18042024Qui
AtualizadoQua, 17 Abr 2024 9pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

 

DESTINY-Lung01: trastuzumabe deruxtecana no CPCNP metastático com superexpressão de HER2

pulmaoNo estudo DESTINY-Lung01, análise primária das coortes de pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas com superexpressão de HER2 mostrou atividade promissora do conjugado de anticorpo-medicamento (ADC) trastuzumabe deruxtecana (Enhertu®, Daiichi Sankyo, AstraZeneca) nessa população de pacientes. É o que relatam Jänne, Smit e colegas em artigo publicado na edição de abril do Lancet Oncology.

DESTINY-Lung01 é um estudo multicêntrico, aberto, de Fase 2 que avalia a atividade antitumoral e a segurança de trastuzumabe deruxtecana em pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas (CPCNP) irressecável ou metastático com superexpressão ou mutação de HER2 (ERBB2). Os resultados dos pacientes com mutação HER2 (coorte 2) foram relatados previamente. Agora, foram publicados os resultados da análise primária das coortes 1 e 1A do estudo, que avaliou a atividade e segurança de trastuzumabe deruxtecana 5,4 mg/kg e 6,4 mg/kg em pacientes com CPNPC e superexpressão de HER2.

Pacientes com 18 anos ou mais com CPNPC não escamoso irressecável ou metastático (ou ambos) que recidivaram após ou foram refratários ao tratamento padrão, ou para os quais nenhum tratamento padrão estava disponível, com um escore imunohistoquímico HER2 de 3+ ou 2+ (sem mutações HER2 conhecidas) e um performance status ECOG de 0 ou 1, foram recrutados em 20 hospitais especializados na França, Japão, Holanda, Espanha e EUA.

Os pacientes foram randomizados em coortes sequencialmente, primeiro para a coorte 1, para receber trastuzumabe deruxtecana 6,4 mg/kg (coorte 1), depois para a coorte 1A, para receber trastuzumabe deruxtecana 5,4 mg/kg, ambos administrados por via intravenosa uma vez a cada 3 semanas.

O endpoint primário foi a taxa de resposta objetiva confirmada por revisão central independente e foi avaliada no conjunto de análise completo, que incluiu todos os pacientes do estudo. A segurança foi avaliada em todos os pacientes inscritos que receberam pelo menos uma dose de trastuzumabe deruxtecana.

Resultados

Entre 27 de agosto de 2018 e 28 de janeiro de 2020, 49 pacientes foram incluídos na coorte 1 (idade média 63,0 anos [IQR 58,0–68,0], 30 [61%] homens, 19 [39%] mulheres e 31 [63%] brancos), e entre 16 de junho e 9 de dezembro de 2020, 41 pacientes foram incluídos na coorte 1A (idade média 62,0 anos [IQR 56,0–66,0], 22 [54%] homens, 19 [46%] mulheres e 31 [76%] brancos).

No cutoff de dados (3 de dezembro de 2021), a mediana de duração do tratamento foi de 4,1 meses (IQR 1,4–7,1) na coorte 1 e 5,5 meses (1,4–8,7) na coorte 1ª; a mediana de acompanhamento foi de 12,0 meses (5,4–22,4) na coorte 1 e 10,6 meses (4,5–13,5) na coorte 1A.

A taxa de resposta objetiva confirmada por revisão central independente foi de 26,5% (IC 95% 15,0–41,1; 13 de 49, todas respostas parciais) na coorte 1 e 34,1% (20,1–50,6; 14 de 41; duas respostas completas e 12 respostas parciais) na coorte 1A.

Os eventos adversos relacionados ao tratamento mais comuns de grau 3 ou superior foram neutropenia (12 [24%] de 49 na coorte 1, nenhum na coorte 1A), pneumonia (seis [12%] e dois [5%], respectivamente), fadiga (seis [12%] e três [7%], respectivamente) e progressão da doença (seis [12%] e quatro [10%], respectivamente). Eventos adversos relacionados ao medicamento de grau 3 ou superior ocorreram em 26 (53%) dos 41 pacientes na coorte 1 e em nove (22%) dos 49 pacientes na coorte 1A.

Eventos adversos graves relacionados ao medicamento foram relatados em dez (20%, coorte 1) pacientes e três (7%, coorte 1A) pacientes. Mortes devido a eventos adversos relacionados ao tratamento ocorreram em dez (20%) pacientes na coorte 1 (progressão da doença em seis (12%) pacientes e broncoespasmo, hidrocefalia, insuficiência respiratória e pneumonite em um [2%] paciente cada), e em sete (17%) pacientes na coorte 1A (devido à progressão da doença em quatro (10%) pacientes e dispneia, neoplasia maligna e sepse em um (2%) paciente cada). Uma morte devido a um evento adverso relacionado ao tratamento foi determinada pelo investigador como sendo devida ao tratamento estudado (coorte 1, pneumonite).

A avaliação independente demonstrou que doença pulmonar intersticial ou pneumonite relacionada a medicamentos ocorreu em dez (20%) pacientes na coorte 1 (dois [4%] grau 1, cinco [10%] grau 2 e três [6 %] grau 5) e dois (5%) pacientes na coorte 1A (um [2%] grau 2 e um [2%] grau 5). Um paciente adicional na coorte 1A apresentou pneumonite grau 4 após o cutoff de dados, que foi posteriormente avaliada como doença pulmonar intersticial de grau 5 relacionada ao medicamento ou pneumonite.

“Devido à baixa atividade antitumoral das opções de tratamento existentes para esta população de pacientes, trastuzumabe deruxtecana tem potencial para preencher uma grande necessidade não atendida no CPNPC com superexpressão de HER2. Nossos achados apoiam uma investigação mais aprofundada”, concluíram os autores.

O estudo foi financiado pelas farmacêuticas Daiichi Sankyo e AstraZeneca e está registrado em ClinicalTrials.gov, NCT03505710.

Referência: Trastuzumab deruxtecan in patients with metastatic non-small-cell lung cancer (DESTINY-Lung01): primary results of the HER2-overexpressing cohorts from a single-arm, phase 2 trial - Prof Egbert F Smit, MD; Prof Enriqueta Felip, MD; Dipesh Uprety, MD; Misako Nagasaka, MD; Prof Kazuhiko Nakagawa, MD; Prof Luis Paz-Ares Rodríguez, MD et al. Published: April, 2024. DOI:https://doi.org/10.1016/S1470-2045(24)00064-0


Publicidade
ABBVIE
Publicidade
ASTRAZENECA
Publicidade
SANOFI
Publicidade
ASTELLAS
Publicidade
NOVARTIS
banner_assine_300x75.jpg
Publicidade
300x250 ad onconews200519