15052021Sáb
AtualizadoSex, 14 Maio 2021 2am

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Comissão Europeia aprova isatuximabe no mieloma múltiplo

approved NET OKA Comissão Europeia (CE) aprovou o uso de isatuximabe (Sarclisa®, Sanofi) em combinação com carfilzomibe e dexametasona para pacientes com mieloma múltiplo recorrente ou refratário (MMRR) que receberam uma a três linhas de tratamento. A decisão marca a segunda aprovação de isatuximabe em combinação com um regime de tratamento padrão em menos de 12 meses na Europa.

A aprovação é baseada nos resultados do estudo de Fase 3 IKEMA, que demonstrou benefícios com a adição de isatuximabe a carfilzomibe e dexametasona nessa população de pacientes, reduzindo o risco de progressão da doença ou morte em 47%. O ensaio envolveu 302 pacientes com MMRR, selecionados em 69 centros em 16 países. O benefício (HR 0,548, IC 95% 0,366-0,822, p = 0,0032) foi observado em uma população de pacientes de difícil tratamento, incluindo idosos e aqueles com alto risco citogenético ou insuficiência renal.

As reações adversas mais frequentes (em ≥20% dos pacientes) no braço de intervenção foram infecção do trato respiratório superior (67% vs. 57%), reações relacionadas à infusão (46% vs. 3,3%), fadiga (42% vs. 32%), hipertensão (37% vs. 32%), diarreia (36% vs. 29%), pneumonia (36% vs. 30%), dispneia (29% vs. 24%), bronquite (24% vs. 13%) e tosse (23% vs. 15%). As reações adversas graves reportadas em mais de 5% dos pacientes tratados com isatuximabe foram pneumonia (25%) e infecções do trato respiratório superior (9%). A descontinuação do tratamento por reações adversas (Grau 1-4) ocorreu em 8% dos pacientes no braço de intervenção.

“Quase 30% dos pacientes tratados com o regime isatuximabe tiveram resposta profunda com níveis indetectáveis de mieloma múltiplo”, disse Philippe Moreau, médico do Departamento de Hematologia do Hospital Universitário de Nantes, França. “Este novo regime terapêutico tem o potencial de se tornar um padrão de tratamento para pacientes com mieloma múltiplo recidivado, que agora têm outra opção de tratamento no início da progressão de sua doença”, acrescentou.

O mieloma múltiplo é a segunda neoplasia hematológica mais comum, com mais de 130 mil novos diagnósticos em todo o mundo anualmente. Na Europa, aproximadamente 39 mil pacientes são diagnosticados com mieloma múltiplo cada ano.


Publicidade
MULHERES NA CIÊNCIA
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519