12082022Sex
AtualizadoQui, 11 Ago 2022 5pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

ASCO GU 2022

Neoadjuvância no câncer renal

FABIO SCHUTZ LACOG GU NET OKEstudo de fase II de braço único (NeoAvax) envolveu 40 pacientes com câncer renal de células claras (RCC) não metastático de alto risco (cT1b-4cN0-1M0, graus 3-4) para receber 12 semanas de avelumabe/axitinibe neoadjuvante antes da nefrectomia. O trabalho foi destaque em sessão oral na ASCO GU 2022, em apresentação do Dr. Axel Bex, do Netherlands Cancer Institute. Quem comenta os resultados é o oncologista Fabio Schutz (foto), médico da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Anticorpos direcionados a PD-1/PD-L1 combinados com inibidores do fator de crescimento endotelial vascular (VEGF) são um padrão de tratamento de primeira linha para o câncer renal metastático. O uso neoadjuvante dessas combinações pode levar ao downstaging e reduzir o risco de recorrência. Além disso, a análise da biópsia pré-tratamento e pós cirurgia pode auxiliar na identificação de biomarcadores imunológicos associados à resposta terapêutica.

No estudo NeoAvax, o endpoint primário foi a resposta parcial (PR) avaliada por RECIST 1.1 no tumor primário) em ≥25%. Os endpoints secundários consideraram sobrevida livre de doença (SLD) e sobrevida global (SG), além de dados de segurança. A análise de biomarcadores em tecido foi um endpoint exploratório. A expressão de células PD-L1 (SP263), CD8+, CD8-granzima-B (CD8/GZMB)+, Foxp3+, CD8/CD39+ e MHC-I foi comparada em amostras de biópsia pré-tratamento e no espécime da nefrectomia pós-tratamento de 34 pacientes.

Resultados

Doze pacientes (30%) tiveram resposta parcial do tumor primário a partir de um diâmetro médio de linha de base de 10,3 cm (intervalo 5,6-16,4). O downsizing mediano foi de 20% (0-43,5) e a presença mediana de tumor vital pós-tratamento foi de 50 % (1-100). Em um acompanhamento mediano de 23,5 meses, a recorrência ocorreu em 13 (32%) pacientes em uma mediana de 8 (2-23) meses e 3 morreram da doença. Dos 12 pacientes com resposta parcial do tumor primário, 11 (92%) estão livres de doença. A SLD e SG medianas não foram alcançadas.

Em relação ao perfil de segurança, eventos adversos pós-operatórios ocorreram em 8 pacientes (2 Clavien Dindo grau 3a). Não houve atrasos na cirurgia relacionados ao tratamento e nenhuma progressão do tumor primário. Amostras pós-tratamento revelaram upregulation da expressão de PD-L1 (p <0,0001) e densidades totais de CD8+ (p < 0,01) quando comparadas às biópsias pré-tratamento. Comparando amostras de pacientes com e sem respostas parciais, não foram observadas diferenças claras nos marcadores imunológicos. Amostras pós-tratamento de pacientes que recorreram foram caracterizadas por menores densidades de CD8+ total, intra-epitelial e estromal, CD8+CD39+ intra-epitelial (p<0,05) e CD8+GZMB+ total (p=0,1). As biópsias pré-tratamento não mostraram diferenças claras.

Em conclusão, avelumabe/axitinibe neoadjuvante para câncer renal não metastático de alto risco levou à reposta parcial do tumor primário em 30% da população avaliada. Os pacientes sem recorrência tiveram aumento significativo nas densidades de CD8+ em comparação com aqueles com recorrência, sugerindo expansão de uma resposta imune pré-existente (Abstract # 289).

Schutz ressalta que o estudo NeoAvAx é o primeiro estudo que avaliou de forma prospectiva o tratamento neoadjuvante com uma combinação de inibidor de tirosina kinase (TKI) do VEGFR e um inibidor de checkpoint imunológico anti-PDL1 avelumabe. “Classicamente, os tumores primários renais apresentam respostas limitadas aos tratamentos sistêmicos. Anteriormente, estudos com outros TKI do VEGFR isolados também tem demonstrado respostas objetivas nos tumores primários da ordem de 30%. Portanto, o estudo NeoAvAx não parece ter levado a um aumento significativo desta taxa de resposta”, observa.

Segundo o especialista, o maior benefício científico do trabalho é permitir identificar com maior precisão biomarcadores de resposta através das análises dos biomarcadores pré-tratamento por meio da biópsia do tumor renal e da análise do espécime cirúrgico da nefrectomia radical, podendo trazer informações valiosas em relação à biologia tumoral. “O estudo NeoAvAx demonstrou também que o tratamento neoadjuvante é seguro e não impactou negativamente na realização da nefrectomia radical”, conclui.

Este estudo (Neoavax) está inscrito na plataforma ClinicalTrials.gov: NCT03341845.

Patients and tumour characteristics

n=40

Age, median [range] years

63 [47-74]

Female

Male

12 [30%]

28 [70%]

Baseline cTNM and biopsy grade

T1b

T2a-b

T3a-b

T4

N1

G1-2

G3-4

Gx

1 [2.5%]

3 [7.5%]

30 [75%]

6 [15%]

17 [42.5%]

27 [67.5%]

11 [27.5%]

2 [5%]

Post-treatment pTNM and grade

T1a-b

T2a-b

T3a-b

T4

N1

G1-2

G3-4

Gx

Sarcomatoid

5 [12.5%]

7 [17.5%]

27 [67.5%]

1 [2.5%]

8 [20%]

14 [35%]

21 [52.5%]

5 [12.5%]

2 [5%]

Baseline tumour size, mean [range]

10.3 [5.6-18.8]

 
Referência: Efficacy, safety, and biomarker analysis of neoadjuvant avelumab/axitinib in patients (pts) with localized renal cell carcinoma (RCC) who are at high risk of relapse after nephrectomy (NeoAvAx)
First Author: Axel Bex, MD, PhD
Meeting: 2022 ASCO Genitourinary Cancers Symposium
Session Type: Oral Abstract Session
Session Title: Oral Abstract Session C: Renal Cell Cancer and Rare Tumors
Track: Renal Cell Cancer
Subtrack: Therapeutics
Abstract #: 289
Clinical Trial Registry Number: NCT03341845
Citation: J Clin Oncol 40, 2022 (suppl 6; abstr 289)
DOI: 10.1200/JCO.2022.40.6_suppl.289

Publicidade
Publicidade
KITE PHARMA
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
FARMAUSA
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
300x250 ad onconews200519