13062021Dom
AtualizadoQui, 10 Jun 2021 9pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Sarcomas e síndrome de Lynch

giovana tardin torrezan bxGiovana Tardin Torrezan (foto), do AC Camargo Cancer Center, é autora sênior de estudo brasileiro publicado na Cancers com novos dados para compreender a relação entre sarcomas e a síndrome de Lynch (LS). A conclusão dos autores indica que sarcomas representam uma manifestação clínica rara em pacientes com LS, especialmente em portadores de alterações em MSH2, e a análise das características biológicas do tumor pode ser útil para definição da etiologia e de novas opções terapêuticas.

A síndrome de Lynch (LS) é uma síndrome de predisposição hereditária ao câncer causada por mutações da linha germinativa nos genes MLH1, MSH2, MSH6 e PMS2, além de raras deleções no EPCAM que perturbam a expressão de MSH2. A condição está associada principalmente a um risco maior de desenvolver tumores colorretais  (CRC) e endometriais (CE), mas também predispõe a várias neoplasias extracolônicas, como tumores gástricos, uroteliais, de  intestino delgado, ovário, cérebro e hepatobiliares. Dentro do espectro de tumores extracolônicos relacionados a LS, tumores sebáceos e queratoacantomas ocorrem na síndrome de Muir-Torre (MTS), uma variante que compreende 1 a 3% dos casos de LS.

O objetivo deste estudo foi avaliar a ocorrência de sarcomas em uma coorte de pacientes com tumores da LS e através da caracterização clínica e molecular contribuir para elucidar a etiologia desses sarcomas.

Para esta análise os pesquisadores revisaram relatórios clínicos de mais de 6600 pacientes com câncer (incluindo 178 pacientes com LS) e identificaram 24 pacientes com CRC, CE e outros tumores associados a LS com história pessoal ou familiar de sarcomas. Foram realizados testes genéticos da linha germinativa, imuno-histoquímica da proteína de reparo do DNA (MMR), instabilidade de microssatélites (MSI) e outras análises moleculares.

Os resultados permitiram identificar 5 pacientes com LS com história pessoal ou familiar de sarcomas (3 portadores de MSH2 e 2 MLH1), sendo 2 com fenótipos de Muir-Torre. “Para dois portadores de MSH2, confirmamos a etiologia dos sarcomas (um lipossarcoma e dois osteossarcomas) como relacionados a LS, uma vez que os tumores apresentavam deficiência de MSH2 / MSH6, alta MSI e alterações no transcrito de MSH2”, explicam os autores.

Em resumo, os sarcomas representam uma manifestação clínica rara em pacientes com LS, especialmente em portadores de alterações de MSH2, e a análise das características biológicas do tumor pode ser útil para definição da etiologia do tumor e novas opções terapêuticas. 

"Embora o risco de desenvolvimento dos sarcomas em pacientes com LS seja claramente baixo quando comparado aos demais tumores da síndrome, o reconhecimento dessa associação é importante tanto para o aconselhamento genético das famílias com esse diagnóstico quanto para possibilitar o diagnóstico genético de LS em pacientes com sarcomas no qual uma alta MSI ou alterações nos genes MMR são identificados por análises do perfil molecular do tumor", conclui Giovana.

Referência: de Angelis de Carvalho, N.; Niitsuma, B.N.; Kozak, V.N.; Costa, F.D.; de Macedo, M.P.; Kupper, B.E.C.; Silva, M.L.G.; Formiga, M.N.; Volc, S.M.; Aguiar Junior, S.; Palmero, E.I.; Casali-da-Rocha, J.C.; Carraro, D.M.; Torrezan, G.T. Clinical and Molecular Assessment of Patients with Lynch Syndrome and Sarcomas Underpinning the Association with MSH2 Germline Pathogenic Variants. Cancers 2020, 12, 1848.


Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519