31072021Sáb
AtualizadoQui, 29 Jul 2021 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Simpósio discute aplicações do PET/CT

Allan_NET_OK.jpg"O foco do encontro foram as oito aplicações do PET em Oncologia, incluídas no rol de procedimentos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e que têm cobertura obrigatória pelos planos de saúde", explica Allan de Oliveira Santos (foto), um dos coordenadores do 1° Simpósio de PET/CT em Oncologia realizado pelo Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa (HSL/IEP).

Na ANS foi incluído o uso do procedimento nos casos de nódulo pulmonar solitário, câncer de pulmão, colorretal, mama, cabeça e pescoço, esôfago, melanoma maligno e linfoma. O Sistema Único de Saúde (SUS) também teve três indicações aprovadas em 2014 – tumor pulmonar para não pequenas células, linfoma e câncer colorretal.

Embora existam as indicações, os convênios acabam submetendo o paciente a todo tipo de questionamento antes de autorizar o procedimento. Isso acontece porque a cobertura obrigatória não é de pleno conhecimento de todos os médicos, e as diretrizes são bastante específicas na determinação sobre quais situações oPET tem cobertura obrigatória. “Depende do tipo da neoplasia. No caso de linfoma, onde sua aplicação está mais consagrada, a cobertura é obrigatória no estadiamento e na avaliação do tratamento. Já no câncer de cólon, a cobertura só é obrigatória se o paciente tiver uma lesão hepática passível de ressecção cirúrgica ou tiver outros exames que apontem uma suspeita de metástase, ou de recidiva, e esses exames não foram suficientes”, explica . A indicação no SUS segue o mesmo modelo.

Os detalhes da diretriz, para indicações muito precisas, acabam fazendo com que alguns convênios criem dificuldade de acesso. O que, segundo Allan, do ponto de vista do custo-benefício, na maior parte das vezes, não é a decisão mais acertada. Muitas vezes, a realização do procedimento antes da cirurgia consegue evitar uma intervenção, uma morbidade desnecessária, ou a necessidade de mais exames diagnósticos. “Portanto, essa restrição excessiva ao PET não está levando em conta essa questão do custo-benefício”, lamenta.

Uma dificuldade é a falta de estudos de custo-efetividade no Brasil, ainda escassos. Os procedimentos são analisados de acordo com o cenário norte-americano, o que nem sempre corresponde à nossa realidade. Durante o Simpósio, o médico nuclear Juliano Cerci, da Quanta Diagnóstico e Terapia, do Paraná, demonstrou que a incorporação do PET-CT na avaliação dos pacientes com câncer de pulmão leva à redução do custo de acompanhamento. “Isso nos mostra que, ao menos no câncer de pulmão, a tecnologia deveria estar mais amplamente incorporada, inclusive na rede pública, onde também geraria economia de recursos”, diz.



 
Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519