28112020Sáb
AtualizadoSex, 27 Nov 2020 1pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

V Simpósio do Grupo Brasileiro de Oncologia Torácica

V_GBOT.jpgDois importantes estudos liderados por pesquisadores brasileiros serão tema de apresentação oral durante a 17ª World Conference of Lung Cancer, em Viena. A presença no programa científico deste ano reflete o interesse de pesquisadores e centros de câncer no Brasil e o entusiasmo diante de uma nova era de seleção terapêutica baseada em perfis moleculares. Exemplo desse olhar renovado, o V Simpósio do Grupo Brasileiro de Oncologia Torácica (GBOT), realizado dias 4 e 5 de novembro, em São Paulo, reforçou a importância da mudança.

“Temos que desmistificar o câncer de pulmão e mostrar que é possível não apenas aumentar a sobrevida global, mas melhorar a qualidade de vida e a funcionalidade do paciente”, disse Clarissa Matias, presidente do GBOT e oncologista do Núcleo de Oncologia da Bahia (NOB), do Grupo Oncoclínicas. “Se é prematuro falar em cura, já se fala em “cura funcional”, sinaliza.
 
Para um cenário que historicamente amargava limitadas opções terapêuticas, conhecer o comportamento biológico do câncer de pulmão pode mesmo significar uma verdadeira janela de oportunidades para subrupos específicos de pacientes. “Somos administradores de gangorra”, ilustrou Clarissa, numa comparação entre o necessário equilíbrio entre benefício e toxicidade. Está na hora de deslocar o peso e valorizar os painéis moleculares para selecionar abordagens menos tóxicas e mais eficazes.
 
O desafio, no entanto, parece esbarrar em diferentes barreiras e provoca igualmente diferentes reflexões. Entre cirurgiões, é bem disseminada a importância da adequada coleta, fixação e clivagem, cumprindo etapas e processos que certamente impactam na análise do patologista? Entre patologistas, é difundida a visão sobre o papel de painéis moleculares em câncer de pulmão? E os gestores da saúde, acompanham essa evolução e estão dispostos a assumir a conta? Sobram reflexões que convidam a refletir se a infraestrutura de assistência oncológica brasileira está preparada  para realizar esses painéis moleculares e, antes ainda, que painéis são de fato relevantes.
 
Quando toda a cadeia de cuidados tem incertezas sobre o acesso e a sustentabilidade das melhores práticas, fica difícil ganhar amplitude. Afinal, que caminhos e possibilidades podem ser explorados? Como take home message, o grande saldo do V Simpósio do GBOT foi despertar reflexões diante de um novo cenário que se apresenta no câncer de pulmão, do rastreamento às inovações terapêuticas, mas questões centrais ainda permanecem sem resposta.



 

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519