25112020Qua
AtualizadoTer, 24 Nov 2020 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Imunoterapia em tumores gastrointestinais

ON9_CAPA_PG4TO7_LOGO_GTG_VERTICAL_NET_OK.jpgComo tem acontecido com quase todas as áreas da oncologia, em 2015 a imunoterapia trouxe dados preliminares, porém bastante animadores, para os tumores gastrointestinais. Segundo Anelisa Coutinho, oncologista na clínica AMO e presidente do Grupo Brasileiro de Tumores Gastrointestinais (GTG), a opção terapêutica deve ser muito investigada e testada nos próximos anos, com o desafio de avaliar a possibilidade de combinação com terapias já vigentes e uso em linhas mais precoces de tratamento.

 

 

O anticorpo monoclonal anti PD-1 pembrolizumab foi testado em 25 pacientes com tumores colorretais metastáticos politratados com deficiência de mismatch repair (dMMR), e em 21 pacientes com dMMR e tumores não colorretais. O estudo demonstrou uma taxa de resposta objetiva de 62% e 60%, e taxa de controle de doença de 92% e 70%, respectivamente. A sobrevida em um ano foi de 80%, enquanto a mediana de sobrevida global ainda não foi alcançada em ambos os grupos. Um terceiro grupo de pacientes com tumores colorretais e proficiência de mismatch repair (pMMR) não apresentou nenhuma resposta. Apesar de ser um estudo preliminar, os dados são promissores e mostram que a imunoterapia pode exercer um papel nesses tumores.
 
O medicamento também foi avaliado no estudo de fase I KEYNOTE-012, em 39 pacientes com câncer gástrico avançado previamente tratados, com taxa de resposta de 22%. O KEYNOTE-012 demonstrou correlação entre o nível de expressão de PD-L1 e as taxas de resposta alcançadas. Outro estudo que merece destaque é o HERACLES, que avaliou 23 pacientes com câncer colorretal metastático HER2 positivo 2+ ou 3+ que já tinham sido submetidos a tratamentos prévios. Os pacientes receberam a combinação de trastuzumabe com lapatinibe e apresentaram 34% de taxa de resposta e 78% de taxa de controle de doença, números bastante interessantes nesse cenário. Apesar de ser um estudo preliminar, pequeno, o HERACLES abre uma perspectiva de tratamento para esse subgrupo específico de pacientes.
 
O anti PD-1 nivolumab também foi testado em um estudo fase 1/2 que avaliou 47 pacientes com carcinoma hepatocelular avançado, entre eles portadores de vírus B, C e pacientes não infectados. Incluindo pacientes de todos os grupos, houve 24% de resposta objetiva e 48% de doença estável.
 
Embora nenhum desses estudos seja conclusivo, são peças iniciais de um quebra cabeça bastante instigante e com resultados promissores. A imunoterapia em tumores gastrointestinais certamente será uma opção terapêutica muito investigada e testada nos próximos anos, com o desafio de avaliar a possibilidade de combinação com terapias já vigentes e uso em linhas mais precoces de tratamento.
 


 


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519