30062022Qui
AtualizadoQua, 29 Jun 2022 9pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

FDA aprova enfortumab vedotin no câncer urotelial avançado

approved NET OKA agência reguladora norte-americana Food and Drug Administration (FDA) aprovou dia 9 de julho o registro regular de enfortumab vedotin (PADCEV®), além da expandir a indicação do novo agente, um conjugado anticorpo-droga que representa a primeira e única terapia aprovada pelo FDA para pacientes com câncer urotelial inelegíveis a cisplatina e que receberam uma ou mais linhas de tratamento. A decisão do FDA é baseada nos resultados de sobrevida global do ensaio EV-301, que demonstrou a superioridade de enfortumab vedotin frente à quimioterapia nessa população de pacientes.

Em 2019, o FDA concedeu aprovação acelerada para EV no tratamento de pacientes adultos com câncer urotelial localmente avançado ou metastático que receberam anteriormente um inibidor de PD-1 / L1 e quimioterapia contendo platina na adjuvância ou neoadjuvância. Agora, a conversão da aprovação acelerada para a aprovação regular e a expansão da indicação foram baseadas em dois pedidos de licença biológica suplementares (sBLAs) analisados ​​sob o programa piloto Real-Time Oncology Review (RTOR).

O ensaio EV-301 é um estudo global, aberto, de Fase III que inscreveu 608 pacientes com câncer urotelial localmente avançado ou metastático, randomizados (1:1) para receber enfortumab vedotin (N=301) ou quimioterapia (N= 307) com docetaxel, paclitaxel ou vinflunina.  Foram elegíveis pacientes adultos previamente tratados com quimioterapia à base de platina e um inibidor PD-1 / L1.

Os dados reportados por Powles et. al. na análise intermediária pré-especificada mostram que os pacientes tratados com EV tiveram mediana de sobrevida 3,9 meses superior na comparação com aqueles tratados com quimioterapia. A sobrevida global mediana foi de 12,9 vs. 9,0 meses, respectivamente [Hazard Ratio = 0,70 (intervalo de confiança de 95% [IC]: 0,56, 0,89), p = 0,001].

O perfil de segurança foi consistente com dados já reportados. As reações adversas mais frequentes (≥20%) incluíram erupção cutânea, fadiga, neuropatia periférica, alopecia, diminuição do apetite, diarreia, prurido, náusea, constipação, disgeusia, dor musculoesquelética, olho seco, pirexia, dor abdominal e anemia.

A coorte 2 do estudo pivotal  (EV-201) avaliou EV em pacientes (n = 89) com câncer urotelial localmente avançado ou metastático que haviam sido previamente tratados com um inibidor PD-1 / L1,  mas que não tinham recebido quimioterapia  e eram inelegíveis a cisplatina. Após seguimento mediano  de 16 meses, 51% dos pacientes tratados com EV alcançaram resposta objetiva [IC de 95%: 39,8, 61,3] por revisão central independente cega, com duração mediana de resposta de 13,8 meses [IC de 95%: 6,4, não alcançado]. As reações adversas de todos os graus mais frequentes (≥20%) incluíram erupção cutânea, neuropatia periférica, alopecia, fadiga, diminuição do apetite, anemia, diarreia, prurido, diminuição do peso, náusea, olho seco e disgeusia.

“Quase metade dos pacientes com câncer de bexiga avançado não podem receber quimioterapia à base de cisplatina. Muitos desses pacientes receberão imunoterapia de primeira linha, mas na ausência de resposta e na progressão após resposta inicial  à imunoterapia  há uma necessidade urgente de mais opções de tratamento”, disse Evan Y. Yu, da Divisão de Oncologia da Universidade de Washington e investigador principal do estudo EV-201. “Uma nova aprovação regulatória para enfortumab vedotin é um avanço clínico importante e pode ajudar a atender essa necessidade não atendida”, destacou.

Globalmente, cerca de 573 mil novos casos de câncer de bexiga são relatados anualmente, com mais de 212 mil mortes (Globocan, 2020).

O programa RTOR do FDA tem o objetivo de assegurar um processo de revisão mais eficiente para permitir que tratamentos seguros e eficazes estejam disponíveis para os pacientes o mais cedo possível. A revisão da agência também foi conduzida como parte do Projeto Orbis, uma iniciativa do Centro de Excelência em Oncologia do FDA, que fornece dados para submissão simultânea e revisão de medicamentos oncológicos entre autoridades sanitárias internacionais. Por meio do Projeto Orbis, países como Austrália e Canadá continuam revisando os dados dos ensaios EV-301 e EV-201 para registro.

O estudo EV-301 está inscrito na plataforma Clinical Trials.gov: NCT03474107.

Referências:

Powles T, Rosenberg JE, Sonpavde GP, et al. Enfortumab Vedotin in Previously Treated Advanced Urothelial Carcinoma. N Engl J Med. 2021; 10.1056/NEJMoa2035807.

Yu EY, Petrylak DP, O’Donnell PH, et al. Enfortumab vedotin after PD-1 or PD-L1 inhibitors in cisplatin-ineligible patients with advanced urothelial carcinoma (EV-201): a multicenter, single-arm, phase 2 trial. The Lancet Oncology.2021: S1470-2045(21)00094-2

World Health Organization, International Agency for Research on Cancer. Globocan 2020 world fact sheet. https://gco.iarc.fr/today/data/factsheets/populations/900-world-fact-sheets.pdf. Accessed June 29, 2021.


Publicidade
Publicidade
KITE PHARMA
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
FARMAUSA
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519