28022024Qua
AtualizadoQua, 28 Fev 2024 5pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

 

Tratamentos de baixo custo reduzem mortalidade em câncer de mama precoce

BALANCO_MAMA_bx.jpgDois agentes já empregados individualmente no tratamento do câncer podem ser usados em conjunto para aumentar os benefícios e manejar efeitos colaterais em pacientes com câncer de mama precoce, na pós-menopausa. É o que demonstram os resultados de dois estudos publicados no Lancet na edição de 24 de julho, concluindo que o uso de bisfosfonatos e de inibidores de aromatase reduz o risco de recorrência do câncer de mama em mulheres na pós-menopausa e amplia significativamente as taxas de sobrevida.

"Essas duas meta-análises de dados individuais de pacientes em ensaios clínicos confirmam os benefícios do uso de inibidores de aromatase no tratamento adjuvante de mulheres na pós-menopausa com câncer de mama de uma maneira clinicamente importante e estatisticamente significativa, e sugerem um papel real para o uso de bisfosfonatos no tratamento adjuvante da mesma população de pacientes”, afirma o oncologista Gilberto Lopes, fundador do HCor Onco e diretor médico e científico do Grupo Oncoclínicas do Brasil.


Estudo de meta-análise a partir da base de dados do Early Breast Cancer Trialists’ Collaborative Group (EBCTCG), incluiu dados de 18.766 mulheres em 26 estudos randomizados e comparou entre dois e cinco anos de bisfosfonatos contra nenhum bisfosfonato.

Para a população total do estudo, o único benefício claro do uso de bisfosfonatos foi uma redução de 17% na recorrência de câncer ósseo. No entanto, entre 11.767 mulheres na pós-menopausa o tratamento com bisfosfonatos produziu uma redução maior no câncer ósseo, de 28%, e também reduziu em 18% o risco de morte por câncer de mama durante a primeira década após o diagnóstico. O benefício parece ser independente do tipo de bisfosfonato, duração do tratamento e status do receptor hormonal.
 
Os resultados mostram que o uso adjuvante de bisfosfonatos em mulheres pós-menopáusicas pode impedir cerca de um quarto das recorrências de câncer ósseo e uma em cada seis mortes por câncer de mama na primeira década do tratamento. 

Terapia endócrina 

Outro estudo publicado no Lancet avaliou o papel dos inibidores de aromatase a partir dos dados de 30 mil mulheres pós-menopáusicas, em nove ensaios clínicos randomizados. A conclusão é de que cinco anos de tratamento com terapia endócrina com um inibidor de aromatase (AI) produz benefício de sobrevida superior em relação a cinco anos de terapia endócrina padrão (tamoxifeno).
 
Em comparação com tamoxifeno, o uso de inibidores de aromatase por cinco anos reduziu em 30% a probabilidade de recorrência do câncer de mama e em 15% o risco de morte ao longo da década após o início do tratamento. Os pesquisadores estimam que, em comparação com nenhum tratamento endócrino, os inibidores de aromatase podem reduzir em até 40% o risco de morte por câncer na primeira década após o início do tratamento.
 
São estudos que fornecem evidências de que tratamentos de baixo custo, simples e bem tolerados podem ajudar a reduzir a mortalidade por câncer de mama e agora devem ser considerados para uso rotineiro no tratamento de mulheres com câncer de mama precoce com menopausa natural ou induzida.
 
Referências: 1. Early Breast Cancer Trialists' Collaborative Group. Aromatase inhibitors versus tamoxifen in early breast cancer: patient-level meta-analysis of the randomised trialsLancet. 2015; (published online July 24.) .
 
2. Adjuvant bisphosphonate treatment in early breast cancer: meta-analyses of individual patient data from randomised trials

 


Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
ABBVIE
Publicidade
LIBBS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
SANOFI
Publicidade
INTEGRAL HOME CARE
Publicidade
300x250 ad onconews200519