27052022Sex
AtualizadoQui, 26 Maio 2022 7pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

PACIFIC: Qualidade de vida em pacientes com CPNPC tratados com durvalumab

pulmao 6 OKO estudo PACIFIC foi um dos grandes destaques do programa científico da 18ª conferência mundial de câncer de pulmão (WCLC 2017), realizada de 15 a 18 de outubro em Yokohama, no Japão. O PACIFIC é um estudo randomizado, duplo cego, de Fase III, que desta vez apresentou os resultados de qualidade de vida em pacientes tratados com o anti-PD-L1 durvalumab.

O estudo inscreveu pacientes que receberam ≥2 ciclos de quimioterapia baseada em platina concomitante à radioterapia. Aqueles sem progressão da doença foram randomizados (2: 1) para durvalumab 10 mg/ kg iv q2w ou placebo por até 12 meses.

Os endpoints secundários incluíram avaliação de sintomas, função e estado de saúde global /qualidade de vida (QoL). Os pesquisadores utilizaram o questionário validado pela EORTC (QLQ-C30 v3) e seu módulo de câncer de pulmão (QLQ-LC13). Os pacientes completaram os questionários no baseline e em diversas fases do tratamento, até a progressão da doença. O tempo de deterioração (TTD) e as probabilidades de melhoria foram analisados. As alterações reportadas no baseline foram analisadas usando um modelo misto para medidas repetidas (MMRM).

Resultado

A conclusão dos questionários foi elevada nos dois grupos durvalumab (n = 476) e placebo (n = 237) (> 80% até a semana 48). Não houve diferenças entre os grupos no baseline em relação aos sintomas, função ou estado de saúde global/QoL. A análise de MMRM não mostrou diferenças estatisticamente significativas entre os grupos de tratamento nos sintomas pré-especificados de dispnéia, tosse, dor torácica, fadiga e perda de apetite e para o estado de saúde global / QV e funcionamento físico.

As melhorias clinicamente relevantes foram observadas ao longo do estudo em ambos os grupos para disfagia (alteração média [SD] na semana 48, -14,2 [26,1] e -14,8 [25,3], respectivamente) e alopecia (-22,1 [33,0] e -21.4 [29.5]). Não houve diferenças na TTD mediana entre os grupos, exceto a "outra dor" (9,2 meses com durvalumab vs 5,6 meses com placebo [HR 0,72; IC 95% 0,58, 0,89]). A única diferença nas taxas de melhora entre os grupos foi a perda de apetite (taxa de aumento de 26,1% com durvalumab versus 24,9% com placebo [OR 1,72; IC 95% 1,04, 2,85]). Outros sintomas, função e QoL relacionada à saúde permaneceram estáveis, sem diferenças entre grupos em TTD ou taxas de melhora.

Em conclusão, o tratamento com durvalumab não piorou os sintomas, a função ou a QV relacionada à saúde. A melhoria clinicamente relevante na alopecia e disfagia com durvalumab e placebo foi provavelmente devido à resolução de toxicidadades relacionadas à quimiorradiação prévia.

Referência: PL 02.02 Patient-reported outcomes with durvalumab after chemoradiation in locally advanced, unresectable nsclc: data from PACIFIC - R. Hui , M. Özgüroğlu, D. Daniel, D. Baz, S. Murakami, T. Yokoi, A. Chiappori , K.H. Lee, M. De Wit , B. Chul Cho, J. Gray, A. Rydén, L. Viviers, L. Poole, P. Dennis, S. Antonia


Publicidade
KITE PHARMA
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519