01082021Dom
AtualizadoDom, 01 Ago 2021 10pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

2021

Estudo de Fase III não mostra benefício de napabucasin no câncer colorretal metastático

colorretal NET OKResultados de sobrevida global de estudo de Fase 3 (CanStem303C) que avalia FOLFIRI ± napabucasin em pacientes com câncer colorretal metastático previamente tratados foram selecionados em apresentação oral no ESMO-GI.

CanStem303C é um estudo multicêntrico, aberto, randomizado, que envolve pacientes adultos com câncer colorretal metastático (mCRC) confirmado histologicamente que falharam ao tratamento de primeira linha com fluoropirimidina associada a oxaliplatina e bevacizumabe. Os pacientes foram randomizados 1: 1 para FOLFIRI + napabucasin 240 mg oral, duas vezes ao dia (napabucasin) vs FOLFIRI (controle). O tratamento com bevacizumabe foi liberado em qualquer um dos braços, a critério do investigador.

A randomização foi estratificada por região geográfica, tempo de progressão desde o início da terapia de primeira linha, status de mutação RAS, bevacizumabe como parte do protocolo de tratamento e localização do tumor primário. Endpoints primários foram a sobrevida global (SG) na população geral do estudo (GSP; todos os pacientes randomizados) e na população pSTAT3+ (biomarcador positivo [BM+]). Os principais endpoints secundários incluíram sobrevida livre de progressão (SLP), taxa de controle da doença (DCR) e taxa de resposta objetiva (ORR) na população geral (grupo GSP) e na população com biomarcador positivo identificada por meio de imunohistoquímica de pSTAT3.

Para o GSP, o estudo foi projetado para ter 90% de poder para detectar uma redução de 20% no risco de morte (razão de risco [HR] para napabucasin vs controle = 0,80). Para a população BM +, o estudo foi projetado para ter 88% de potência para detectar uma redução de 30% no risco de morte (HR=0,70). A sobrevida global (SG) foi definida pelo método Kaplan Meier comparando os braços de tratamento.

Resultados

O GSP incluiu 1253 pacientes (n=624 napabucasin; 629 controle); a média de idade foi 60,1 (11,17) e 59,6 (11,14) anos, respectivamente; e 44% dos pacientes foram BM+ (n=275 napabucasin; n=272 controle). No GSP, a mediana de SG foi de 14,3 meses (napabucasin) vs 13,8 meses (controle) (HR = 0,976, p = 0,3629).

Na população BM +, a mediana de SG foi de 13,2 meses (napabucasin) vs 12,1 meses (controle), (HR = 0,969, p = 0,3782). A SLP, taxa de controle da doença e taxa de resposta objetiva foram semelhantes entre os braços de tratamento na população SGP e BM +.

Em relação ao perfil de segurança, eventos adversos de qualquer grau relacionados ao tratamento (TEAEs) foram relatados em 99,5% e 98,7% dos pacientes no GSP (napabucasin; controle), os mais frequentes (30% dos pacientes) diarreia (84,6%, 53,9%), náuseas (60,5%, 50,5%), vômitos (41,2%, 29,3%) e dor abdominal (41,0%, 25,2%). TEAEs de grau 3 foram relatados em 73,8% e 66,7% dos pacientes no GSP (napabucasin; controle), principalmente diarreia (21,2%, 7,0%), diminuição da contagem de neutrófilos (13,7%, 19,2%) e neutropenia (13,3%, 15,2%). O perfil de segurança na população BM + foi consistente com dados anteriores com a adição de napabucasin ao regime FOLFIRI com ou sem bevacizumabe.

Em conclusão, o novo agente experimental  não melhorou os desfechos avaliados (SG, SLP, DCR ou ORR) na população geral nem na população BM+. Os TEAEs foram consistentes com os dados publicados anteriormente.

Este estudo está registrado na plataforma Clinicaltrials.gov: NCT02753127.

Referência: FOLFIRI ± napabucasin in patients with previously treated metastatic colorectal cancer: Overall survival results from the phase 3 CanStem303C study

 
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519