26112020Qui
AtualizadoQui, 26 Nov 2020 3pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

ASTRO 2020

PARCER: novo padrão de RT adjuvante no câncer do colo do útero

cervical 2020 bxA radioterapia de intensidade modulada  guiada por imagem (IG-IMRT) resulta em incidência significativamente menor de toxicidade intestinal tardia de grau ≥ II em pacientes que receberam RT adjuvante ou quimiorradioterapia para câncer cervical, sem diferença na sobrevida livre de doença. Os resultados são de estudo de Fase III apontado entre os destaques do programa científico do ASTRO 2020 e sustentam a IG-IMRT como o novo padrão de radioterapia adjuvante no câncer do colo do útero.

Este estudo (PARCER) inscreveu pacientes entre 18-65 anos com indicação para (quimio) radioterapia (CRT) pélvica adjuvante, que foram randomizados para receber IG-IMRT ou radiação conformada tridimensional (3D-CRT) após estratificação por tipo de histerectomia (de Wertheim ou histerectomia simples) e quimioterapia concomitante ou não. CRT incluiu 50 Gy / 25 frações por 5 semanas, com ou sem cisplatina semanal (40 mg/m2), seguido por 2 frações de braquiterapia de alta taxa de dose de 6 Gy. O endpoint primário foi toxicidade intestinal tardia de grau ≥ II; endpoints secundários incluíram diferença na toxicidade aguda, qualidade de vida relatada pelo paciente e preditores dosimétricos de toxicidade intestinal tardia.

Resultados

Um total de 300 pacientes foram randomizados para IG-IMRT (n = 151) e 3DCRT (n = 149), dos quais 279 pacientes receberam tratamento planejado após a randomização (IG-IMRT = 144, 3DCRT = 135). Pacientes recebendo CTRT [n = 117 (76,5%) em IG-IMRT e 114 (77%) em 3D-CRT] e RT [n = 35 (23,5%) em IG-IMRT e 34 (23%) em 3D-CR] estavam equilibrados entre os braços. Da mesma forma, o tipo de cirurgia foi bem equilibrado entre os dois braços (p = 0,60).

O uso de IG-IMRT foi associado a doses significativamente mais baixas de V30 e V40 da bolsa intestinal (p <0,0001). Em um acompanhamento médio de 49 (2-108) meses, 82 eventos de toxicidade intestinal tardia foram observados. A toxicidade intestinal tardia de grau ≥ II em 4 anos nos braços IG-IMRT e 3D-CRT foi de 19,2% e 36,2% (HR = 0,53; IC 95%: 0,33-0,83 p = 0,005), respectivamente, enquanto a toxicidade intestinal  tardia grau ≥ III nos braços IG-IMRT e 3D-CRT foi de 2,0% e 8,7%, respectivamente (HR = 0,23; IC 95%: 0,06-0,81 p <0,01). A proporção de pacientes com diarreia aguda de Grau ≥ II nos braços IG-IMRT e 3D-CRT foi de 17,2% e 27,2% (p = 0,004).

Na análise de subgrupos, houve interação significativa (p = 0,01) entre a intervenção e o tipo de tratamento, com maior impacto nos pacientes que receberam CRT em comparação com aqueles que receberam apenas RT, enquanto não foi observada interação significativa com o tipo de cirurgia. Não houve diferença na sobrevida livre de doença (73% vs 68%, p = 0,30) entre o braço IG-IMRT e 3DCRT.

“A IG-IMRT resulta em incidência significativamente menor de toxicidade intestinal de grau ≥ II em pacientes que receberam RT adjuvante ou CTRT para câncer cervical, sem diferença na sobrevida livre de doença”, concluem os autores, indicando que IG-IMRT deve ser considerado como o novo padrão de cuidado para radiação pélvica pós-operatória nessa população de pacientes. 

Referência: Abstract 2 - Phase III randomized trial of postoperative adjuvant conventional radiation (3DCRT) versus image guided intensity modulated radiotherapy (IG-IMRT) in cervical cancer (PARCER): Final Analysis

 



Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner_janssen2016_300x250_v2.jpg
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519