02122021Qui
AtualizadoSeg, 29 Nov 2021 7pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Relevância clínica do subtipo morfológico do carcinoma neuroendócrino extrapulmonar

taboada 2Com participação brasileira, estudo multicêntrico retrospectivo utilizou dados de mundo real para investigar potenciais diferenças no tratamento e na sobrevida entre pacientes com carcinomas neuroendócrinos extrapulmonares (EP-NECs) de pequenas células versus células não-pequenas. Os resultados foram publicados na Cancers, em artigo que tem o oncologista Rodrigo Taboada (foto), do A.C.Camargo Cancer Center, como coautor.

Os carcinomas neuroendócrinos (NECs) representam o subgrupo mais agressivo de neoplasias neuroendócrinas, e cerca de 90% surgem do pulmão. Os NECs com origem fora do pulmão são chamados de carcinomas neuroendócrinos extrapulmonares (EP- NECs). A maioria dos pacientes com EP-NECs é diagnosticada em estágio avançado (incurável) e tem expectativa de vida de meses, sendo a quimioterapia à base de platina ou os melhores cuidados de suporte as únicas opções para esses pacientes. No entanto, a resposta à quimioterapia à base de platina e o prognóstico variam amplamente nesta população.

Nesse estudo, foram incluídos cento e setenta pacientes. 77 (45,3%) tinham EP-NECs de células pequenas (SC) e 93 (54,7%) apresentavam EP-NECs células não pequenas (não SC). Em comparação com o subgrupo de células pequenas, os pacientes com células não pequenas apresentaram índice médio de Ki-67 inferior (69,3% vs. 78,7%; p = 0,002); menor proporção de casos com índice Ki-67 ≥ 55% (73,9% vs. 88,7%; p = 0,025); sensibilidade reduzida à platina/etoposídeo de primeira linha (taxa de resposta objetiva: 31,6% vs. 55,1%, p = 0,015; e taxa de controle da doença; 59,7% vs. 79,6%, p = 0,027); e pior sobrevida livre de progressão (SLP) (HR ajustado = 1,615, p = 0,016) e sobrevida global (SG) (HR ajustado = 1,640, p = 0,015) no cenário avançado.

Na coorte EP-NEC avançada, os subgrupos de células pequenas e índice Ki-67 <55% vs> 55% e não pequenas células tiveram sobrevida livre de progressão e SG significantemente piores.

Os resultados mostram ainda que o subtipo morfológico do carcinoma neuroendócrino extrapulmonar fornece informações complementares ao índice Ki-67 e pode auxiliar na identificação de pacientes que poderiam se beneficiar de estratégias alternativas à platina / etoposídeo como tratamento de primeira linha.

“Este estudo fornece um sinal do impacto prognóstico do subtipo morfológico em pacientes com EP-NEC, especialmente dentro do subgrupo com um índice Ki-67 de ≥55%, onde as curvas de Kaplan-Meier para SLP e SG divergem mais nitidamente. Além disso, sugerem que o relato do subtipo morfológico deve ser considerado na investigação diagnóstica de pacientes com EP-NEC, pois fornece informações prognósticas complementares ao índice Ki-67 e pode potencialmente orientar a decisão de tratamento de primeira linha”, destacam os autores.

Os pesquisadores observam que estudos de sequenciamento de última geração revelaram novos alvos terapêuticos potenciais para pacientes com EP-NECs, como mutação BRAFV600 frequente em NECs colorretais, instabilidade de microssatélites em GEPNECs e amplificação de MYCN/Aurora quinase A em NECs de próstata, abrindo caminho para o uso de terapias direcionadas e imunoterapia nessa população.

“Esforços em curso para continuar caracterizando o perfil molecular e imunológico de EP-NEC devem esclarecer se diversidades biológicas críticas sustentam os dois subtipos morfológicos, apoiando ou não a necessidade de abordar essas duas entidades de modo distinto. Além disso, há heterogeneidade conhecida entre os locais de origem do EP-NEC no que diz respeito aos resultados de sobrevida, proporção de subtipos SC e não SC e características genômicas”, avaliam.

Na verdade, EP-NECs em diferentes locais de origem têm uma prevalência variável de características moleculares específicas do local, principalmente compartilhadas com tumores não neuroendócrinos dos mesmos órgãos, bem como mutações de TP53 e RB1 (virtualmente onipresentes no SCLC). Seria interessante explorar se e como o subtipo morfológico desempenha um papel na geração dessa diversidade biológica”, concluem.

O estudo contou com participação da oncologista Rachel Riechelmann e da patologista Laura Claro, do A.C.Camargo Cancer Center.

Referência: Frizziero, M.; Durand, A.; Taboada, R.G.; Zaninotto, E.; Luchini, C.; Chakrabarty, B.; Hervieu, V.; Claro, L.C.L.; Zhou, C.; Cingarlini, S.; et al. Is the Morphological Subtype of Extra-Pulmonary Neuroendocrine Carcinoma Clinically Relevant? Cancers 2021, 13, 4152. https:// doi.org/10.3390/cancers13164152

 

 

Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519