23092021Qui
AtualizadoQua, 22 Set 2021 10pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Imunoterapia e seleção de pacientes no câncer de pulmão

ramon 2021 bxRamon Andrade de Mello (foto), oncologista da Escola Paulista de Medicina-UNIFESP,  é coautor de estudo translacional publicado na Cancers (Basel), que avalia um novo potencial biomarcador e um modelo prognóstico capaz de selecionar pacientes que não derivam benefícios clínicos duráveis com inibidores de checkpoint imune (ICI) no câncer de pulmão não pequenas células (CPNPC).

Quatro coortes compreendendo 2.986 pacientes com CPNPC foram incluídas no estudo. Um total de 158 pacientes com CPNPC sem benefício clínico durável (NDB) após terapia com inibidores de checkpoint imune cumpriram os critérios de elegibilidade e serviram de corpus de análise.

Entre os desfechos foi considerada a expressão de PD-L1, além da carga de mutação tumoral (TMB), carga de neoantígeno, linfócitos infiltrantes de tumor e expressão gênica. Um modelo preditivo também foi construído para avaliar a eficácia da terapia com ICI. 

Resultados

As mutações em FAT1 e KEAP1 se correlacionaram com respostas não duráveis em pacientes com CPNPC tratados com inibidores de checkpoint imune. No entanto, os autores explicam que apenas a mutação em FAT1 teve valor preditivo para a eficácia da terapia com ICI, enquanto a mutação em KEAP1 mostrou valor prognóstico, mas não como biomarcador preditivo.

“Mutações em FAT1 foram associadas a maior TMB com menor infiltrado linfocitário, incluindo células T CD8 (T-Cell Surface Glycoprotein CD8+)”, descreve a publicação. Os autores reportam que o modelo prognóstico baseado na expressão de PD-L1, TMB, tabagismo, regime e tipo de tratamento e mutação FAT1 revelou bom valor preditivo. “A mutação em FAT1 pode ser um biomarcador preditivo em pacientes com CPNPC que não derivam benefício clínico durável com o tratamento com ICI, ajudando assim a médico oncologista a otimizar a personalização do tratamento. Propusemos um modelo baseado em mutação FAT1 para a triagem de pacientes com CPNPC mais adequados para receber ICI, em uma estratégia que pode contribuir para a imunoterapia individualizada”, destacam.

Referência: Zhu G, Ren D, Lei X, Shi R, Zhu S, Zhou N, Zu L, de Mello RA, Chen J, Xu S. Mutations Associated with No Durable Clinical Benefit to Immune Checkpoint Blockade in Non-S-Cell Lung Cancer. Cancers (Basel). 2021 Mar 19;13(6):1397. doi: 10.3390/cancers13061397. PMID: 33808631.

 


Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519