28112020Sáb
AtualizadoSex, 27 Nov 2020 1pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

HIPEC na carcinomatose peritoneal em idosos

felipecoimbra_NET_OK.jpgA cirurgia citorredutora (CRS) com quimioterapia intraperitoneal aquecida (HIPEC) ganhou aceitação no tratamento da carcinomatose peritoneal com morbidade e mortalidade relatada de 27-56% e 0-11%, respectivamente. No entanto, a segurança e o resultado da HIPEC-CRS em idosos permaneciam obscuros. Agora, estudo com acesso aberto publicado no Surgical Oncology traz os resultados da HIPEC-CRS em pacientes acima de 65 anos. O cirurgião oncológico Felipe Coimbra (foto), presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO), comenta o estudo para o Onconews.

Método
 
Entre março de 2007 e julho de 2012, 170 pacientes foram submetidos a CRS-HIPEC para carcinomatose peritoneal. A mitomicina C (88,8%) foi administrada por via intraperitoneal a 42° C por 90 min. Os pacientes foram classificados em dois grupos de acordo com a idade no momento da cirurgia: Grupo 1 (≤65 anos de idade) e Grupo 2 (> 65 anos). As diferenças entre os grupos foram analisadas. Análises univariada e multivariada foram realizadas para identificar variáveis ​​associadas com maior morbidade.
 
Resultados
 
Dos 170 pacientes, 35 tinham mais de 65 anos. Os dois sítios tumorais mais comuns foram colorretal e apêndice. As taxas de morbidade e mortalidade peri-operatórias nos idosos foram de 18,8% e 8,6%, respectivamente. Sexo, tipo do tumor, perda de sangue> 400 mL, transfusão de sangue intra-operatória, tempo operatório> 6 h, anastomose intestinal, PCI intra-operatório> 16 e a extensão da citorredução  não foram associados com maior morbidade no grupo de pacientes mais velhos (p > 0,05).
 
Em um acompanhamento médio de 15,7 meses (0.2-53.5 meses), a taxa de recorrência em 1 ano foi de 48,0% no Grupo 1 e 44,3% no Grupo 2 (p = NS). A sobrevida média para os pacientes do Grupo 1 (n = 81) foi de 29,79 meses e no Grupo 2 (n = 20) foi de 21,2 meses, (p = 0,06, NS).
 
O estudo conclui que procedimentos CRS-HIPEC para carcinomatose peritoneal em idosos demonstram resultados peri-operatórios comparáveis a da população não idosa em pacientes bem selecionados.  A citorredução ótima foi alcançada na maioria dos casos e a sobrevida não foi significativamente diferente entre os grupos. 

Comentários 

Por Felipe Coimbra, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO)
 
A cirurgia citorredutora e a quimioterapia intraperitoneal hipertérmica têm mostrado resultados promissores em diversos tipos de carcinomatose peritoneal ao longo dos últimos anos. Hoje é considerado tratamento efetivo para casos selecionados, sendo o único método capaz de oferecer sobrevida de longo prazo em pacientes antes considerados exclusivamente para tratamento paliativo.
 
Trata-se da combinação de técnica de cirurgia oncológica de alta complexidade, muitas vezes com ressecções multi-viscerais e a aplicação de dose elevada de droga quimioterápica associada à hipertermia diretamente no peritônio, que potencializa o efeito citotóxico da droga utilizada. Portanto, a técnica cirúrgica adequada, a estrutura hospitalar e o alto nível de especialização da equipe em cirurgia oncológica são fundamentais para diminuir as taxas de morbi-mortalidade neste procedimento.
 
Muito tem se avançado na melhoria dos cuidados peri-operatórios e no conhecimento oncológico das diversas indicações hoje realizadas. Entretanto, menor é o conhecimento em relação a utilização desta terapia em pacientes idosos, tópico discutido neste estudo que apresenta a experiência de uma única instituição americana na utilização de CRS e HIPEC, principalmente em tumores de apêndice e colorretais.
 
Os autores demonstram que nos pacientes elegíveis não se observou diferença significativa de complicações e mortalidade, sugerindo que a idade isoladamente não é fator que excludente para a realização do procedimento em pacientes acima de 65 anos.
 
No Brasil, este procedimento foi implantado inicialmente no Hospital AC Camargo pelo Cirurgião Oncológico Ademar Lopes e sua equipe, e hoje é utilizado seletivamente na terapia de diversos tumores além dos já citados anteriormente, como por exemplo: estômago, ovário, primários de peritônio, dentre outros.
 
A Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO) recentemente realizou o primeiro Consenso Brasileiro de Carcinomatose Peritoneal que irá servir como base para a formação das diretrizes mínimas para o tratamento no Brasil.       

Referência: Outcomes for cytoreductive surgery and hyperthermic intraperitoneal chemotherapy in the elderly - Parissa Tabrizian et al - Division of Surgical Oncology, Mount Sinai School of Medicine, New York, NY, USA - Open Access - DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.suronc.2013.06.001
 

 


Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519