16042021Sex
AtualizadoQui, 15 Abr 2021 7pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

SAN ANTONIO 2020

HER2 low: prevalência e impacto na resposta à quimioterapia neoadjuvante

Tomás Reinert 2020 bxTerapias inovadoras têm mostrado atividade promissora em pacientes com câncer de mama HER2-low e estudo brasileiro liderado pelo oncologista Tomás Reinert (foto) buscou estabelecer a prevalência dos subgrupos HER2-low e HER2-zero e sua correlação com resposta à quimioterapia neoadjuvante (NACT) em pacientes com câncer de mama HER2-negativo.

A atual definição de câncer de mama HER2-positivo segue as diretrizes da ASCO, baseada em técnicas de imunohistoquímica (IHC) e / ou hibridização in situ. No entanto, a expressão de HER2 pode ser variável. “Tumores HER2-negativos podem expressar algum nível de proteína HER2 por IHC (ou seja, 1+ ou 2+ e um resultado ISH negativo) e são identificados como HER2-low. Outros não têm expressão e são considerados HER2-zero”, explicam os autores.

Este estudo avaliou retrospectivamente uma coorte de pacientes com câncer de mama HER2-negativo tratados com quimioterapia neoadjuvante em quatro instituições no Brasil. Protocolos de diagnóstico, tratamento e acompanhamento foram padronizados com base em diretrizes internacionais.

Os tumores com pontuação HER2 IHC 0 foram classificados como HER2-zero, enquanto os tumores com pontuação HER2 1+ e aqueles com pontuação HER2 2+ com FISH-negativo foram classificados como HER2-low. Os pacientes foram tratados com quimioterapia à base de antraciclina e taxano. Foram avaliados os seguintes dados clínico-patológicos, quando disponíveis: idade, ER, Ki67, tamanho do tumor, status linfonodal (LN) e resposta à NACT de acordo com o índice de resposta patológica completa (pCR) e carga residual de câncer (RCB). O objetivo principal foi avaliar a prevalência e comparar as taxas de pCR entre HER2-zero e HER2-low. Objetivos secundários consideraram a mesma comparação dentro dos subgrupos HR-positivo (HR +) e HR-negativo. Foram realizados testes de qui-quadrado de Pearson e um valor de p <0,05 foi considerado estatisticamente significativo. 

Resultados

331 pacientes foram incluídos nesta análise. 63% eram HR + e 37% triplo negativo (TNBC); 50% eram HER2-zero e 50% HER2-low (36% HER2 IHC 1+ e 14% HER2 IHC 2 + / FISH-negativo). A mediana de idade, tamanho inicial do tumor, status do LN e expressão de Ki67 foram semelhantes entre os subgrupos HER2-zero e HER2-low. Em tumores HR +, 42% (86/207) eram HER2-zero e 58% (121/207) eram HER2-low. Na população TNBC, 63% (78/124) eram HER2-zero e 37% (46/124) eram HER2-low (p <0,001). A taxa de pCR foi de 26% (85/331) em toda a coorte.

“Como esperado, houve uma taxa maior de pCR em TNBC vs HR + (50% vs 11%, p <0,001). Encontramos uma diferença estatisticamente significativa nas taxas de pCR ao comparar os subgrupos HER2-zero versus HER2-low (31% vs 20%, p = 0,03). No entanto, essa diferença está principalmente relacionada a um desequilíbrio entre os grupos (os subgrupos HER2-zero tinham uma proporção maior de TNBC). Entre tumores HR +, não houve diferença nas taxas de pCR entre os subgrupos HER2-zero e HER2-low (8% vs 13%, p = 0,35). No TNBC, identificamos uma diferença interessante, mas não estatisticamente significativa em pCR em tumores HER2-zero vs. HER2-low (56% vs. 39%, p = 0,09)”, destacam os pesquisadores. Na coorte TNBC, a análise identificou uma diferença não estatisticamente significativa na recorrência em tumores HER2-zero vs. HER2-low (p = 0,06).

Com acompanhamento médio de 30 meses, os dados de sobrevida livre de progressão (SLP) e sobrevida global (SG) ainda são imaturos.

“A distribuição dos casos HER2-zero e HER2-low é diferente em HR + e TNBC. HER2-low é mais frequente em HR + e HER2-zero em TNBC. Identificamos uma taxa de pCR mais alta em HER2-zero em comparação com tumores HER2-low, embora essa diferença esteja associada a um desequilíbrio entre os dois grupos. Ainda assim, identificamos uma tendência de maior taxa de pCR em HER2-zero em comparação com tumores HER2-low, mesmo dentro do subgrupo TNBC. A identificação de tumores HER2-low e HER2-zero pode ter implicações clínicas que devem ser mais exploradas”, conclui o estudo brasileiro. 

Referência: PS4-22 - Prevalence of HER2-low and HER2-zero subgroups and correlation with response to neoadjuvant chemotherapy (NACT) in patients with HER2- negative breast cancer  - Tomas Reinert et al.
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519