06062020Sáb
AtualizadoSex, 05 Jun 2020 9pm

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

Coberturas Especiais

ASH 2019: Experiência institucional enfrenta barreiras de acesso

barreiras SUSEstudo com 182 pacientes tratados para linfoma difuso de grandes células B (LDGCB) em uma rede segura de cancer center revelou que pacientes não caucasianos tiveram resultados de saúde semelhantes aos pacientes caucasianos. As descobertas apresentadas na ASH 2019 contrastam com estudos populacionais anteriores que apontaram disparidades raciais nos resultados do linfoma e sugerem possíveis medidas que os centros terciários podem adotar para ajudar a diminuir as diferenças.

 

O estudo do Levine Cancer Institute não encontrou diferenças significativas entre os grupos raciais em termos de sobrevida global ou sobrevida livre de progressão em dois anos. Grupos raciais também tiveram taxas semelhantes de recidiva, transplante de células-tronco e inscrição em ensaios clínicos. Embora o estudo não indique um motivo específico para a falta de disparidades, os pesquisadores sugerem que pacientes historicamente mal atendidos podem ter se beneficiado de assistência por meio do programa de navegação de pacientes da instituição, usado por 85% dos pacientes no estudo.

"A literatura científica mostra que as minorias raciais tendem a ter piores resultados no linfoma e em várias outras doenças, e buscamos verificar se isso é verdade em nossa instituição", disse o autor do estudo, Nilanjan Ghosh, do Levine Cancer Institute. “Descobrimos que as minorias não apresentam resultados piores para o LDGCB se a doença for administrada de maneira ideal, o que exige que todos os pacientes tenham acesso aos cuidados. Isso mostra que, se você trabalha para enfrentar as barreiras socioeconômicas, pode obter resultados iguais”, afirmou.

O programa de navegação de pacientes do cancer center foi projetado para ajudar os pacientes a enfrentar barreiras logísticas para manter compromissos e garantir o controle do tratamento contra o câncer. Por exemplo, os navegadores podem ajudar pacientes desabrigados a aproveitar o alojamento disponível para pacientes em tratamento ou ajudar a providenciar transporte. Os navegadores também ajudam a coordenar os cuidados entre os prestadores, como médicos de cuidados primários, oncologistas e outros especialistas.

Os pesquisadores analisaram pacientes recém-diagnosticados com LDGCB tratados entre 2016 e 2019. Aproximadamente quatro em cada cinco pacientes se identificaram como caucasianos. Daqueles que se identificam como não caucasianos, cerca de 73% se identificam como afro-americanos e 15% se identificam como hispânicos. Os caucasianos eram significativamente mais propensos a ter seguro de saúde privado e menos propensos a ter seguro do governo ou nenhum seguro em comparação com os não caucasianos. Em média, pacientes caucasianos eram ligeiramente mais velhos que pacientes não caucasianos.

Apesar das diferenças no tipo de seguro de saúde, os pesquisadores descobriram que caucasianos e não caucasianos tinham taxas semelhantes de sobrevida global (74% e 81%, respectivamente) dois anos após o diagnóstico, bem como taxas semelhantes de sobrevida livre de progressão (60% e 63%, respectivamente). Os regimes de tratamento e os resultados para aqueles com LDGCB recorrente ou refratário também foram semelhantes entre os grupos.

Os pesquisadores continuarão a coletar dados e planejam realizar uma análise mais ampla futuramente, incluindo a avaliação do impacto relativo do programa de navegação do paciente.

Referência: #425 Minorities Do Not Have Worse Outcomes for Diffuse Large B-Cell Lymphoma (DLBCL) If Optimally Managed
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
300x250 ad onconews200519