15062021Ter
AtualizadoSex, 11 Jun 2021 12pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Simpósio ESMO de imunoterapia no tratamento do câncer

Immuno_Oncology_2014_banner_NET_OK.jpgA imunoterapia está revolucionando o tratamento do câncer. Esta é a conclusão do presidente da Sociedade Europeia de Oncologia (ESMO), Rolf A. Stahel, durante a abertura do "Simpósio ESMO de Imuno-oncologia - Avanços na imunoterapia do câncer: de vacinas a anticorpos e terapias celulares".

O Simpósio reuniu mais de 400 participantes em Genebra, Suíça, nos dias 21 e 22 de novembro. "Esperamos que as novas possibilidades de imunoterapia mudem substancialmente o tratamento do câncer”, afirmou Stahel.

O evento abordou todos os tópicos de imunoterapia que estão prestes a entrar em prática clínica ou já são praticados em alguns dos principais centros do mundo. Entre os temas apresentados por especialistas europeus estiveram o bloqueio de checkpoint, terapias com células T e desenvolvimento de vacinas.

Uma das novidades apresentadas foi que o bloqueio de checkpoint funciona não apenas em tumores considerados sensíveis à imunoterapia, caso do melanoma ou câncer de células renais, mas também é eficaz em pacientes que não responderam anteriormente à imunoterapia, incluindo câncer de pulmão, tumores gastrointestinais e tumores do trato geniturinário. “Os médicos oncologistas têm mais uma ferramenta para o tratamento de pacientes, e este encontro ajuda a aumentar sua compreensão sobre o potencial desta terapia e seu significado para a prática clínica no futuro", afirmou George Coukos, co-presidente científico do Simpósio e diretor do Departamento de Oncologia do University Hospital of Lausanne (CHUV) e do Ludwig Cancer Research Centre, Lausanne, Suíça.
 
Terapias e engenharia de células T foram exploradas, com respostas em doenças hematológicas, linfoma e leucemia, e também em tumores sólidos, como o melanoma e sarcoma. A investigação segue em curso para doenças como câncer de próstata e câncer de mama.
 
O desenvolvimento de vacinas e antígenos de câncer também foram destaque, com os maiores especialistas na área discutindo quais antígenos devem ser observados e se devem ser antígenos mutados. "Estamos vendo respostas e histórias de sucesso em diversas áreas da oncologia. Não há dúvidas na comunidade da oncologia que a imunoterapia veio para ficar, e continuará a ter um impacto significativo à medida que otimizarmos a tecnologia e a ciência médica por trás disso", concluiu Coukos.
 
Os abstracts podem ser conferidos em http://www.esmo.org/Conferences/Immuno-Oncology-2014/Abstracts

Leia mais:
Inibidores de checkpoint imunológico em câncer do cérebro 
Vacinas personalizadas


Publicidade
NEXT FRONTIERS 2021
Publicidade
MERCK
Publicidade
SANOFI
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
300x250 ad onconews200519