20042021Ter
AtualizadoSeg, 19 Abr 2021 9pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Gastrointestinal

  • FDA aprova novo regime de dose de cetuximabe

    approved NET OKA agência norte-americana Food and Drug Administration (FDA) aprovou um novo regime de dose de 500 mg/m2 IV de 120 minutos a cada duas semanas (Q2W) de cetuximabe (Erbitux®) para pacientes com câncer colorretal (CCR) ou carcinoma de células escamosas de cabeça e pescoço (CCECP) KRAS-selvagem que expressam EGFR.

  • Imunoterapia adjuvante no câncer de esôfago ou junção gastroesofágica ressecado

    Esofago NET OK 2O Fase III CheckMate-577 é o primeiro estudo a demonstrar a eficácia de um inibidor de checkpoint no tratamento adjuvante em pacientes com câncer de esôfago e junção gastroesofágica ressecado que receberam quimiorradioterapia neoadjuvante. Os resultados foram publicados na New England Journal of Medicine (NEJM).

  • CTCs como fator prognóstico no câncer colorretal metastático

    Virgilio ASCOGI NET OKO oncologista Virgílio Souza (foto), médico do A.C.Camargo Cancer Center, é o primeiro autor de estudo prospectivo que avaliou as células tumorais circulantes (CTCs) como potencial marcador prognóstico no câncer colorretal metastático (CCRm). O trabalho foi publicado no periódico Diagnostics, como parte da edição especial ‘A Novel Class of Biomarkers: Novelties and Criticisms about Liquid Biopsy in Solid Tumors’. A pesquisadora Ludmilla Domingos Chinen é a orientadora do trabalho.

  • FDA aprova pembrolizumabe para câncer de esôfago ou GEJ

    aprovado 2019 net okA agência norte-americana Food and Drug Administration (FDA) aprovou o uso de pembrolizumabe (Keytruda®, MSD) em combinação com platina e quimioterapia à base de fluoropirimidina para pacientes com câncer de esôfago metastático ou localmente avançado ou tumores de junção gastroesofágico (GEJ) em pacientes que não são candidatos a ressecção cirúrgica ou quimiorradioterapia.

  • Eficácia da triagem por FIT nos resultados do câncer colorretal

    denise guimaraes 2020A triagem bienal por teste imunoquímico fecal (FIT) foi associada a 34% menos casos de câncer colorretal avançado e 40% menos mortes relacionadas à doença. Os resultados de estudo de coorte prospectivo realizado em Taiwan com mais de 3 milhões de indivíduos foram publicados no periódico Gut, do British Medical Journal. Denise Guimarães (foto), endoscopista, pesquisadora e coordenadora do programa de rastreamento do câncer colorretal do Hospital de Câncer de Barretos, comenta os resultados.

  • GTG realiza consenso para o manejo do câncer esofágico

    GTG VERTICAL NET OKO Grupo Brasileiro de Tumores Gastrointestinais (GTG) desenvolveu um consenso brasileiro para o manejo dos carcinomas do esôfago e da junção esofagogástrica (JEG), com recomendações em diferentes cenários e ambientes clínicos. O trabalho foi publicado no periódico e-cancer, em artigo1 que tem o oncologista Duilio Rocha Filho como primeiro autor.

  • Papel da dieta na incidência de câncer colorretal

    Bruna Moraes Nutricao NET OKRevisão Guarda-Chuva de meta-análises de estudos observacionais prospectivos publicada no JAMA Network Open classificou as evidências da associação de padrões dietéticos, alimentos específicos, grupos de alimentos, bebidas (incluindo álcool), macronutrientes e micronutrientes com a incidência de câncer colorretal. Bruna Moraes (foto), nutricionista clínica do Instituto Central do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), analisa os resultados.

  • Terapia neoadjuvante total no câncer retal localmente avançado

    cancer reto“O estudo RAPIDO estabelece a terapia neoadjuvante total como nova opção de tratamento padrão para câncer retal localmente avançado. O estudo também endossa o uso de um curso mais curto de radioterapia. A maior taxa de resposta patológica completa apoia a estratégia neoadjuvante total em pacientes considerados para tratamento não operatório se a resposta clínica completa for alcançada”. A análise foi publicada na NEJM Journal Watch, que discutiu os resultados de Bahadoer, RR et al. publicados 7 de janeiro no Lancet Oncology.

  • PRODIGE 7: resultados finais não mostram benefício da HIPEC

    felipe coimbra 2020 bxArtigo de Quenèt F et al. publicado online 18 de janeiro no Lancet Oncology reporta resultados finais do ensaio de Fase III (PRODIGE 7) mostrando que a adição de quimioterapia intraperitoneal hipertérmica (HIPEC) à cirurgia citorredutora não mostrou benefício de sobrevida global e ainda aumentou as complicações pós-operatórias em pacientes com metástase peritoneal do câncer colorretal. “A partir de agora, este é um estudo de referência no tratamento dos pacientes com tumores colorretais avançados”, destaca o cirurgião oncológico Felipe Coimbra (foto), diretor do Departamento de Cirurgia Abdominal do AC Camargo Cancer Center.

