16012022Dom
AtualizadoQui, 13 Jan 2022 6pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

2021

POLARIX: avanço no linfoma difuso de grandes células B

perini 21 bxO conjugado polatuzumabe vedotina em combinação com rituximabe, ciclofosfamida, doxorrubicina e prednisona aumentou a sobrevida livre de progressão em relação ao tratamento padrão para pacientes com linfoma difuso de grandes células B. É o que mostram os resultados do ensaio de Fase 3 POLARIX, destacado como primeiro Late Breaking Abstract da ASH 2021 e publicado simultaneamente na New England Journal of Medicine. Guilherme Perini (foto), hematologista no Hospital Israelita Albert Einstein e coordenador da Hematologia do Grupo Américas, analisa os resultados.

Neste estudo internacional duplo-cego, controlado por placebo, pacientes com Linfoma difuso de grandes células B (DLBCL) sem tratamento prévio, com Índice de Prognóstico Internacional (IPI) de 2–5, foram randomizados 1: 1 para receber seis ciclos de pola-R-CHP (com um placebo de vincristina) ou R-CHOP (com polatuzumab vedotin placebo); todos tratados com dois ciclos adicionais de rituximabe. Os pacientes receberam polatuzumabe vedotina 1,8 mg / kg ou vincristina 1,4 mg / m² administrado no dia 1, mais rituximabe intravenoso 375 mg / m2, ciclofosfamida 750 mg / m², doxorrubicina 50 mg / m² e placebo no dia 1 e prednisona oral 100 mg uma vez ao dia nos dias 1-5. O endpoint primário foi a sobrevida livre de progressão (SLP) avaliada pelo investigador. Endpoints secundários incluíram sobrevida livre de eventos (SLE) avaliada pelo investigador, taxa de resposta completa (CR) avaliada por comitê de revisão independente através de tomografia computadorizada de emissão de pósitrons (PET-CT), sobrevida livre de doença (SLD), sobrevida global (SG) e dados de segurança. 

Resultados

No geral, 879 pacientes foram randomizados para pola-R-CHP (N=440) e para R-CHOP (N=439). A idade mediana foi de 65 anos (variação de 19 a 80), 62% com IPI 3-5 (62,0%).

No corte de dados de 28 de junho de 2021, após acompanhamento mediano de 28,2 meses, a SLP foi superior com pola-R-CHP versus R CHOP (razão de risco [HR] 0,73; intervalo de confiança de 95% [CI]: 0,57–0,95; P <0,02). A taxa de SLP em 2 anos foi de 76,7% (IC 95%: 72,7–80,8) com pola-R-CHP vs 70,2% (IC 95%: 65,8–74,6) com R-CHOP.

Os resultados de sobrevida livre de eventos também favoreceram pola-R-CHP em comparação com R-CHOP (HR 0,75; IC 95%: 0,58-0,96; P = 0,02). A taxa de resposta completa por PET-CT ao final do tratamento não foi significativamente diferente com pola-R-CHP vs R-CHOP (78,0% vs 74,0%; P = 0,16), mas os dados de SLD sugerem que as respostas foram mais duráveis ​​com pola-R-CHP do que com R-CHOP (HR 0,70; IC 95%: 0,50-0,98). Não houve diferença na SG entre os braços de tratamento (HR 0,94; IC 95%: 0,65-1,37; P = 0,75). No momento do corte de dados, 99 (23%) e 133 (30%) pacientes nos braços pola-R-CHP e R-CHOP, respectivamente, haviam recebido pelo menos uma terapia anti-linfoma subsequente. Menos pacientes no pola-R-CHP do que no braço R-CHOP receberam tratamentos anti-linfoma subsequentes (radioterapia, 9,3% vs 13,0%; transplante de células-tronco, 3,9% vs 7,1%; terapia de células T do receptor de antígeno quimérico, 2,0% vs 3,6%).

O perfil de segurança foi comparável para pola-R-CHP vs R-CHOP, incluindo taxas de eventos adversos de grau 3-4 (AEs; 57,7% vs 57,5%), AEs graves (34,0% vs 30,6%), AEs de grau 5 (3,0 % vs 2,3%), e AEs levando à redução da dose (9,2% vs 13,0%), respectivamente. A frequência e a gravidade da neuropatia periférica foram semelhantes para pola-R-CHP vs R-CHOP (qualquer grau, 52,9% vs 53,9%; grau 3-4, 1,6% vs 1,1%).

“A combinação pola-R-CHP demonstrou redução de 27% no risco relativo de progressão da doença, recidiva ou morte em comparação com R-CHOP, com perfil de segurança semelhante no tratamento de primeira linha de pacientes com DLBCL”, destacam os autores. 

Perini observa que se trata de um estudo muito robusto, internacional, inclusive com participação do Brasil, que pela primeira vez demonstra um ganho frente ao R-CHOP num cenário mais amplo. “Do ponto de vista de toxicidade, os dois braços foram semelhantes, inclusive em relação a neuropatia. Porém, a magnitude da resposta não foi tão significativa quanto a esperada, e devido aos custos da medicação, ainda veremos muita discussão se o Pola R-CHP se tornará o novo standard of care”, avalia.

“Na análise de subgrupos, porém, alguns grupos parecem se beneficiar mais e devem ser provavelmente considerados para esta nova terapia, como pacientes com fenótipo ABC, idosos e pacientes com IPI de 3 a 5. Mais ainda, a análise econômica que implica os custos de terapias posteriores pode ajudar nessa decisão”, conclui.

Referência: LBA-1 The POLARIX Study: Polatuzumab Vedotin with Rituximab, Cyclophosphamide, Doxorubicin, and Prednisone (pola-R-CHP) Versus Rituximab, Cyclophosphamide, Doxorubicin, Vincristine and Prednisone (R-CHOP) Therapy in Patients with Previously Untreated Diffuse Large B-Cell Lymphoma - Hervé Tilly et al
Program: General Sessions
Session: Late-Breaking Abstracts Session
Hematology Disease Topics & Pathways:
Clinical Trials, Biological, Lymphomas, Clinical Research, Diseases, Aggressive Lymphoma, Therapies, Immunotherapy, Lymphoid Malignancies
Tuesday, December 14, 2021, 9:00 AM-10:30 AM

 

 

Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
KITE PHARMA
Publicidade
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519