26112020Qui
AtualizadoTer, 24 Nov 2020 4pm

PUBLICIDADE
Daichii Sankyo

Mutação PIK3CA e as terapias anti-HER2 no câncer de mama

cancer_de_mama_NET_OK.jpgAlterações na via PIK3/ AKT são presentes no câncer de mama, sendo a mais comum a mutação no gene PIK3CA. Estudo liderado por Syblle Loibl, do grupo alemão de pesquisa em câncer de mama, investigou a associação entre o genótipo PIK3CA e a resposta patológica completa (RPC) ao bloqueio anti HER-2, simples ou duplo. 

Além disso, o estudo também verificou a associação da mutação com a resposta à quimioterapia neoadjuvante em pacientes com câncer de mama HER2 positivo.

O grupo alemão considerou 504 amostras de pacientes participantes dos estudos GeparQuattro, GeparQuinto e GeparSixto para avaliar a presença da mutação PIK3CA. Nesses trials, todos os pacientes HER2-positivo receberam trastuzumabe ou lapatinibe ou a quimioterapia de combinação antraciclina-taxano.


No geral, 21,4% das amostras avaliadas abrigavam a mutação PIK3CA, associada a uma taxa de resposta patológica completa significativamente inferior (19,4% entre os pacientes com mutação PIK3CA versus 32,8% no grupo avaliado com PIK3CA do tipo selvagem; odds ratio [OR], 0,49, 95% CI, 0,29-0,83, P = 0,008).

Nos 291 pacientes com tumores positivos para receptor hormonal (RH), a taxa de RPC foi de 11,3%, na amostra com mutação PIK3CA em comparação com 27,5% no grupo com PIK3CA do tipo selvagem (OR, 0,34, 95% CI, 0,15-0,78, P = 0,011). Em 213 pacientes com tumores com receptor hormonal negativo, a taxa de RPC foi de 30,4% na amostra com mutação PIK3CA e de 40,1% entre os pacientes não mutados (OR, 0,65, 95% CI, 0,32-1,32, P = 0,233, teste de interação P = 0,292).

Na análise multivariada, o status de RH e o status PIK3CA forneceram informações de caráter preditivo. Em pacientes com a mutação PIK3CA, as taxas de RPC foram de 16%, 24,3% e 17,4% com lapatinibe, trastuzumabe, e a combinação, respectivamente (P = 0,654) e no grupo de tipo selvagem foram de 18,2%, 33. %, e 37,1%, respectivamente (P = 0,017).

As taxas de sobrevida livre de doença e de sobrevida global não foram significativamente diferentes entre os pacientes com mutação PIK3CA e o tipo selvagem.  "É possível que o período de seguimento relativamente curto desses estudos seja responsável pela não identificação de diferenças significativas em SLP e SG. Porém, apenas o tempo nos trará essa resposta. Precisamos esperar pelo amadurecimento destes resultados para saber se mutações na via PIK3/AKT têm implicações prognósticas e preditoras de resposta ao tratamento em desfechos primordiais”, explica Márcio Debiasi, médico oncologista do Instituto do Câncer Mãe de Deus, em Porto Alegre. “Essa discussão torna-se particularmente importante frente a dualidade de conceitos que enfrentamos nesse momento em relação à pesquisa no câncer de mama: se, por um lado, precisamos de desfechos substitutos que nos permitam identificar novos alvos terapêuticos e testá-los de forma mais rápida; por outro lado, ainda não somos capazes de entender exatamente como valorizar a resposta patológica completa como desfecho substitutivo. Essa dúvida fica bem exemplificada nas discrepâncias vistas nos resultados dos estudos ALLTO e NeoALLTO e na metanálise publicada em 2014 no Lancet pelo FDA, em parceria com o grupo alemão de pesquisa em câncer de mama e o NSAPB", exemplifica o especialista.

Em conclusão, os carcinomas de mama HER2-positivo com mutação PIK3CA têm menos probabilidade ​​de alcançar RPC após a quimioterapia neoadjuvante baseada em antraciclina-taxano, mesmo diante de um duplo tratamento anti-HER2.
 
Referências: http://jco.ascopubs.org/content/32/29/3212

PIK3CA Mutations Are Associated With Lower Rates of Pathologic Complete Response to Anti–Human Epidermal Growth Factor Receptor 2 (HER2) Therapy in Primary HER2-Overexpressing Breast Cancer
Sibylle Loiblet al

 

Publicidade
banner pfizer 2018 institucional 300x250px
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
banner libbs2019 300x250
Publicidade
banner astellas 2019 300x250
Publicidade
Zodiac
Publicidade
Astrazeneca
Publicidade
IBCC
Publicidade
300x250 ad onconews200519