  • POLO trial apresenta resultados de sobrevida global

    alexandre jacome 2020 bxEnsaio de Fase III (POLO) que avaliou a eficácia e segurança de olaparibe de manutenção nos pacientes com câncer de pâncreas metastático que apresentam mutações germinativas de BRCA1/2 e que não haviam falhado ao regime FOLFIRINOX em 1ª linha apresentou resultados de sobrevida global. Confira a análise do oncologista Alexandre Jacome.

  • Impacto da robótica na cirurgia hepática

    raphael araujo bxO cirurgião oncológico Raphael Araújo (foto), docente na Escola Paulista de Medicina (EPM-Unifesp), é coautor de revisão sistemática mundial e meta-análise que buscou demonstrar o status atual da cirurgia robótica do fígado (do inglês, robotic liver surgery - RLS) e identificar seus resultados em curto prazo. O trabalho foi publicado no Journal of Hepato-Biliary-Pancreatic Sciences.

  • NACRE: radioterapia versus radioquimioterapia no idoso com câncer retal

    Robson Ferrigno NET OK 2A terapia neoadjuvante seguida por cirurgia mesorretal é o padrão de tratamento para o carcinoma retal localmente avançado, mas controvérsias ainda cercam o tratamento do paciente idoso. O estudo NACRE investigou o papel da radioterapia de curta duração com cirurgia retardada nesta população e foi um dos destaques da General Session do ASCO GI 2021. O médico especialista em radioterapia Robson Ferrigno (foto), coordenador dos serviços de radioterapia do Hospital BP Paulista, analisa os resultados.

  • FIGHT: Bemarituzumab + mFOLFOX6 no câncer gástrico

    tiago castria semana baixaDestacado em sessão oral no ASCO GI 2021, o estudo FIGHT demonstrou que a adição de bemarituzumab ao FOLFOX modificado (mFOLFOX) melhorou significativamente a sobrevida e as taxas de resposta para pacientes com câncer gástrico avançado. Tiago Biachi de Castria (foto), oncologista do ICESP e do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, comenta os resultados.

  • S-1 mais docetaxel adjuvante no câncer gástrico estágio III

    cancer gastrico 21 bxUma análise pré-planejada do estudo JACCRO GC-07 avaliou a sobrevida livre de recidiva em 3 anos de pacientes com câncer gástrico estágio III tratados com S-1 e docetaxel submetidos à gastrectomia D2 sem quimioterapia neoadjuvante. Os resultados selecionados para apresentação oral no ASCO GI 2021 confirmam a eficácia da combinação.

  • Terapias eletromagnéticas no carcinoma hepatocelular

    frederico costa 21 bxO oncologista Frederico Costa (foto), do Hospital Sírio Libanês em São Paulo, é autor sênior de dois estudos selecionados para o programa científico do ASCO GI 2021, com dados da experiência institucional com terapias eletromagnéticas (EMF, da sigla em inglês) em monoterapia ou combinadas ao padrão de tratamento de pacientes com carcinoma hepatocelular avançado. As oncologistas Micelange Carvalho Sousa e Yone de Camargo Setogute são as primeiras autoras dos trabalhos.

  • mFOLFIRINOX neoadjuvante no adenocarcinoma de pâncreas borderline-ressecável

    pancreas 19 bxMatthew H. G. Katz, do MD Anderson Cancer Center, é primeiro autor de estudo que integra a sessão oral do ASCO GI 2021 com novos dados do  tratamento neoadjuvante com mFOLFIRINOX com ou sem RT hipofracionada em pacientes com adenocarcinoma ductal pancreático borderline-ressecável (Alliance A021501).

  • Cabozantinibe e nivolumabe como tratamento neoadjuvante no CHC borderline

    hepatocelular 2021 bxNovas combinações de terapias-alvo e imunoterapias demonstraram taxas de resposta superiores a sorafenibe no carcinoma hepatocelular (CHC). Estudo de fase I que avalia a viabilidade e eficácia da combinação de cabozantinibe mais nivolumabe como terapia neoadjuvante em pacientes com CHC borderline ou localmente avançado mostrou resultados na Poster Highlight Session do ASCO GI 2021.

  • Biópsia líquida e risco de recorrência no câncer colorretal

    Biopsia Liquida NET OKA detecção oportuna da recorrência e a identificação de pacientes de alto risco após a cirurgia e a conclusão da terapia adjuvante são desafios importantes no tratamento do câncer colorretal. É nesse contexto que a análise do DNA tumoral circulante (ctDNA) se projeta como ferramenta promissora para identificar pacientes com doença residual mínima (MRD) e alto risco de recorrência, como destaca estudo selecionado no programa científico do ASCO GI 2021.

  • FDA aprova trastuzumab deruxtecan no câncer gástrico HER2 positivo

    approved NET OKA agência norte-americana Food and Drug Administration aprovou o uso de trastuzumab deruxtecan (Enhertu®) para tratar adultos com câncer gástrico ou gastroesofágico HER2- positivo localmente avançado ou metastático previamente tratados com um regime à base de trastuzumab. A decisão foi baseada em dados do estudo multicêntrico DESTINY-Gastric01.

  • Neoadjuvância no câncer de esôfago, complicações e fatores de risco perioperatório

    Esofago NET OK 2Destacado em sessão oral no ASCO GI 2021, o ensaio multicêntrico de fase III JCOG 1109 mostrou resultados do impacto da terapia pré-operatória no câncer de esôfago localmente avançado, em apresentação de Kazuo Koyanagi, da Universidade de Tokai, Japão.

Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519