27092021Seg
AtualizadoSex, 24 Set 2021 3pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Cardiotoxicidade

PRONOUNCE: segurança cardiovascular de degarelix versus leuprolida em pacientes com câncer de próstata

renato lopes bxPrimeiro ensaio clínico internacional randomizado a comparar prospectivamente a segurança cardiovascular de um antagonista do GnRH e um agonista do GnRH em pacientes com câncer de próstata, o PRONOUNCE teve seus resultados apresentados no Congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC 2021). O cardiologista brasileiro Renato Lopes (foto), professor na Duke University Medical Center, é o primeiro autor do trabalho.

A segurança cardiovascular relativa dos antagonistas do hormônio liberador de gonadotropina (GnRH) em comparação com os agonistas do GnRH em homens com câncer de próstata e doença cardiovascular aterosclerótica conhecida (ASCVD) permanece controversa.

Neste estudo internacional, multicêntrico, prospectivo, randomizado e aberto, homens com câncer de próstata e ASCVD concomitante foram randomizados 1: 1 para receber o antagonista de GnRH degarrelix ou o agonista de GnRH leuprolida por 12 meses. O desfecho primário foi o tempo para o primeiro evento adverso cardiovascular principal (MACE) - morte, infarto do miocárdio ou acidente vascular cerebral - ao longo de 12 meses. Devido à inscrição mais lenta e menos eventos de resultados primário projetados, o recrutamento foi interrompido antes dos 900 participantes planejados.

Resultados

Entre 03 de maio de 2016 e 16 de abril de 2020, foram randomizados 545 pacientes de 113 locais em 12 países. As características do baseline foram equilibradas entre os grupos de estudo. A mediana de idade foi de 73 anos, 49,8% tinham câncer de próstata localizado; 26,3% tinham doença localmente avançada e 20,4% doença metastática. MACE ocorreram em 15 (5,5%) pacientes atribuídos a degarrelix e 11 (4,1%) atribuídos a leuprolida (HR 1,28, 95% CI 0,59-2,79; p = 0,53).

Em relação aos endpoints secundários, 2,9% dos pacientes que receberam degarrelix morreram por qualquer causa em comparação com 3,3% dos participantes tratados com leuprolida; as taxas de infarto do miocárdio foram de 1,8% com degarrelix vs. 1,1% com leuprolida; e AVC em 1,1% dos pacientes com degarrelix vs. 1,1% com leuprolida.

“Não foi observada nenhuma diferença no primeiro evento adverso cardiovascular principal em 1 ano entre os pacientes designados para degarrelix ou leuprolida. A segurança cardiovascular relativa dos antagonistas e agonistas do GnRH permanece incerta”, concluíram os autores.

O estudo está registrado em ClinicalTrials.Gov, NCT02663908.

Referência: Cardiovascular Safety of Degarelix versus Leuprolide in Patients with Prostate Cancer: The Primary Results of the PRONOUNCE Randomized TrialRenato D. Lopes, Celestia S. HiganoSusan F. SlovinAdam J. NelsonRobert BigelowPer S. SørensenChiara MelloniShaun G. GoodmanChristopher P. EvansJan NilssonDeepak L. BhattNoel W. ClarkeTine K. OlesenBelinda T. Doyle-OlsenHenriette KristensenLauren ArneyMatthew T. Roe, and John H. Alexander - Originally published 30 Aug 2021  - https://doi.org/10.1161/CIRCULATIONAHA.121.056810 Circulation.

 

 
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519