24112020Ter
AtualizadoTer, 24 Nov 2020 4pm

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

Alimentos processados e risco de câncer

Alimentos Processados NET OKEstudo que avaliou 104.980 participantes da coorte francesa NutriNet-Santé (2009-17) mostrou associação positiva entre o consumo de alimentos ultraprocessados e risco de câncer. Os dados foram publicados no British Medical Journal.

Um total de 104 980 participantes (22 821 homens (21,7%) e 82 159 mulheres (78,3%) foram incluídos no estudo, com idade média de 42,8 anos. A análise final mostrou que o mais alto grau de ingestão de alimentos ultraprocessados foi na população mais jovem, fumante e com menor escolaridade, menor nível de atividade física e com menos história familiar de câncer. Embora haja maior proporção de mulheres do que homens nesta coorte, a contribuição de alimentos ultraprocessados para a dieta geral foi muito semelhante entre homens e mulheres (18,74% para homens e 18,71% para mulheres, P = 0,7).

A ingestão de alimentos ultraprocessados foi associada a maior risco de câncer global (n = 2228 casos), HR 1,12 (intervalo de confiança de 95%, 1,06 a 1,18); P para tendência <0,001) e aumentou o risco de câncer de mama (n = 739 casos, hazard ratio 1,11 (1,02 a 1,22); P para tendência = 0,02).

Em conclusão, este grande estudo prospectivo mostrou que um aumento de 10% na proporção de alimentos ultraprocessados na dieta foi associado a um aumento significativo de mais de 10% no risco de câncer em geral e câncer de mama.

Os principais grupos de alimentos ultraprocessados foram produtos açucarados (26%) e bebidas (20%), seguidos de alimentos à base de amido e cereais para café da manhã (16%), frutas e legumes ultraprocessados (15%).

Alimentos ultraprocessados geralmente possuem maior teor de gordura total e gordura saturada, adição de açúcar e sal, além de menor densidade de fibras e vitaminas. E os problemas podem estar além da composição nutricional. O processamento dos alimentos pode gerar contaminantes neoformados, alguns com propriedades cancerígenas (como acrilamida, aminas heterocíclicas e hidrocarbonetos aromáticos policíclicos), gerados como resultado do tratamento térmico (reação de Maillard). O artigo do BMJ também alerta que embalagens de alimentos processados podem conter materiais carcinogênicos e endócrinos em contato com o alimento, como é o caso do bisfenol.

“Finalmente, os alimentos ultraprocessados contêm aditivos alimentares autorizados, mas controversos, como nitrito de sódio na carne processada ou dióxido de titânio (TiO2, pigmento alimentar branco), para o qual a carcinogenicidade foi sugerida em modelos animais ou celulares”, apontam os autores.

Mais estudos são necessários para compreender melhor o efeito das várias dimensões do processamento (composição nutricional, aditivos alimentares, materiais de contato e contaminantes neoformados) nessas associações.

O estudo de potenciais efeitos sobre a saúde dos alimentos ultraprocessados é um campo de pesquisa muito recente, facilitado pelo desenvolvimento da classificação NOVA de produtos de acordo com seu grau de processamento de alimentos. Os poucos estudos realizados observaram que a ingestão de alimentos ultraprocessados foi associada a maior incidência de dislipidemia em crianças brasileiras e maiores riscos de sobrepeso, obesidade e hipertensão em uma coorte prospectiva de estudantes universitários espanhóis.

Referências:  Consumption of ultra-processed foods and cancer risk: results from NutriNet-Santé prospective cohort - BMJ 2018;360:k322 - doi: https://doi.org/10.1136/bmj.k322 - (Published 14 February 2018)

 


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519