09032021Ter
AtualizadoSeg, 08 Mar 2021 6pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Desprescrição nos cuidados em câncer, quando parar?

medicamentos prescricao bx okEstudo de coorte realizado na Suécia com idosos com idade ≥ 65 anos que morreram de câncer entre 2007 e 2013 revelou que medicamentos preventivos continuaram a ser prescritos durante o último ano de vida e muitas vezes foram mantidos até as semanas finais antes da morte. “Estratégias adequadas são necessárias para reduzir a carga de drogas com benefício clínico limitado nos cuidados de fim da vida”, concluíram os autores. Os resultados foram publicados 25 de março na Cancer.

Entre os 151.201 idosos que morreram com câncer no período da análise (média de idade, 81,3 anos), a média de medicamentos empregados aumentou de 6,9 ​​para 10,1 ao longo do último ano antes da morte. Medicamentos preventivos frequentemente foram mantidos até o último mês de vida, incluindo anti-hipertensivos, inibidores da agregação plaquetária, anticoagulantes, estatinas e antidiabéticos orais.

Os custos médios com medicamentos totalizaram US $ 1.482 por paciente (intervalo interquartil [IQR], US $ 700 - US $ 2896]), incluindo US $ 213 (IQR, US $ 77 - US $ 490) empregados com terapias preventivas. Em comparação com os idosos que morreram com câncer de pulmão (droga custo médio, $ 205; IQR, $ 61- $ 523), os custos de medicamentos preventivos foram maiores entre os idosos que morreram com câncer pancreático (diferença média ajustada, US $ 13; 95% intervalo de confiança, US $ 5 - US $ 22) ou cânceres ginecológicos (diferença mediana ajustada, US $ 27; intervalo de confiança de 95%, US $ 18 - US $ 36). Não houve diminuição em relação ao custo de medicamentos preventivos ao longo do último ano de vida.

O estudo mostra que medicamentos preventivos geralmente são prescritos durante o último ano de vida entre idosos com câncer, sendo frequentemente mantidos até as semanas finais antes da morte. “Estratégias de desprescrição adequadas são necessárias para reduzir a carga de drogas com benefício clínico limitado perto do fim da vida”, concluem os autores.

No contexto do câncer avançado, o estudo de Lucas Morin, MS, do Instituto Karolinska, e colegas, mostra que o valor agregado de iniciar ou continuar com medicamentos preventivos torna-se questionável nos cuidados de fim de vida, quando não há evidência do benefício. Os medicamentos preventivos foram responsáveis ​​por aproximadamente um quinto dos custos totais dos medicamentos prescritos, sendo especialmente elevados em idosos que morreram com câncer de pâncreas, mama ou tumores ginecológicos.

Em conclusão, os resultados sugerem que a redução do uso de medicamentos preventivos em pessoas com câncer avançado perto do fim da vida tem o potencial de não apenas reduzir os efeitos colaterais desnecessários e melhorar a qualidade de vida dos pacientes, mas também reduzir os encargos financeiros para os pacientes.

"Embora as drogas preventivas relatadas em nosso estudo sejam farmacologicamente e clinicamente apropriadas na população em geral, seu uso no contexto da expectativa de vida limitada e dos objetivos paliativos do cuidado deve ser examinado criticamente", disse Morin.

Referência: Preventive Drugs in the Last Year of Life of Older Adults With Cancer: Is There Room for Deprescribing? Lucas Morin, MS et al. Cancer 2019;0:1-9.


Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519