégia cirúrgica utilizada deve depender da disponibilidade dos diferentes métodos, treinamento do cirurgião e aspectos relacionados ao paciente e à doença. Embora a excisão total do mesorreto seja a estratégia terapêutica definitiva, é útil conhecer previamente as dificuldades esperadas no procedimento cirúrgico. Independente da estratégia adotada, o planejamento da ressecção com exames de estadiamento adequados é fundamental para o sucesso do procedimento.

Referências

  1. Kosinski L, Habr-Gama A, Ludwig K et al. (2012) Shifting concepts in rectal cancer management: a review of contemporary primary rectal cancer treatment strategies. CA Cancer J Clin 62:173-202.
  1. Heald RJ, Ryall RD (1986) Recurrence and survival after total mesorectal excision for rectal cancer. Lancet 1:1479-1482.
  1. Bonjer HJ, Deijen CL, Abis GA et al. (2015) A randomized trial of laparoscopic versus open surgery for rectal cancer. N Engl J Med 372:1324-1332.
  1. 4. Jeong SY, Park JW, Nam BH et al. (2014) Open versus laparoscopic surgery for mid-rectal or low-rectal cancer after neoadjuvant chemoradiotherapy (COREAN trial): survival outcomes of an open-label, non-inferiority, randomised controlled trial. Lancet Oncol 15:767-774.
  1. 5. Fleshman J, Branda M, Sargent DJ et al. (2015) Effect of Laparoscopic-Assisted Resection vs Open Resection of Stage II or III Rectal Cancer on Pathologic Outcomes: The ACOSOG Z6051 Randomized Clinical Trial. JAMA 314:1346-1355.
  1. 6. Stevenson AR, Solomon MJ, Lumley JW et al. (2015) Effect of Laparoscopic-Assisted Resection vs Open Resection on Pathological Outcomes in Rectal Cancer: The ALaCaRT Randomized Clinical Trial. JAMA 314:1356-1363.
  1. Jayne D, Pigazzi A, Marshall H et al. (2017) Effect of Robotic-Assisted vs Conventional Laparoscopic Surgery on Risk of Conversion to Open Laparotomy Among Patients Undergoing Resection for Rectal Cancer: The ROLARR Randomized Clinical Trial. JAMA 24;318(16):1569-1580
  1. Sylla P, Rattner DW, Delgado S et al. (2010) NOTES transanal rectal cancer resection using transanal endoscopic microsurgery and laparoscopic assistance. Surg Endosc 24:1205-1210.
  1. Araujo SE, Perez RO, Seid VE et al. (2016) Laparo-endoscopic Transanal Total Mesorectal Excision (TATME): evidence of a novel technique. Minim Invasive Ther Allied Technol 25:278-287.
  1. Sanghera P, Wong DW, McConkey CC et al. (2008) Chemoradiotherapy for rectal cancer: an updated analysis of factors affecting pathological response. Clin Oncol (R Coll Radiol) 20:176-183.
  1. 11. Habr-Gama A, Lynn PB, Jorge JMN et al. (2016) Impact of Organ-preserving Strategies on Anorectal function in Patients with Distal Rectal Cancer following Neoadjuvant Chemoradiation. Dis Colon Rectum 59:264-269.
  1. 12. Habr-Gama A, Sabbaga J, Gama-Rodrigues J et al. (2013) Watch and wait approach following extended neoadjuvant chemoradiation for distal rectal cancer: are we getting closer to anal cancer management? Dis Colon Rectum 56:1109-1117.
  1. 13. Habr-Gama A, Perez RO, Nadalin W et al. (2004) Operative versus nonoperative treatment for stage 0 distal rectal cancer following chemoradiation therapy: long-term results. Ann Surg 240:711-717; discussion 717-718.
  1. 14. Appelt AL, Ploen J, Harling H et al. (2015) High-dose chemoradiotherapy and watchful waiting for distal rectal cancer: a prospective observational study. Lancet Oncol 16:919-927.
  1. 15. Maas M, Beets-Tan RG, Lambregts DM et al. (2011) Wait-and-see policy for clinical complete responders after chemoradiation for rectal cancer. J Clin Oncol 29:4633-4640.
  1. 16. Habr-Gama A, Gama-Rodrigues J, Sao Juliao GP et al. (2014) Local recurrence after complete clinical response and watch and wait in rectal cancer after neoadjuvant chemoradiation: impact of salvage therapy on local disease control. Int J Radiat Oncol Biol Phys 88:822-828.
  1. Lezoche G, Baldarelli M, Guerrieri M et al. (2008) A prospective randomized study with a 5-year minimum follow-up evaluation of transanal endoscopic microsurgery versus laparoscopic total mesorectal excision after neoadjuvant therapy. Surg Endosc 22:352-358.
  1. Garcia-Aguilar J, Renfro LA, Chow OS et al. (2015) Organ preservation for clinical T2N0 distal rectal cancer using neoadjuvant chemoradiotherapy and local excision (ACOSOG Z6041): results of an open-label, single-arm, multi-institutional, phase 2 trial. Lancet Oncol 16:1537-1546.
  1. Perez RO, Habr-Gama A, Smith FM et al. (2014) Fragmented pattern of tumor regression and lateral intramural spread may influence margin appropriateness after TEM for rectal cancer following neoadjuvant CRT. J Surg Oncol 109:853-858.
  1. 20. Hayden DM, Jakate S, Pinzon MC et al. (2012) Tumor scatter after neoadjuvant therapy for rectal cancer: are we dealing with an invisible margin? Dis Colon Rectum 55:1206-1212.
  1. 21. Smith FM, Wiland H, Mace A et al. (2014) Depth and lateral spread of microscopic residual rectal cancer after neoadjuvant chemoradiation: implications for treatment decisions. Colorectal Dis 16:610-615.
  1. Perez RO, Habr-Gama A, Sao Juliao GP et al. (2011) Transanal endoscopic microsurgery for residual rectal cancer after neoadjuvant chemoradiation therapy is associated with significant immediate pain and hospital readmission rates. Dis Colon Rectum 54:545-551.
  1. 23. Marks JH, Valsdottir EB, DeNittis A et al. (2009) Transanal endoscopic microsurgery for the treatment of rectal cancer: comparison of wound complication rates with and without neoadjuvant radiation therapy. Surg Endosc 23:1081-1087.
  1. Hompes R, McDonald R, Buskens C et al. (2013) Completion surgery following transanal endoscopic microsurgery: assessment of quality and short- and long-term outcome. Colorectal Dis 15:e576-e581.
  1. 25. Morino M, Allaix ME, Arolfo S et al. (2013) Previous transanal endoscopic microsurgery for rectal cancer represents a risk factor for an increased abdominoperineal resection rate. Surg Endosc 27:3315-3321.
  1. 26. Bujko K, Richter P, Smith FM et al. (2013) Preoperative radiotherapy and local excision of rectal cancer with immediate radical re-operation for poor responders: a prospective multicentre study. Radiother Oncol 106:198-205.

rodrigo perezRodrigo Oliva Perez (foto) é cirurgião oncológico no Instituto Angelita e Joaquim Gama - São Paulo/SP, médico do Grupo de Cirurgia Colorretal Oncológica do Hospital BP e BP Mirante - São Paulo/SP e membro do Ludwig Institute for Cancer Research, em São Paulo








Este artigo é relevante para pelo menos um de seus pacientes?
  • Votes: (0%)
  • Votes: (0%)
  • Votes: (0%)
Total Votes:
First Vote:
Last Vote:

Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519