25112020Qua
AtualizadoTer, 24 Nov 2020 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Deficiência do mismatch repair em pacientes com câncer colorretal não aderentes aos guidelines de testes

Renata DAlpino 2017 NET OKEstudo publicado no JAMA Oncology buscou avaliar os preditores de utilização de testes de deficiência do mismatch repair em adultos e jovens adultos com câncer colorretal de alto risco e a não-aderência às diretrizes de testes. A oncologista Renata D'Alpino (foto), coordenadora de Tumores Gastrointestinais e Neuroendócrinos do Hospital Alemão Oswaldo Cruz e membro do Grupo Brasileiro de Tumores Gastrointestinais (GTG), comenta o trabalho.
“Este estudo ressalta a subutilização do teste de deficiência do mismatch repair entre pacientes com CCR nos Estados Unidos, especialmente naqueles mais jovens, quando o risco de HNPCC é maior. A realidade no Brasil pode ser ainda pior”, afirma a oncologista renata D’Alpino. “Além da possível associação com a síndrome hereditária (HNPCC), o conhecimento da presença de deficiência do mismatch repair pode mudar a conduta, especialmente na recomendação do tratamento adjuvante no estádio II, por exemplo”, acrescenta.

A deficiência do mismatch repair pode ser devida a mutações germinativas ou inativação epigenética, afeta o prognóstico e a resposta à terapia sistêmica e resulta no não reparo de repetidas sequências de DNA, o que aumenta o risco de múltiplos tumores malignos. A deficiência de MMR é observada em até 15% dos tumores colorretais esporádicos (CRCs) e é uma característica da síndrome de Lynch, que tem maior incidência em jovens adultos (idade <50 anos) com CRC.

Apesar da recomendação ao uso universal de testes de deficiência de MMR em pacientes com CRC e diretrizes bem estabelecidas voltadas especificamente para populações de alto risco, a utilização geral dos testes ainda é baixa e persiste a subutilização significativa dos testes entre jovens adultos.

O estudo

O objetivo do estudo foi avaliar a utilização de testes de deficiência de MMR em adultos com CRC e analisar a não adesão às diretrizes de testes em jovens adultos usando um conjunto de dados nacionais contemporâneos para identificar possíveis fatores de risco para a não adesão às diretrizes recentemente implementadas.

A regressão logística multivariada foi utilizada para identificar preditores independentes de testes em pacientes adultos e/ou adultos jovens. O endpoint primário foi a realização de testes de deficiência de MMR. O estudo foi realizado entre 16 de março de 2016 a 1º de março de 2017.

Um total de 152.993 adultos com CRC identificados a partir do National Cancer Database foram incluídos no estudo (78.579 [51,4%] homens, idade média [SD], 66,9 [13,9] anos). Destes pacientes, apenas 43.143 (28,2%) foram submetidos a testes de deficiência de MMR; a proporção de pacientes testados aumentou entre 2010 e 2012 (22,3% vs 33,1%; P <0,001). Entre 17.218 pacientes adultos mais jovens com CRC, apenas 7.422 (43,1%) foram submetidos a testes de deficiência de MMR; a proporção testada aumentou entre 2010 e 2012 (36,1% vs 48,0%; P <0,001).

Idade, nível educacional (OR, 1,38; IC 95%, 1,15-1,66), ano de diagnóstico posterior (OR, 1,81; IC 95%, 1,65-1,98), doença inicial (OR, 1,24; IC 95% 1.18-1.30), e número de gânglios linfáticos regionais examinados (≥ 12) (OR, 1,44; IC 95%, 1,34-1,55) foram associados independentemente com o teste de deficiência de MMR, enquanto a idade avançada (OR, 0,31; IC 95%, 0,26 -0,37); Medicare (OR, 0,89; IC 95%, 0,84-0,95), Medicaid (OR, 0,83; IC 95%, 0,73-0,93), ou status não segurado (OR, 0,78; IC 95%, 0,66-0,92); tipo de acessos à pesquisa acadêmica vs não acadêmica (OR, 0,44; IC 95%, 0,34-0,56); localização do tumor retossigmoide ou retal (OR, 0,76; IC 95%, 0,68-0,86); grau desconhecido (OR, 0,61; IC 95%, 0,53-0,69); e não recebimento de cirurgia definitiva (OR, 0,33; IC 95%, 0,30-0,37) foram associadas à subutilização de testes de deficiência de MMR.

Os autores ressaltam a importância de intervenções adaptadas a grupos em risco de não adesão às diretrizes de testes de deficiência do mismatch repair.

Referência: Mismatch Repair Deficiency Testing in Patients With Colorectal Cancer and Nonadherence to Testing Guidelines in Young Adults - Talha Shaikh; Elizabeth A. Handorf; Joshua E. Meyer; Michael J. Hall; and Nestor F. Esnaola - JAMA Oncol. Published online November 9, 2017. doi:10.1001/jamaoncol.2017.3580

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519