14052021Sex
AtualizadoSex, 14 Maio 2021 2am

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Lancet destaca resultados do AETHERA em Linfoma de Hodgkin

moskowitz_craig_horiz.jpgAndreas Engert, coordenador do grupo alemão de estudos em Linfoma de Hodgkin, assina artigo publicado na edição de maio do Lancet (vol. 385, nº 9980), que apresenta os resultados do estudo randomizado de fase III AETHERA, liderado por Craig Moskowitz (foto), do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center. Moskowitz e colegas demonstraram os benefícios do anti CD-30 brentuximab-vedotina em pacientes com Linfoma de Hodgkin refratário ou que progrediram ao tratamento padrão, subgrupo que até então não dispunha de nenhuma outra alternativa terapêutica.

A quimioterapia seguida do transplante autólogo é a terapia padrão para linfoma de Hodgkin e a grande maioria dos pacientes é curada com essa estratégia de tratamento. No entanto, parcela dos doentes progride, mesmo tendo recebido o padrão de cuidados. É nesse subgrupo que o uso do brentuximab-vedotina demonstrou aumento significativo na sobrevida livre de progressão (SLP), firmando-se como terapia standard para um perfil de pacientes que até então não dispunha de nenhuma opção terapêutica.  

Entre abril de 2010 e setembro de 2012, 329 pacientes com linfoma de Hodgkin refratário foram randomizados para receber brentuximab-vedotina (n=165) ou placebo (n= 164). Um comitê independente atestou o benefício de SLP, com 42,9 meses para os pacientes tratados com o anti CD-30 (IC 95% 30,4–42,9), versus 24,1 meses para o braço placebo-controle. O estudo envolveu 78 centros de investigação na Europa e Estados Unidos.

Os resultados finais do AETHERA corroboram achados anteriores e concluem que brentuximab-vedotina melhora significativamente a sobrevida livre de progressão em pacientes com linfoma de Hodgkin em risco de recorrência ou progressão da doença.

Nos ensaios clínicos, o perfil de segurança foi bastante tolerável e entre as reações adversas mais frequentes foram reportadas neuropatia, neutropenia, fadiga, náuseas, anemia, infecção do trato respiratório superior, diarreia, febre, erupção cutânea, trombocitopenia, tosse e vômitos.

O AETHERA é financiado pela Seattle Genetics e pela Takeda Pharmaceuticals International (NCT01100502).
 
Referências: Hodgkin's lymphoma: who needs consolidation treatment? - Andreas Engert

DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(15)60583-9

Brentuximab vedotin as consolidation therapy after autologous stem-cell transplantation in patients with Hodgkin's lymphoma at risk of relapse or progression (AETHERA): a randomised, double-blind,

http://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(15)60165-9/abstract

Leia mais: Inovação em linfoma de Hodgkin não é realidade no SUS

 


Publicidade
MULHERES NA CIÊNCIA
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519