03082020Seg
AtualizadoQui, 30 Jul 2020 6pm

Conheça o Podcast Onconews no Spotfy

ESMO GI 2020

POLO: olaparibe de manutenção em idosos com câncer de pâncreas

Idoso NET OKA segurança e a eficácia de olaparibe (Lynparza®, Astrazeneca) de manutenção em pacientes com câncer de pâncreas metastático com mutação germinativa BRCA1 e/ou BRCA2 é consistente, independentemente da idade. Os dados são da análise de subgrupo do estudo de Fase III POLO apresentada no ESMO GI 2020. 

Os resultados demonstraram ainda que pacientes com mais de 65 anos podem obter benefícios de sobrevida livre de progressão a longo prazo e resposta tumoral duradoura do tratamento de manutenção.

O estudo randomizado, duplo-cego, aberto, de Fase III POLO, avaliou a eficácia do olaparibe como terapia de manutenção em 154 pacientes com câncer de pâncreas metastático com mutação germinativa nos genes BRCA1 / 2 cuja doença não progrediu à primeira linha de quimioterapia à base de platina.

Os pacientes foram randomizados 3: 2 para olaparibe oral a 300 mg duas vezes ao dia como tratamento de manutenção (n = 92) ou placebo, também administrado duas vezes ao dia (n = 62). Os pacientes foram randomizados até 6 semanas após a última dose de quimioterapia, e o tratamento começou entre 4 e 8 semanas após a última dose de quimioterapia.

71% dos pacientes no braço de olaparibe apresentavam status de desempenho de ECOG de 0 contra 61% daqueles no braço de placebo. 5% dos pacientes em olaparibe versus 0% dos pacientes que receberam placebo não tinham evidência de doença na entrada do estudo; 21% versus 30% dos pacientes tinham 65 anos ou mais, respectivamente.

O endpoint primário foi a SLP por meio de revisão central independente e cega, e os desfechos secundários incluíram sobrevida global, tempo entre a randomização e a segunda progressão ou morte, taxa de resposta objetiva, taxa de controle da doença, segurança e tolerabilidade.

Uma análise de subgrupo do estudo mostrou que o tratamento apresentava atividade consistente entre os subgrupos pré-especificados, com HR em pacientes com 65 anos ou mais de 1,02 (95% CI, 0,45-0,60), de acordo com a publicação de 2019 de Golan et al. no The New England Journal of Medicine. Em um esforço para determinar melhor a segurança e eficácia de olaparibe de manutenção especificamente em pacientes com 65 anos ou mais, os investigadores realizaram análises adicionais focadas nas faixas etárias dos pacientes no estudo.

Resultados

Entre os 92 pacientes que receberam olaparibe, 30% (n = 28) tinham 65 anos ou mais; dos 62 pacientes no grupo placebo, 21% estavam nessa faixa etária (n=13). Na faixa etária de 65 anos ou mais, 64% no braço de olaparibe versus 46% no grupo de placebo tinham performance status ECOG 0; daqueles com menos de 65 anos, 73% e 65% nos braços de olaparibe e placebo, respectivamente, tinham esse performance status ECOG 0.

Pacientes com menos de 65 anos tiveram um tempo médio mais longo, do diagnóstico à randomização, em comparação com a população de pacientes mais velhos. O tempo médio para o diagnóstico foi de 6,1 meses versus 6,8 meses naqueles com 65 anos ou mais nos braços de olaparibe e placebo, respectivamente; a população mais jovem teve um tempo médio de diagnóstico de 7,3 meses e 7,1 meses nos braços de olaparibe e placebo, respectivamente. Não foi observada diferença no escore do funcionamento físico do EORTC QLQ-C30 entre as faixas etárias no baseline.

No cut-off de dados (15 de janeiro de 2019), 11% (n = 3/28) dos pacientes com idade superior a 65 anos, em comparação com 11% (n = 7/64) com idade inferior a 65 anos, receberam tratamento com olaparibe por pelo menos 2 anos.

Em 1 ano, 21% dos pacientes com pelo menos 65 anos de idade estavam livres de progressão no braço olaparibe versus 41% no grupo placebo. A mesma taxa de SLP foi mantida em 2 anos a 21% no braço do olaparibe versus 0% no braço do placebo. Em pacientes com menos de 65 anos, 39% dos pacientes no braço olaparibe permaneceram livres de progressão, contra 9% no grupo placebo. Aos 2 anos, as taxas nos braços de olaparibe e placebo nessa faixa etária foram de 23% e 9%, respectivamente.

Resultados adicionais da análise apresentada no ESMO GI 2020 mostraram que 14% dos 28 pacientes do subgrupo de pacientes mais velhos tinham resposta parcial (PR; n = 3) ou resposta completa (CR; n = 1) com olaparibe de manutenção; no grupo placebo, 23% tiveram uma resposta parcial. No subgrupo de pacientes com menos de 65 anos, 22% dos 64 pacientes que receberam olaparibe apresentaram resposta completa em comparação com 6% de 49 pacientes com respostas parciais.

Em relação ao perfil de segurança, 43% dos pacientes com 65 anos ou mais que receberam olaparibe relataram um evento adverso de grau 3 ou superior, em comparação com 33% daqueles que receberam placebo. Na faixa etária menor de 65 anos, 38% versus 21% apresentaram grau ≥3 EA nos braços de olaparibe e placebo, respectivamente. “Os eventos adversos e os perfis de qualidade de vida relacionados à saúde mostraram-se consistentes entre os dois grupos etários”, observaram os autores.

“No geral, a eficácia do olaparibe como terapia de manutenção não foi afetada pela idade. No entanto, os subgrupos analisados ​​neste estudo foram pequenos e as características do baseline não foram determinadas como preditivas da eficácia do agente em pacientes com idade superior a 65 anos”, concluíram.

O estudo foi financiado pela AstraZeneca e Merck Sharp & Dohme Corp.

 

Referência: Abstract S-O3 - Kindler H, Hammel P, Reni M, et al. Maintenance olaparib in patients aged ≥65 years with a germline BRCA mutation and metastatic pancreatic cancer: phase III POLO Trial. ESMO World Congress on Gastrointestinal Cancer 2020 Virtual (1-4 July).

Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
300x250 ad onconews200519