02082021Seg
AtualizadoSeg, 02 Ago 2021 12am

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Novo paradigma: os highlights de 2015 em câncer de pulmão

Zukin_baixa.jpgO ano de 2015 foi marcante para a abordagem do câncer de pulmão. Tivemos a aprovação de duas novas drogas que mudam a maneira de pensar o tratamento de câncer de pulmão não pequenas células, além da imunoterapia e sua grande mudança de paradigma. Mauro Zukin (foto), diretor técnico do Grupo COI e vice-presidente do Grupo Brasileiro de Oncologia Torácica (GBOT), aponta as mudanças que marcaram o ano no tratamento do câncer de pulmão.

Os estudos CHECKMATE, tanto em carcinoma escamoso quanto não escamoso, mostraram a superioridade dos inibidores de checkpoint sobre a quimioterapia com docetaxel em segunda linha, pós falha à platina. Além de ser um marco de uma nova estratégia em segunda linha superior à quimioterapia, padrão há quase 10 anos, temos aqui uma nova abordagem que de uma maneira “indireta” estimula as células do sistema imune a destruir a célula maligna, em alguns casos de maneira muito duradoura, mudando o formato das curvas de sobrevida global, como jamais visto. Os estudos KEYNOTE avaliaram o pembrolizumab em um mesmo cenário, mostrando resultados semelhantes de superioridade à quimioterapia.

TKIS de terceira geração

Outro ponto importante no ano de 2015 foram os estudos apresentados na ASCO 2015 e no mundial WCLC 2015 e publicados no NEJM sobre os inibidores de tirosina-quinase (TKI) de terceira geração AZD 9192 e rociletinib na falha pós primeira linha com os TKIs de primeira geração (erlotinibe ou gefitinibe), em tumores que expressam a mutação de resistência T790. Além de uma taxa de resposta importantíssima, o perfil de toxicidade é muito favorável e os estudo futuros devem trazer essas drogas para o cenário de primeira linha.

Durante a sessão Presidencial do WCLC 2015 tivemos a apresentação de um estudo de rastreamento e supressão de tabagismo que, quando associados, mostram um benefício bastante significativo em sobrevida. Devemos ficar atentos a estratégias como essas, que levam a um impacto importante na redução da mortalidade por câncer de pulmão.

O futuro e seus desafios estão com certeza na implementação da assinatura gênica dos diversos tipos de câncer de pulmão, assim como nas diversas estratégias a serem personalizadas para aquelas alterações driver. Do ponto de vista prático, permanece o desafio de identificar como implantar essa estrutura no Brasil, para que todos os pacientes possam se beneficiar.


 


Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519