13122017Qua
AtualizadoTer, 12 Dez 2017 1am

PUBLICIDADE
Merck

Coberturas Especiais

Destaques de San Antonio 2017

Debiasi sanantonio2017 Still bxO oncologista Marcio Debiasi (foto), diretor científico do LACOG/GBECAM, preceptor do serviço de oncologia clínica do Hospital São Lucas da PUCRS e médico do Hospital do Câncer Mãe de Deus, em Porto Alegre, comenta em vídeo alguns dos estudos que foram destaque no San Antonio Breast Cancer Symposium 2017, realizado em dezembro, no Texas, EUA. Assista.


Biópsia líquida na avaliação de risco de recorrência

Biopsia Liquida NET OKAs células tumorais circulantes (CTC) cinco anos após o diagnóstico são prognósticas para a recorrência tardia do câncer de mama HER2 negativo, ressecável, estádio II-III. É o que mostra estudo apresentado em San Antonio, indicando que um teste de CTC positivo pode representar um novo paradigma na avaliação de risco.

SOLD: duração ideal da adjuvância no câncer de mama HER2

Joensuu Heikki NET OKO estudo SOLD avaliou 2.176 mulheres com câncer de mama HER2+ e apresentou na conferência de San Antonio os resultados de eficácia e segurança comparando o uso de trastuzumabe pelo padrão de 12 meses após a quimioterapia versus o uso por 9 semanas após a quimioterapia. Não houve diferença substancial de sobrevida global e sobrevida livre de doença entre os dois braços avaliados, mas o estudo não alcançou o poder estatístico planejado. Os dados foram apresentados por Heikki Joensuu (foto), professor do Departmento de Oncologia na Universidade de Helsinque, Finlândia.

Meta-análise discute intensidade da dose na quimioterapia adjuvante

Mama News 1 NET OKMeta-análise do Early Breast Cancer Trialist's Collaborative Group, que avaliou 21 mil mulheres em 16 estudos randomizados, mostrou que aumentar a densidade da dose de quimioterapia adjuvante, com intervalos menores de administração ou administração sequencial, reduz a mortalidade e recorrência da doença. Os resultados estão entre os destaques do programa científico do San Antonio Breast Cancer Symposium 2017 e reforçam evidências sobre riscos e benefícios da quimioterapia dose-densa na adjuvância do câncer de mama de alto risco.

NSABP B-47 apresenta dados em San Antonio

Mama RaioX IlustraO programa científico da conferência de San Antonio destacou o estudo randomizado de fase III (NSABP-B47) que avaliou o uso de trastuzumabe adjuvante em mulheres com câncer de mama em risco de recorrência, mas com fraca expressão de HER2 (IHC 1+ ou 2+ com FISH negativo). O estudo é do NRG Oncology e falhou ao não demonstrar benefício de sobrevida livre de doença invasiva nessa população de pacientes.

EMBRACA mostra resultados de eficácia e segurança

Litton Jennifer NET OKO inibidor de PARP talazoparib mostrou resultados de eficácia e segurança em pacientes com câncer de mama avançado HER2 - e mutação germinal BRCA. Os dados do estudo EMBRACA foram apresentados por Jennifer Litton (foto), do MD Anderson, na conferência de San Antonio, e mostram que o agente experimental teve benefício clínico em todos os subgrupos avaliados e prolongou significativamente a sobrevida livre de progressão.

Brasileiros participam da conferência de San Antonio

jose bines 400x225pxMédicos e pesquisadores brasileiros de diferentes instituições integram o programa científico do San Antonio Breast Cancer Symposium (SABCS), que acontece de 5 a 9 de dezembro em San Antonio, no Texas, com cerca de 7.500 inscritos, de mais de 90 países. José Bines (foto), do INCA, é o primeiro autor de estudo multicêntrico internacional1 que discute a incidência e manejo da diarreia no tratamento adjuvante com pertuzumabe e trastuzumabe no câncer de mama HER2.

ABCSG-16 discute estender terapia endócrina adjuvante

MAMA bxEvidências mostram benefícios de prolongar a terapia adjuvante com inibidores de aromatase (IA) após o tratamento inicial com tamoxifeno em pacientes pós-menopáusicas com câncer de mama receptor hormonal positivo. No entanto, a duração ótima da terapia estendida com IA é desconhecida, assim como não está claro se os pacientes tratados com IA nos primeiros 5 anos se beneficiam de terapia adjuvante prolongada, como acontece com pacientes após tamoxifeno. O estudo ABCSG-16, apresentado em San Antonio, buscou respostas a essas questões.


Publicidade
AD_Pfizer_2017_ 300x250px.jpg
Publicidade
banner Sanofi 2017 300x250
Publicidade
banner logo astellas 300x250