26112020Qui
AtualizadoQui, 26 Nov 2020 3pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

ASTRO 2020

Radiocirurgia com arcoterapia volumétrica modulada para múltiplas metástases cerebrais

rie asso bxEstudo apresentado em pôster no ASTRO 2020 analisou os resultados clínicos e toxicidades em pacientes com múltiplas metástases cerebrais submetidos a radiocirurgia estereotatica (SRS) usando a técnica de arcoterapia volumétrica modulada (VMAT). A médica especialista em radioterapia Rie Nadia Asso (foto), do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, é a primeira autora do trabalho.

Os pesquisadores realizam uma análise retrospectiva de radiocirurgia estereotatica para metástases cerebrais usando VMAT em uma única instituição entre 2012 e 2019. O volume tumoral visível (GTV) foi definido na lesão realçada na imagem de ressonância magnética sobreposta à tomografia computadorizada planejada, expandida para o volume alvo planejado (PTV) de 1 a 2 mm.

Todos os pacientes utilizaram máscara termoplástica para radiocirurgia guiada por imagem, utilizando tomografia computadorizada de feixe cônico com posicionamento 6D e configuração guiada por superfície em alguns casos. Os dados coletados de prontuários de pacientes foram características demográficas e histopatológicas, controle local, controle cerebral e sistêmico. O controle local (LC) foi analisado desde o tratamento SRS até a progressão local (qualquer falha dentro do cérebro). Outros tratamentos e toxicidades (aguda e tardia) também foram avaliados.

Resultados

Foram analisados 75 pacientes, totalizando 418 lesões. O número médio de lesões tratadas foi de 5,6 (intervalo 2 - 19). Pacientes com 2 lesões foram os mais prevalentes (18,6%). Os sítios primários foram pulmão (45%), mama (29,3%), melanoma (8%), cólon (8%) e outros (8,7%).

A maioria dos pacientes havia recebido terapia sistêmica antes da SRS (52 receberam quimioterapia e 36 pacientes foram tratados com terapia-alvo ou imunoterapia). Apenas 3 pacientes foram submetidos a tratamentos hipofracionados (2 em 3 frações e 1 em 5 frações). A mediana da dose única foi de 18 Gy (12 - 24). O acompanhamento médio foi de 7,3 meses (1 - 40). A sobrevida livre de recorrência local em 1 e 2 anos foi 65% e 47,3%, respectivamente.

O tempo médio para recorrência local foi de 7,1 meses. A sobrevida livre de recorrência cerebral em 1 ano e a sobrevida global foram, respectivamente, 28% e 36%. Ocorreram 11 recidivas locais e 30 tumores não locais, sendo 7 deles disseminação leptomeníngea. Toxicidades agudas de grau 1 ou 2 estavam presentes em 7,1% (cefaleia, convulsões, edema perilesional), enquanto toxicidades tardias, incluindo radionecrose e comprometimento neurocognitivo, foram observadas em 3,38% e 3,44%, respectivamente.

Em conclusão, o uso de VMAT - SRS para múltiplas metástases cerebrais foi viável, eficaz e com baixas taxas de toxicidade relacionada ao tratamento. “Vale ressaltar que esta é a maior experiência brasileira de radiocirurgia para múltiplas lesões com VMAT já publicada ou apresentada. Podemos inferir que o tratamento simultâneo fornecido pelo VMAT é uma forma vantajosa de produzir controle local sem comprometer a toxicidade”, afirmaram os autores.

Referência: Abstract 3595 - Radiosurgery for Multiple Brain Metastases using Volumetric Modulated Arc Therapy: Clinical Outcomes and Toxicity from a Single-Institutional Series - R. N. Asso, A. Mancini, W. F. P. Neves Junior, B. F. G. Ramos, D. M. F. Palhares, R. Gadia, and S. A. Hanna

 

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519