27052022Sex
AtualizadoQui, 26 Maio 2022 7pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

As recomendações de St. Gallen no câncer de mama inicial

Gustavo_Werutzky_NET_OK.jpgGustavo Werutsky (foto), do Latin American Cooperative Oncology Group (LACOG) e do Hospital São Lucas PUCRS, em Porto Alegre, destaca os principais aspectos do consenso de experts de St. Gallen sobre o tratamento do câncer de mama inicial. O refinamento da classificação de subtipos de câncer de mama, o risco de recaída e a predição da resposta ao tratamento multidisciplinar para o câncer de mama inicial foram os principais temas da 14ª Conferência Internacional de Câncer de Mama de St. Gallen 2015.

Gustavo_Werutzky_NET_OK.jpgGustavo Werutsky (foto), do Latin American Cooperative Oncology Group (LACOG) e do Hospital São Lucas PUCRS, em Porto Alegre, destaca os principais aspectos do consenso de experts de St. Gallen sobre o tratamento do câncer de mama inicial. O refinamento da classificação de subtipos de câncer de mama, o risco de recaída e a predição da resposta ao tratamento multidisciplinar para o câncer de mama inicial foram os principais temas da 14ª Conferência Internacional de Câncer de Mama de St. Gallen 2015.

O evento em Viena reuniu cerca de 4 mil participantes de 134 países. No último dia, um painel formado por aproximadamente 50 de líderes de opinião do mundo votou nas diversas questões sobre o tratamento atual do câncer de mama inicial.
 
Das mais de 200 questões respondidas pelo painel de revisores, os principais pontos de consenso quanto às recomendações de tratamento são os seguintes:

Cirurgia - considerou-se adequadas margens do tumor definidas como "sem tinta” no tumor invasivo ou carcinoma ductal in situ. Omitir o esvaziamento axilar em pacientes com uma ou duas macrometástases é seguro conforme os estudos ACOSOG Z011 e AMAROS.
 
Baseado em estudos recentes (NCIC-CTG MA.20 e EORTC 22922-10925), a irradiação de linfonodos regionais na doença com linfonodo-positivo deve ser considerada e já demonstrou melhor controle da doença e sobrevida global. Também o regime de radioterapia hipofracionada foi considerado apropriado independente da idade para pacientes sem tratatamento quimioterapico ou envolvimento linfonodal (estudos START e Ontario, Canadá). 
 
O painel considera os seguintes testes moleculares: Oncotype DX, MammaPrint, PAM-50 ROR, EndoPredict e BreastCancer Index úteis prognosticos para os primeiros 5 anos. PAM-50 ROR foi considerado claramente prognóstico além dos 5 anos pela maioria dos experts do Painel. Apenas o Oncotype DX foi considerado de valor em predizer o benefício da quimioterapia adjuvante.
 
Quanto à classificação de subtipos de câncer de mama, a principal mudança foi em relação ao cut-off do Ki67 entre 20-30% para diferenciar doença “luminal B-like” baseados nos valores de laboratorio local. Talvez este seja o ponto mais controverso da nova classificação de subtipos tumorais proposta por St. Gallen.
 
Para as pacientes pré-menopáusicas com doença endócrino responsiva, o Painel endossou o papel da supressão da função ovariana com tamoxifeno ou inibidor da aromatase para pacientes de alto risco conforme resultados dos estudos SOFT e TEXT. O Painel observou o valor de um agonista LHRH administrado durante a quimioterapia adjuvante para preservação da função ovariana e fertilidade em pacientes na pré-menopausa com câncer de mama receptor hormonal negativo (estudo POEMS). Além disso, endossou que a terapia adjuvante endócrina por 10 anos deve ser considerada em pacientes com câncer de mama receptor hormonal positivo de alto risco.
 
Por fim, os autores consideram que a maioria das mortes por câncer de mama ocorre em países subdesenvolvidos nos quais testes laboratoriais e tratamentos caros são inacessíveis para as pacientes. Dessa forma, o desenvolvimento de tratamentos efetivos menos caros é uma prioridade.
 
Autor: Gustavo Werutsky é Professor Assistente do Serviço de Oncologia Clínica do Hospital São Lucas da PUCRS; Diretor Científico do Latin American Cooperative Oncology Group (LACOG); e Membro da Comissão Científica do Grupo Brasileiro de Estudos do Câncer de Mama (GBECAM).

Referências: 

1. A. S. Coates, et al. Tailoring therapies-improving the management of early breast cancer: St Gallen International Expert Consensus on the Primary Therapy of Early Breast Cancer 2015.Ann Oncol. 2015 Aug;26(8):1533-46

2. Esposito A, et al. Highlights from the 14(th) St Gallen International Breast Cancer Conference 2015 in Vienna: Dealing with classification, prognostication, and prediction refinement to personalize the treatment of patients with early breast cancer.Ecancermedicalscience. 2015 Mar 31;9:518
 
 


Publicidade
KITE PHARMA
Publicidade
NOVARTIS
Publicidade
https://xperienceforumoncologia21.com.br/
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner libbs2019 300x250

Estudos Clínicos

Estudo de mundo real deve retratar o cenário do câncer de mama RH+ HER2- no Brasil

Estudo de mundo real deve retratar o cenário do câncer de mama RH+ HER2- no Brasil

Latin American Cooperative Oncology Group (LACOG) espera incluir 300 participantes em um estudo observacional que pretende levantar dados de mundo real (real world data) no tratamento de primeira linha do câncer de mama metastático receptor hormonal positivo, HER 2 negativo. Este estudo foi um dos selecionados para suporte pelo Programa BRAVE com apoio da Novartis Brasil.

Leia Mais

Publicidade
300x250 ad onconews200519